Quarta, 24 Novembro 2021 08:32

O Oscar Empresarial

Este ano o evento em Cuiabá será dia 25 de novembro no Buffet Alphaville Premium.

Desde 1977 acontece a Cerimônia de Entrega da Certificação Qualidade Brasil. Sempre com muito requinte e bom gosto, o Prêmio Qualidade Brasil promete uma noite glamorosa e agradável a todos os convidados e premiados. “Esse ano o prêmio terá um teor diferente que marca a volta dos eventos, seguindo as normas de biossegurança, mas mantendo o charme e glamour de sempre”, afirma o coordenador do Prêmio em Mato Grosso, Sávio Pereira.

Este ano o Prêmio será realizado no dia 25 de novembro, às 19h30 no Buffet Alphaville Premium. A embaixadora do Prêmio continua sendo a empresária de sucesso Denise Gomes que está no prêmio desde o início em Mato Grosso. “Para mim é uma honra participar desse evento de renome internacional”, afirma Denise.

O prêmio ficou dois anos sem ser realizado e agora Sávio Pereira resolveu que já era o momento de realizar novamente o evento, com boa parte da população vacinada, mas seguindo as normas e com menos participantes para não gerar aglomeração.

“Queremos mais que participar desse evento como vencedores, queremos que as pessoas venham reencontrar os amigos e curtir uma noite agradável depois de tanto tempo de isolamento. Sabemos que ainda será necessário os devidos cuidados, mas já é um passo para um novo tempo que começamos aprendendo a conviver com a saudade em meio a tantas pessoas queridas que se foram. E de novas amizades que fizemos. Esse ano o prêmio sem dúvida vem com uma cara nova”, diz Sávio Pereira.

O PRÊMIO

CERTIFICAÇÃO QUALIDADE BRASIL E LEADER QUALITY Teve inspiração no ano de 1950, quando foi criado um primeiro Prêmio dedicado a qualidade total. Essa criação foi feita pela União Japonesa de Cientistas e Engenheiros (JUSE), lá no Japão no final da segunda guerra mundial, ao estadunidense estatístico, matemático, engenheiro Willian Edwards Deming. Deming é considerado o pai da qualidade total, que define qualidade como ¨ o sentir orgulho pelo trabalho bem feito¨, fazendo elevar a qualidade organizacional (Deming, 1950) com o respectivo reflexo sobre a satisfação do consumidor.

No entanto, é considerado o estrangeiro que gerou o maior impacto sobre a indústria e a economia japonesa no século XX, ensinando executivos de alto escalão a melhorar seus projetos, produtos com qualidade, testes e vendas.

O Prêmio possui grande influência no desenvolvimento do controle da qualidade e gerenciamento no Japão.

Nos Estados Unidos, uma das primeiras grandes empresas a buscar ajuda de Deming foi a Ford. As vendas da Ford estavam caindo e Deming foi recrutado para ajudar no levantamento da qualidade, questionou a cultura da empresa e seu gerenciamento. Ele disse a Ford que as decisões da gerência são responsáveis por 85% dos problemas da produção de melhores carros.

Vito Milano, italiano, um grande seguidor dos critérios na busca da qualidade criados por Deming: Inspeção da Qualidade, Controle de Qualidade, Garantia da Qualidade, reinventou, desenhou a Certificação e Selo de Qualidade Brasil em 1977, e em seguida o patenteou. Hoje
é o pai de todos os Prêmios de Qualidade no Brasil, ferramenta de publicidade, Oscar da Qualidade, conferida para pessoas físicas e jurídicas.

A qualidade pode ser resumida como sendo a busca permanente por melhores resultados a partir do melhor desempenho de cada um dos elementos de um processo, devendo estar sempre orientada para o cliente, atendendo as suas necessidades e superando as suas
expectativas. (Fonte: Certificação Qualidade Brasil)

EVENTO

O QUE: Prêmio Qualidade Brasil
ONDE: Buffet Alphaville Premium
QUANDO: 25 de novembro às 19h30
INFORMAÇÕES: 65 99983-8231

 

Quinta, 11 Novembro 2021 08:41

Um novo conceito de malharia

Casal de empresários, após investirem no e-commerce, decidem abrir loja física marcando um novo tempo para a marca genuinamente mato-grossense.

Com a chegada da Covid-19, muitos comerciantes tiveram que fechar suas lojas ou paralisar as vendas nas ruas rapidamente e se adaptar para um novo cenário que surgiu de repente, sem aviso prévio. Muitos deles, para continuar o seu trabalho, migraram para as vendas online e plataformas de e-commerce, onde a compra de produtos ocorrem por meios de dispositivos e aparelhos eletrônicos, e houve pessoas que viram essa situação para começar algo novo e foi nesse meio que o casal de empresários Marco Antônio e Luciene Vilela juntamente com seus filhos saíram na frente, pois já estavam em plena atividade e realizando vendas. Eles acreditaram e apostaram no digital antes mesmo do início da pandemia, um mercado até então desconhecido por muitos.

