Quinta, 27 Mai 2021 05:00

Tratamento inadequado ou falta de tratamento podem levar à cegueira

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)
Tratamento inadequado ou falta de tratamento podem levar à cegueira Foto por: Christiano Antonucci

Oftalmologista do MT Saúde afirma que tratamento adequado pode proporcionar vida normal ao paciente com glaucoma. Na maioria dos casos o tratamento é feito com uso de colírios para controle da pressão intraocular, mas se não tratada, doença pode levar à cegueira.

O glaucoma não tem cura. Contudo, existem diversas formas de controle da doença disponíveis que permitem oferecer aos pacientes com glaucoma uma vida normal. A oftalmologista Heloísa Ramos Aguiar de Freitas, credenciada ao Mato Grosso Saúde pela Clínica Vida, observa que quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores serão as probabilidades de se evitar a perda da visão. 

“Na maioria dos casos, desde que o glaucoma seja tratado adequadamente poderemos controlar eficazmente a doença”, orienta a especialista.

Heloísa ainda explica que o glaucoma é uma doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico e, como consequência, comprometimento visual. Se não for tratado adequadamente, pode levar à cegueira.

“No glaucoma, o tratamento tem como objetivo reduzir ou estabilizar a pressão intraocular. Quando este objetivo é atingido, o dano das estruturas oculares, principalmente do nervo óptico, pode ser evitado”, pondera a médica.

Na maioria dos casos, o tratamento de glaucoma pode ser realizado apenas com o recurso dos colírios hipotensores (para baixar a pressão), não sendo, portanto, necessário qualquer tipo de tratamento cirúrgico.

Alguns pacientes, no entanto, podem necessitar de tratamento cirúrgico de modo a reduzir a pressão intraocular para níveis mais baixos.

“Tratamento inadequado ou falta de tratamento podem levar à cegueira. Consulte com regularidade o oftalmologista. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento”, alerta a médica.

Tipos da doença

Há vários tipos de glaucoma. Os principais são os glaucomas de ângulo aberto ou fechado, que representam cerca de 80% dos casos, incidem nas pessoas acima de 40 anos e podem ser assintomáticos. Ele é causado por uma alteração anatômica na região do ângulo da câmara anterior, que impede a saída do humor aquoso, aumentando a pressão intraocular.

A principal característica do glaucoma de ângulo fechado, detalha a especialista, é o aumento súbito de pressão intraocular. Este tipo é mais incomum, porém de alta prevalência.

Existem ainda os glaucomas secundários, segundo a médica, que são decorrentes de enfermidades como diabetes, inflamações, o uso de medicamentos como os corticóides, inflamações intraoculares (uveítes), e até mesmo a catarata.

“A doença é assintomática no início. A perda visual só ocorre em fases mais avançadas e compromete primeiro a visão periférica. Depois, o campo visual vai se estreitando progressivamente até transformar-se em visão tubular. Sem tratamento, o paciente fica cego”, reforça a oftalmologista.

Sintomas

De modo geral, dois sinais merecem a atenção: pressão intraocular acima da média e alterações no nervo ótico, perceptíveis no exame de fundo de olho. Outros fatores podem ajudar a confirmar o diagnóstico.

Os principais fatores de risco para a doença, de forma geral, são a raça negra, a idade avançada, em especial pacientes acima dos 35 anos e portadores de doenças crônicas como diabetes e miopia. Outro fator de risco importante é a história familiar, com pacientes de primeiro grau que sofrem da doença. 

“Não se descuide da adesão e regularidade do tratamento quando diagnosticado o glaucoma. Muitas pessoas deixam de seguir as recomendações do médico pela ausência de sintomas. Isso pode ter graves consequências”, completa a oftalmologista.

 

Ler 8 vezes