Segunda, 27 Setembro 2021 10:51

Fiotão passa por sanitização

Fiotão passa por sanitização Foto: Assessoria

Várzea Grande fecha o Ginásio por dois dias. Medida visa resguardar os serviços realizados desde janeiro quando a segunda maior cidade de Mato Grosso iniciou a campanha de Imunização contra a Covid- 19.

Seguindo as determinações da própria Vigilância Epidemiológica e Sanitária de Várzea Grande, um dos pontos mais importantes da Campanha de Vacinação contra a Covid-19, o Ginásio Poliesportivo Júlio Domingos de Campos - FIOTÃO, não funcionará nesta terça e quarta-feira (28/29), em função da sanitização que será feita em todas suas dependências.

“Todas as dependências aonde são realizadas vacinação realizam serviços de limpeza mais apurada, mas como o FIotão tem grandes dimensões, e em vários locais e salas foi colocado um carpete em cima da quadra poliesportiva, se faz necessário este tipo de procedimento em prol da própria saúde das pessoas”, disse Relva Cristina de Oliveira superintendente de Saúde.

Ela estimou que das quase 300 mil doses aplicadas de vacinas contra a Covid- 19, cerca de um 100 mil foram aplicadas no Ginásio do Fiotão que se tornou um ponto estratégico por causa da localização central e, ao lado do Terminal Rodoviário André Maggi,  que permite facilidade no acesso para aqueles que não dispõe de veículo próprio.

“Para as pessoas saberem da importância do Fiotão, apenas nesta última sexta-feira (24), quando realizamos o terceiro ‘Sextou Vacina VG’ foram vacinadas mais de cinco mil pessoas em um único dia, o que demonstra a importância do local para o planejamento preparado pela equipe do secretário Gonçalo Barros”, frisou Relva Cristina.

Ela ponderou ainda que diferente de outros locais como o Centro Universitário UNIVAG, o Parque Berneck e o Jardim dos Estados, o Ginásio do Fiotão tem muitas dependências fechadas que levaram as Vigilâncias Epidemiológicas e Sanitárias a recomendarem a dessanitização que é realizada por empresa especializada e com anuência da ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Ler 21 vezes