Luciene pontua que Marco Antônio viu no digital uma grande oportunidade para começar um negócio novo em um ramo que já atuavam desde 1999, um sonho que hoje está completo com a participação dos filhos Bruno Vilela e Lucas Vilela, ambos sócios da empresa de vestuário que está chegando fisicamente no mercado cuiabano nesta quinta-feira (11) no shopping mais cuiabano da cidade " Três Américas", porém já atende o Brasil inteiro com a marca Vista LB.

A empresa tem como visão oferecer uma experiência para toda família, já que no espaço poderá encontrar roupas para homens, mulheres e crianças, possibilitando assim que todos possam desfrutar do momento  e também se aproximar ainda mais dos seus familiares gerando mais afetividade no ato da compra.

A loja possui as marcas e valores da família Vilela de Almeida especialmente da Luciene que após a maternidade precisou fazer a transição de carreira para cuidar dos filhos, sem deixar de trabalhar, sempre contando com o apoio e incentivo do esposo em todas as fase e agora mais do que nunca nesse momento de implantação da loja física.

"Tudo está sendo pensado com muito amor, queremos oferecer aos nossos clientes físico a mesma qualidade que entregamos no digital, oferecer a experiência de vestir os Produtos da Vista LB e sentir-se bem, confortável e feliz", disse Luciene. 

Os empresários pontuam que o grande objetivo é transformar a marca em algo maior, levar o nome de Mato Grosso, Brasil e porque não mundo afora, obter reconhecimento dos clientes, parceiros e colaboradores, gerar renda, emprego e aquecer o mercado cuiabano e mato-grossense. "O sonho é transformar a Vista LB em uma franqueadora, expandir para outros Estados e porque não ir para o mercado internacional, levar nosso Mato Grosso a ser reconhecido e contribuir ainda mais para o crescimento e economia", frisa Marco.

História da marca

O Bum da marca veio do digital, porém a ideia de criar uma marca própria surgiu de um sonho familiar, pois a família já atuava nesse segmento de vestuário desde 1999 e foi se aprimorando ao longo do tempo, passando por várias fases e nomes, sendo primeiro a marca/logo (BRUCAS – LB), sempre ouvindo opiniões diversas, mas mantendo o projeto original, que era manter as iniciais dos filhos na marca da empresa.

Já em 2018, deram mais um passo rumo a concretização do sonho, já bem amadurecidos e com a chegada de mais um sócio no projeto, a empresa ganha mais uma lapidação, rumo a uma nova etapa e passa a usar o nome BRUCAS MODA LTDA – VISTA LB que hoje se transformou em Vista LB.

A Vista LB é uma empresa mato-grossense, cujo objetivo é levar conforto e leveza com roupas de qualidade, inovando nos looks casuais, oferecendo peças básicas para o dia-a-dia totalmente em tecido 100% algodão para todas as ocasiões seja ela reuniões de negócios, passeio e diversão, interação familiar ou com amigos.

Inauguração

A loja abre as portas nesta quinta-feira (11), a partir das 18hs até as 21hs, no Shopping 3 Américas, primeiro andar , loja 222-B

Rede social @vistalb.oficial

@vistalb_americas

@vistalb

@vistalb_oficial

www.vistalb.com.br

 

Prazo era de 5 dias e 9 horas em 2019 e hoje está em 47 horas.

 O tempo médio para a abertura de uma empresa no país é três vezes menor do que no início de 2019, ficando em menos de dois dias. Em 2019, o prazo médio era de cinco dias e nove horas e, atualmente, está em 47 horas. Os dados constam da plataforma Governo Digital, ligada ao Ministério da Economia.

Segundo a plataforma, a redução deve-se a medidas de simplificação, à integração digital entre as 27 juntas comerciais e adesão à plataforma Gov.BR.

Os dados mostram que, atualmente, 23 das 27 juntas comerciais já usam a assinatura do Gov.BR para a formalização dos novos negócios. A medida, entre outros pontos, ajuda a reduzir tempo e custos, uma vez que não é mais necessário despender recursos com reconhecimento de firma ou com certificado digital para abrir ou alterar os registros de uma empresa.

Dados do boletim Mapa de Empresas, do Ministério da Economia, revelam que, no segundo quadrimestre deste ano, foram abertas no país 1.420.782 empresas, o que representa aumento de 1,9% em relação ao primeiro quadrimestre de 2021 e de 26,5% na comparação com o segundo quadrimestre de 2020. O boletim mostra ainda que 328 mil empresas foram abertas em setembro deste ano, já com a redução do tempo.

