Quarta, 26 Fevereiro 2020 15:41

A pluralidade da beleza natural da mulher

A pluralidade da beleza natural da mulher Foto: Divulgação

É fato que a moda plus size vem ganhando espaço no mercado. Marcas e lojas vêm surgindo aos poucos e conquistando seu espaço. Além de combater os padrões inalcançáveis de beleza e desenvolver a autoestima em corpos gordos, esse nicho também movimenta o mercado.

Regina Marcia Figueiredo é modelo plus size há 16 anos desde que chegou à Cuiabá. “Sou natural de São Paulo, tenho 60 anos, 1,60 metro de altura e alguns quilos extras”, disse bem humorada. A administradora de empresas e funcionária pública municipal é top model plus size de uma loja de roupas com tamanhos especiais na Capital.

“Sou modelo da Marceille Moda Maior desde que cheguei à cidade, ou seja, há 16 anos”, enfatizou.  A carreira de modelo começou por acaso. Regina revela que sempre teve vontade de ter uma calça jeans. “Quando morei em Rondonópolis(MT) não havia essa opção de lojas especializadas. Então, quando vim para Cuiabá foi a primeira ação que tive: buscar a loja e adquirir minha calça jeans”, comemora. Na sequência, Regina conheceu a proprietária e tornou-se a garota propaganda onde segue até hoje.

Empoderada, Regina disse que desde então seu objetivo é incentivar e ajudar as mulheres a aceitarem seu corpo independente de padrões de beleza. “É possível sim se vestir bem, ser elegante, charmosa,  se sentir realizada e elevar a autoestima”, frisou.

Falar sobre moda e estilo plus size não é esconder ou disfarçar a gordura, mas sim valorizar todo o corpo. Tamanhos acima do 48 já são uma realidade no Brasil, mas que precisam de mais acessibilidade para o público.

A modelo Regina já participou de comerciais e programas na televisão, sempre baseada na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum.

 “A ideia sempre foi romper paradigmas. Tornei-me a primeira modelo plus size de Mato Grosso”, conta.

Apelidos como “gordinho”, cheinho”, “baleia” entre tantos outros sempre utilizados para depreciar alguém ainda são comuns, mais do que se pode imaginar.

Conforme a modelo, não consta na sua rotina nenhum episódio de preconceito. Praticou dança cigana e outras por um longo período. Hoje, por uma restrição, está em stand by. “Já nasci gordinha. Em um momento da minha vida, lá pelos 20 e poucos anos, tentei fazer um tratamento para emagrecer, Não obtive sucesso. Tive, inclusive, uma anemia profunda. Desisti, e sigo feliz. Resolvida com minha situação de mulher diferente. Estou aqui para empoderar a beleza fora dos padrões e não tenho receio da palavra gorda”, disse.

“Tamanho é só um número”

As lindas modelos plus size realçam as características de um corpo mais voluptuoso, fugindo do esteriótipo de magreza tanto visto no mundo da moda.

 Em uma pesquisa de 2019 pelo Ministério da Saúde, 55,7% da população encontra-se acima do peso.

A caminhada para a aceitação e construção de autoestima é longa? Não para Regina. Para ela, o fato de ser considerada obesa não é sinônimo de doente. “Pelo contrário, sou saudável, Tenho uma disposição invejável, uma enorme energia vital e uma intensa vida social” garante.

Inspirar pessoas e incentivar outras mulheres a seguir mulheres reais é a intenção da modelo plus size, Regina Marcia Figueiredo.

Sinônimo de beleza, segundo Regina, é a alegria de viver, ser feliz e fazer os outros felizes. “É a beleza interior da pessoa. É se preocupar em levar mensagens positivas. Respeito às diferenças e sororidade”, conclui.

 

Ler 654 vezes