“O tempo médio de abertura de empresas no país apresentou gradativa redução nos últimos meses, reflexo dos avanços obtidos pelos órgãos federais, estaduais e municipais, objetivando um processo de abertura de empresas mais simples e ágil. Os recordes em registro de novas empresas reforçam, cada vez mais, a opção do brasileiro pelo empreendedorismo e criação de novos negócios”, diz o boletim.

Segundo o ministério, em três das 27 unidades federativas brasileiras, já se abre uma empresa em menos de 24 horas, em média: Goiás, Espírito Santo e Distrito Federal. Das três, Goiás apresentou o menor tempo de abertura de empresas no segundo quadrimestre deste ano: 1 dia e 2 horas, uma queda de 16 horas (38,1%) em relação ao primeiro quadrimestre de 2021.

No estado da Bahia, leva-se mais tempo para abrir uma empresa: 6 dias e 1 hora. Apesar de estar no fim da fila, a Bahia apresentou considerável redução de prazo e está com  2 dias e 17 horas, 31,0% a menos que no primeiro quadrimestre do ano. (Fonte: Agência Brasil)

 

Empresária investe no mercado da beleza e inaugura na cidade nova unidade da Fast Escova com espaço kids.

Driblando a crise, empresária aquece o mercado de Várzea Grande e traz para Mato Grosso franquia nacional express e promete inovar no segmento. Apaixonada pelo setor de beleza, a empreendedora Jahnny de Alencar Gahyva Martins, decidiu investir  em uma franquia nacional, a rede Fast Escova, especializada em escovas, maquiagens e tranças. O empreendimento, para além da proposta diferenciada de atendimento, já que é express, vai gerar emprego e renda para pelo menos 20 famílias da cidade industrial onde a nova unidade será instalada.

A empresária  destaca que optou pela  marca justamente pela  praticidade  que a empresa oferece, já que após estudo verificou a demanda da cidade de Várzea Grande por um espaço onde as mulheres podem desfrutar de um ambiente com ótimo padrão, com  preço justo aliado a mão de obra especializada e produtos de alta qualidade.

O espaço contará com a Fast Escovinha, pensado no atendimento de crianças e adolescentes, num ambiente adequado onde as  mamães poderão oferecer um mundo kids de lazer e embelezamento. 

“A Fast Escova não é um salão convencional, ela é a Fast Escova, preconizando uma relação conectada às necessidades da mulher moderna, aliando transparência, sem surpresa no preço final e sem hora marcada. A empresária reforça ainda, que o mercado da beleza é um dos que mais cresce, porque as mulheres estão cada vez mais exigentes e adoram ter à disposição um serviço que valoriza o tempo, descomplica o cotidiano e as deixa lindas”, observou.

A Fast Escova será inaugurada no próximo dia 21 de outubro, na Avenida Arthur Bernades, 987- Ipase. Além dos serviços citados acima, a franquia oferece outros com o mesmo conceito fast para dar um up no visual como hidratações, Fast Pontas, Super Fast Escova, tratamento com Ledterapia, que previne a queda de cabelo e estimula o crescimento dos fios e recentemente, foi lançado o polivitamínico Fast Care, um concentrado para o cabelo, que cuida de dentro para fora, deixando os fios mais bonitos e resistentes.

 

Empaer organiza congressos nacionais de floricultura e cultura de tecidos de plantas.

A Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), junto com a Faculdade de Agronegócios de Holambra (FAAGROH), Faculdade das Flores, organizam dois importantes eventos, entre os dias 19 e 22 de outubro, o 23º Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais (CBFPO) e o 10º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas (CBCTP).

Os congressos ocorrem na modalidade online e a abertura no dia 19, às 8h30, contará com a participação do presidente da Empaer, Renaldo Loff, representando a FAAGROH, a doutora Cinara Libéria, além dos responsáveis pela promoção do evento, os doutores Ana Ledo, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e Petterson Baptista, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat).

Na presidência e na secretaria do 10º CBCTP estão as pesquisadoras da Empaer, doutoras Dalilhia Santos e Danielle Müller, ambas especialistas na área. Elas destacam a importância dos dois eventos por estarem conectados e por trazerem temas atuais por meio da participação de palestrantes que são referências no país. “Os dois congressos permitem unir os esforços da ciência e do setor produtivo, visando a evolução de ambas as áreas”, frisam.

As especialistas apontaram ainda a participação dos agricultores do ramo, estudantes e de quem estiver interessado em conhecer esse nicho de mercado que vem crescendo a cada dia. Elas convidam técnicos, produtores, empresários, pesquisadores e docentes vinculados ao setor de floricultura, paisagismo e propagação de plantas in vitro, além das principais empresas do setor, a participarem do evento, pois terão a oportunidade de conhecer as novidades de ambas as áreas. Por ser na modalidade online, as inscrições podem ser realizadas até na véspera da abertura do evento.

A Empaer possui um laboratório de Cultura de Tecidos de Plantas no Centro de Pesquisa de Várzea Grande e trabalha com a produção de mudas e flores de plantas tropicais no Campo Experimental em Acorizal.

Serviço

23º Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais (CBFPO) e o 10º Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas (CBCTP)

Quando: 19 a 22 de outubro

Modalidade: online

Mais informações pelo https://cbflorcultec2021.com.br/

Na piscicultura o cuidado com a qualidade da água é fundamental para a sobrevivência do negócio. Doença de Haff afeta o mercado local. Queda no consumo chegou a 50%, mas comercialização já está sendo retomado. Especialistas garantem que no pescado de cultivo não existe ocorrência de contaminação.

Mesmo com ocorrências isoladas, o surgimento de casos da doença de Haff (síndrome da urina preta), na Bahia, Pernambuco, Amazonas e Pará, está afetando o segmento de piscicultura em Mato Grosso e em outras regiões do País. Há indícios de que a doença esteja associada ao consumo de pescado, embora ainda não haja comprovação científica. Várias entidades nacionais e regionais se manifestaram sobre o assunto.

O piscicultor Igor Cesar Davoglio, integrante de Associação dos Aquicultores do Estado de Mato Grosso (Aquamat), informa que a queda no consumo chegou a 50% prejudicando muito os produtores locais, mas recentemente começou a haver uma recuperação e a perspectiva é de que nos próximos dias as vendas voltem ao normal. Segundo ele, o consumo de peixe de piscicultura na Baixada Cuiabana é de cerca de 180 a 200 toneladas por semana. Ele reforça que a possibilidade de contaminação em pescados cultivados é zero porque todos os processos seguem rígidos padrões de sanidade, da criação ao abate, incluindo armazenamento e comercialização. Além disso, lembra que, em piscicultura a água não pode estar contaminada, ou o produtor perde todo o investimento. “Quem não cuida da água não cria peixe”. Ressalta ainda que pescado que passa por inspeção não tem problema algum.

A Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR) divulgou nota de esclarecimento dizendo que “tilápia e tambaqui criados profissionalmente, em cativeiro com toda a segurança, não provocam a Síndrome de Haff em seres humanos”. A nota prossegue dizendo que o pesquisador Roger Crescêncio, da Embrapa Amazônia Ocidental, informa que não há nenhum registro de caso da doença que tenha como origem os peixes de cultivo. “A ciência comprova que a Síndrome de Haff pode ser causada pela ingestão de peixes contaminados, de origem desconhecida e que não foram criados em ambientes controlados”.

As informações sobre as causas da doença de Haff são ainda bastante incipientes e nada conclusivas, como esclarece a doutora Ana Lucia Vianna, diretora nacional do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). “Estudos estão sendo feitos no Brasil e em várias partes do mundo para tentar identificar a origem da doença, que foi descoberta em 1925 e desde então surge e desaparece sem que se saiba exatamente como”, disse a especialista. Ana Vianna reforçou a importância de consumir pescado inspecionado, com selo federal, estadual ou municipal, e de observar as condições de armazenamento nos pontos de venda, sem esquecer os cuidados na manipulação em casa, que devem ser adotados com todas as proteínas de fonte animal.

O secretário Eduardo Taveira fez questão de enfatizar que a doença de Haff tem se manifestado de forma pontual e que não há nenhum caso na região Centro-Oeste. Ele lembra ainda que as pessoas diagnosticadas com a doença não consumiram pescado de cultivo. “Os 52 casos registrados na Amazônia, sendo 36 em Itacoatiara, são pouco representativos no universo de 2,2 milhões de habitantes que consomem peixe regularmente”. Ele lembra que não se deve comer pescado de origem duvidosa e que a orientação vale para todos os tipos de proteína animal e alimentos.

O Sebrae MT, que há anos é apoiador da cadeia produtiva da piscicultura, também está empenhado em difundir informações corretas para produtores, consumidores e sociedade em geral. Em setembro e no início de outubro, a instituição apoiou e participou de eventos como a Semana do Pescado, Festival Nacional do Tambaqui da Amazônia e MTilápia, junto às comissões organizadoras. São feitos diversos trabalhos junto aos produtores e frigoríficos para que as boas práticas de produção e manipulação sejam efetivamente utilizadas e praticadas. Além disso, os empresários do setor produtivo e de processamento são orientados sobre a importância do controle de qualidade em todas as fases, desde a alevinagem até a mesa dos consumidores, para ofertarem à população um produto com garantia da segurança alimentar.

Grande produtor nacional, Rondônia também se posicionou oficialmente e afirmou que: “os peixes são cultivados com base na sustentabilidade, em sistema de produção semi-intensivo. O Estado disponibiliza aos piscicultores familiares suporte de laboratórios móveis, por meio do Programa Peixe Saudável, com assistência técnica especializada para capacitar os piscicultores no que se refere às Boas Práticas de manejo na piscicultura, para assegurar a qualidade dos nossos peixes. Não há relatos de casos da Doença de Haff em Rondônia. E na literatura científica não há registro da transmissão por peixes de cativeiro”.
Doença
De acordo com o Ministério da Saúde, a Síndrome de Haff é causada por uma toxina que pode ser encontrada em peixes e crustáceos. Como ela é pouco estudada, acredita-se que esses animais possam ter se alimentado de algas com certos tipos de toxinas que, consumidas pelo ser humano, provocam os sintomas. Contudo, a toxina, sem cheiro e sem sabor, surge quando o peixe não é guardado e acondicionado de maneira adequada. (Fonte: Assessoria Sebrae MT)

 

 

 Empada Brasil inaugura mais uma loja na capital. Agora no charmoso bairro de Duque de Caxias.

 A empreendedora e gastróloga Renata Miranda abriu a sua segunda loja da Empada Brasil e, com ela, está levando novos sabores para o charmoso bairro de Duque de Caxias, em Cuiabá. A unidade foi inaugurada em uma casa histórica, onde por décadas funcionou o salão do cabeleireiro Ulisses Calhao. Toda a arquitetura tradicional foi preservada e evidenciada com muita elegância pela proprietária, que fez questão de restaurar a porta centenária da casa, bem como os vitrais, mantendo as características originais do local.

 Sempre foi uma vontade de Renata empreender no segmento alimentício e, a princípio, pensou em abrir uma cafeteria, mas acabou sendo envolvida pela qualidade dos produtos da Empada Brasil. Após abrir a sua primeira unidade no Shopping Estação, o segundo passo era ter a tão sonhada loja de rua. "Essa casa é a verdadeira materialização desse sonho. Ela é acolhedora, arejada, arborizada e tem uma energia inexplicável", conta a empreendedora. Renata Miranda disse também que estudou gastronomia para poder se aperfeiçoar na área da alimentação, e assim, ter a oportunidade de combinar duas paixões: empreendedorismo e gastronomia.

 O segredo da Empada Brasil é o sucesso da receita caseira e tradicional, sem deixar de seguir as tendências do mercado, além da variedade de recheios de suas empadas. São mais de 30 recheios diferentes, entre eles a empada de frango, premiada nacionalmente. A gastróloga ressalta ainda que as lojas têm sabores típicos de cada região, como, por exemplo, a empada de frango com pequi e a empada de carne de jacaré. A empadaria também conta com produtos integrais, light/diet e veganos em seu cardápio.

 “A franquia nos dá liberdade para criar. Além das empadas com ingredientes locais, estamos fazendo um francisquito com jatobá que fica perfeito acompanhado de um cafezinho”,  acrescenta Miranda.

 A preparação das empadas é feita diariamente sendo servidas sempre quentinhas aos clientes em um charmoso sousplat, acompanhadas de uma colher para ajudar na degustação, já que as empadas são sempre muito recheadas. A loja ainda possui outras opções de cardápio como massas folhadas, esfiras, salgadinhos tradicionais, cafés quentes e gelados, kombuchas, cerveja, vinho, sorvetes, entre outras iguarias.

Órgão capacita agentes para ampliar oferta de crédito e apoio aos pequenos e médios empresários.

Trinta e dois colaboradores de prefeituras do interior do Estado e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDLs), participaram do treinamento on-line realizado no último dia 22, promovido pela Agência de Fomento de Mato Grosso – Desenvolve MT. A parceria é fruto do termo de cooperação entre prefeituras, entidades e a agência de fomento.

O treinamento faz parte da estratégia de expansão da rede de agentes de crédito e correspondentes para levar as linhas de crédito aos empresários de Mato Grosso com atendimento presencial em todo o Estado.

Em 2020, os municípios do interior atingiram um índice alto de recursos repassados aos empreendedores. Mais de R$6 milhões em crédito foram concedidos para os municípios.

 Os agentes de crédito e correspondentes capacitados são parceiros da Desenvolve MT que irão atuar nas respectivas entidades, na oferta de crédito e apoio aos associados e empresas que atuam nos segmentos representados da indústria, do comércio, setor de serviços.

“A parceria é uma forma de ficar mais próximo dos municípios, esperamos que os agentes tragam as demandas, e que possamos atender cada vez mais os empreendedores do interior, enfatiza Jaqueline Cozovenco, gerente de investimento e projetos da Desenvolve MT.

O treinamento ministrado pela agente de fomento, Mary Milena Taki, com duração de uma hora e meia por meio de plataforma de ensino on-line. Durante a aula, os participantes conheceram as linhas de crédito bem como o todo o processo de preenchimento de cadastro e documentos e puderam tirar as dúvidas.

Conheceram também o sistema da plataforma online, local onde é solicitado o crédito e inserido os documentos do empreendedor para análise.

A plataforma online é um produto que foi desenvolvido para trazer agilidade no processo de contratação do crédito, permitindo que todos os municípios de Mato Grosso possam ter acesso sem precisa se deslocar.

Cada correspondente é treinando para dar suporte em todo o processo de solicitação de crédito facilitando assim o encaminhamento das propostas de crédito para a Desenvolve MT.

Para Leide Katayama, representante da CDL de Chapada dos Guimarães, participante do treinamento, a plataforma digital facilitou o entendimento e agiliza o processo da tomada de crédito. “Queremos dar apoio ao empresário local, com o intuito de auxiliar e orientar sobre os documentos, uma das grandes dificuldades que eles encontram, a CDL quer acompanhar a tomada de crédito, conta.

 

Dety Silva e Manoel Franco ousaram expandir. Atuando há quase sete anos em Cuiabá com móveis planejados, comemoram um ano da nova loja  aberta em Lucas do Rio Verde. 

Muitos espaços residenciais e corporativos precisaram ser totalmente reformulados durante a crise de saúde pública. O isolamento social motivado pela pandemia do coronavírus transformou não somente as relações interpessoais, mas também a relação que as pessoas têm com os espaços. É comum que, passando mais tempo em casa, todos comecem a desenvolver um olhar diferente sobre cada ambiente e reparem em detalhes que antes não eram percebidos. 

 Além do trabalho em home office, o “novo normal” trouxe para dentro das residências o ensino à distância, reuniões virtuais, a academia, diferentes formas de entretenimento, o abastecimento on-line das despensas, o delivery de restaurantes por aplicativo, e diversas outras atividades intermediadas pela tecnologia. 

 De olho nessas mudanças e vislumbrando novas oportunidades, os empresários Dety Silva e Manoel Franco ousaram expandir mesmo em meio à pandemia. Atuando há quase sete anos em Cuiabá com móveis planejados através da Detallis Homes Design, em junho de 2020 uma nova loja foi aberta em Lucas do Rio Verde. 

 “Ao permanecer mais tempo em casa, as famílias passaram a desenvolver novas dinâmicas com o uso dos espaços. A sala, por exemplo, durante a pandemia, se tornou também escritório, o quarto do filho passou a ter função de sala de aula remota. Além das novas necessidades, houve, ainda, uma mudança de vontades e da maneira como lidar com objetos que antes não incomodavam ou não faziam diferença. Assim, muitas famílias decidiram investir na personalização dos móveis planejados”, explica Dety Silva. 

 O novo empreendimento foi assertivo e além de gerar emprego e renda para o município de Lucas do Rio Verde, após um ano de funcionamento e sucesso, terá enfim uma inauguração prevista para 25 de setembro a partir das 8h. “Quando abrimos a loja não pudemos fazer uma inauguração, agora receberemos com segurança os convidados e clientes para conhecerem nossos produtos, trabalho e família”, planeja a proprietária. 

 CONFORTO E PRATICIDADE

 A empresária também pontua que a necessidade de conforto e praticidade levou as pessoas a optarem por móveis planejados. “Por mais comum que seja, mobiliar com perfeição depende de muitas variáveis. É preciso unir beleza, conforto, ergonomia, funcionalidade, otimização do espaço, durabilidade e bom custo-benefício. E são esses os principais pontos que levam as pessoas a escolherem móveis planejados sob medida e a nossa empresa oferece isso”. 

 Entre os principais benefícios desse tipo de mobília, Dety destaca: a personalização do projeto permitindo a escolha dos materiais desde a base até as texturas, cores e demais detalhes; o  total de cada espaço, com a criação de arranjos de portas, prateleiras, gavetas, cabideiros e outras estruturas conforme a necessidade; a funcionalidade de cada móvel, que pode ter diferentes usos ao longo do dia (uma mesa que serve confortavelmente tanto para trabalhar quanto para fazer as refeições, por exemplo, ou uma cama com espaço sob o colchão para guardar roupa de cama ou outros objetos que não sejam de uso diário); o custo-benefício, que se dá, principalmente, em razão da qualidade da matéria-prima, e que garante mais tempo de uso sem perda de função e beleza. 

 “Seriedade, compromisso com a qualidade e muito trabalho estão entre os propósitos da nossa empresa e fizeram com que, em menos de dez anos, a empresa se tornasse referência em Cuiabá especializada em projetos e fabricação de móveis planejados de alta qualidade, presente nos principais showrooms das construtoras de edifícios do Estado, mas também trabalhamos para lojas, shoppings, hospitais, escritórios, consultórios, enfim, é a minha família atendendo a sua”, completa.  

Com baixo custo e rentável em período de estiagem, exemplo de persistência, com a ajuda técnica e o resultado alcançado,  área plantada será ampliada.

Há dois anos e meio se dedicando ao cultivo do capiaçu, uma família de produtores de Campo Verde (a 131 km de Cuiabá) começa a ter o retorno do investimento. Todo processo foi acompanhado e orientado com base Unidade de Referência Tecnológica de Leite, via Secretaria de Estado de Agricultura (Seaf), por meio da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural – Empaer-MT, Embrapa de Sinop e Prefeitura de Campo Verde.

A propriedade é referência e com o avanço da área plantada, mudas de capiaçu já foram disponibilizadas para produtores até de outros estados como Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina e Pará. 

Nesse período, o produtor Valdir Argemiro Freitag vendo a necessidade de ter uma opção de alimento para os animais durante o período de estiagem, foi estimulado pelo filho, também produtor e estudante de Engenharia Agrícola e Ambiental, Fabio Luis Freitag. Tímida, e ainda em fase de teste, a produção começou com 1,5 hectares, e sem uma orientação técnica e maquinário adequado - toda plantação foi perdida.

Ainda em 2019, Fábio mais uma vez acreditou no capiaçu e junto do pai, investiram em uma área de sete hectares recém-colhido uma produção de milho também usado na silagem. Mas agora, com auxílio do técnico da Empaer em Campo Verde, Kenio Batista Nogueira.

“Nosso desafio é dar opções ao produtor de uma alimentação para o gado de corte e, também, de leite no período de seca. O capiaçu é uma delas que pode fazer diferença no faturamento e lucro da propriedade”, destaca.

Segundo Kenio, a alimentação é um insumo importante na cadeia de produção – representa entre 15% e 25% do custo total de produção da carne e até 70% no leite.

“Por ser uma alternativa considerada de baixo custo, analisamos o perfil do produtor e o tipo de criação. O capiaçu tem se tornado uma boa referência de custo e benefício”.

Para Fabio, a orientação técnica fez toda diferença. Destaca que foi realizado o manejo do solo, com a análise enviada ao laboratório e até consulta via aplicativo de mensagem.

“Observei que algumas folhas estavam amareladas, tirei a foto e encaminhei. De resultado, ausência de alguns nutrientes que foram solucionados. Outra dificuldade era identificar o momento exato de corte de acordo com as características das folhas e precisa estar associada à previsão do tempo”.

Para o produtor ter retorno do investimento aplicado teve como diferencial à persistência em acreditar que daria certo associada à orientação técnica. De acordo com Fabio, atualmente a área de capiaçu é de 13 hectares que será ampliada.

 

Segunda, 13 Setembro 2021 05:00

Hipnose para negócios

Hipnoterapeuta Marcelo Behn aplica a técnica para auxiliar empresários que buscam melhorar performance profissional

Os empresários e os profissionais de corporações enfrentam grandes desafios em uma economia cheia de incertezas e pressões. Além disso, o mundo dos negócios exige desenvoltura para falar em público, convencimento de interlocutores e administração de ansiedades, medos e bloqueios. Já consagrada no auxílio de tratamento de doenças físicas e transtornos emocionais das pessoas, a hipnose tem se mostrado muito eficaz, também, no suporte para empresários que buscam dar a volta por cima, recuperando as perdas e melhorando os resultados nos negócios.

De acordo com o hipnólogo e hipnoterapeuta Marcelo Behn, um dos grandes nomes da hipnoterapia no Brasil com formação Internacional em Hipnose Clínica pela The American Hypnosis Association e pela National Guild of Hypnotists, os resultados têm sido comemorados ao redor do mundo. “O número de pacientes que são empresários aumentou com a crise da economia mundial. Inseguros e com medo de diminuírem seus lucros ou perderem seus empregos, homens e mulheres de negócio decidiram apostar na terapia por hipnose para mudar seus pensamentos e agir com garra e determinação na luta contra a crise”, diz Marcelo Behn.

Em algumas sessões, já é possível notar uma melhora no paciente porque a hipnose trabalha com uma capacidade que nossa mente tem de ser sugestionada, desde que receba os estímulos. Nas sessões de hipnose, o Marcelo Behn conduz o paciente até um estado de relaxamento muito profundo, conhecido como transe. “A hipnose faz o paciente encontrar em si mesmo a força a e confiança para enfrentar seus problemas e recuperar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal e o bem-estar do seu corpo”, afirma.

Os problemas mais comuns enfrentados nos negócios são depressão, síndrome do pânico, ansiedade, medo de falar em público, timidez, insônia, estresse, transtornos alimentares, entre outros.

Como Funciona o Tratamento
O primeiro contato para este atendimento é o agendamento de uma anamnese, uma grande entrevista onde o terapeuta irá fazer um mapeamento dos processos mentais, a fim de saber o que pensa, como pensa e quais são seus hábitos. Durante o transe, descobrem-se traumas de infância ou do passado, possibilitando que o hipnotizado recorde emoções reprimidas. Ao voltar à tona, tal sentimento perturbador — que pode ser a causa de alguma doença — é trabalhado. O terapeuta usa, o tempo todo, ferramentas da Hipnose e PNL (Programação Neurolinguistica) para entender o que o cliente busca e ajudar para que este caminho seja o mais breve possível. “Cada pessoa reage de uma forma ao tratamento, portanto não temos como estipular um número mínimo, nem máximo de sessões, normalmente são necessárias de uma a seis sessões”, afirma Behn, que responde as principais dúvidas das pessoas.

01) Na hipnose eu durmo ou fico inconsciente? Muitas pessoas acreditam que hipnose é igual a sono, pelo contrário, durante a hipnose a pessoa se encontra muito mais alerta mentalmente do que em estado de vigília, é um estado de alta concentração, porém, o corpo geralmente se encontra extremamente relaxado e por isso dá a impressão que a pessoa dorme.

02) Corro o risco de não sair da hipnose? Não existe nenhum registro de uma pessoa que entrou em hipnose e nunca voltou, isso é mito. Entramos e saímos do estado de hipnose várias vezes ao dia sem nos darmos conta disso.
03) Perco o controle do meu corpo durante a hipnose? Não. Algumas pessoas acreditam que não foram hipnotizadas porque a todo momento podiam mexer o corpo, ou abrir os olhos. E realmente durante a sessão de hipnose a pessoa pode fazer isso, se tiver algum incômodo como uma coceirinha, pode se coçar, se tiver em uma posição desconfortável, pode se ajeitar, se tiver real necessidade de abrir os olhos, pode abrir. A pessoa não vira uma estátua em hipnose.
04) Posso revelar segredos na hipnose? Não. A pessoa não revela informações íntimas. Se o terapeuta perguntar algo que não é da sua conta ou não faz parte do contexto da terapia a pessoa simplesmente irá se recusar a responder.
05) Na hipnose corro o risco de fazer o que não quero? Não. Da mesma forma que a pessoa não revela segredo ela não irá fazer o que não quer. Ninguém faz aquilo que vá contra seus valores éticos e morais em hipnose.
O hipnoterapeuta Marcelo Behn atende pacientes há mais de 10 anos e ministra cursos, online e presencial. Possui formação de Master Practitioner em PNL, pela The Society of NLP (USA), de Practitioner em PNL, pela The Society of NLP (USA), e formação Internacional em Hipnose clínica pela The American Hypnosis Association, e pela National Guild of Hypnotists. Além disso, tem Certificação em Hipnose não verbal, pelo Instituto Rogério Castilho, Certificação Internacional em mesmerismo e Fascinação Hipnótica.( Fonte:  Divulgação: Adriano Cescani)


 

Criação do site e-commerce de cosméticos veganos sólidos amplia acesso a novos mercados consumidores.

A Afeto Lab, marca cuiabana de cosméticos veganos sólidos, tem visto os horizontes se expandirem após a criação do site de vendas online. O negócio criativo, idealizado pelos empreendedores Bruna Uriarte e Eduardo Ventura, foi um foi um dos projetos contemplados no edital MT Criativo realizado pelo Governo de Mato Grosso por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

O site e-commerce lançado recentemente, foi criado com os recursos viabilizados pelo edital, além da linha de material gráfico personalizado, com cartão, caixa e sacola. Frente à crescente demanda por produtos que causem menos impacto ao meio ambiente, a loja aumentou os itens de seu catálogo e já realiza entregas para todo o Brasil. No site www.afetolab.com.br o consumidor encontra produtos para cabelo, rosto e corpo, dicas de uso e conservação do produto.

De acordo com Eduardo, desde seu lançamento, o site contabiliza mais de três mil visitas orgânicas, o que representa aumento nos pedidos. O fluxo também se explica pela oferta de novas opções, como desodorante, sérum e hidratante corporal. "Também estamos com uma nova linha de shampoos e condicionadores pronta para ser lançada. A previsão é disponibilizarmos ainda em setembro".

Mais que os números, a dupla comemora a difusão de um propósito muito mais amplo. "Nossa meta é impactar a vida das pessoas, mostrando que é sempre possível dar o primeiro passo e contribuir com o planeta, que, mais do que nunca, dá sinais de esgotamento. Então, acima de qualquer coisa, queremos ajudar o consumidor a descobrir o outro lado da moeda, apresentando novos conceitos e formatos", pontua Eduardo Ventura.

Os lançamentos incluem saboneteiras de cimento, que facilitam o armazenamento dos cosméticos sólidos. "Esta é uma das dicas que damos no site. É preciso reservar um espacinho seco e arejado para guardar os shampoos e condicionadores e dar preferência a uma saboneteira para que garanta que eles não fiquem em contato com a água quando não estiverem sendo utilizados", explica Bruna.

Assim, na busca por atenuar os danos ao meio ambiente, a marca cuiabana ajuda a revolucionar a forma com a qual cada um se relaciona consigo mesmo, com a sua casa, com as compras do mercado, da farmácia e com tudo aquilo que permeia o consumo. "Tudo isso e muito mais sem deixar o afeto de lado", pondera a empreendedora.

Conheça mais sobre o projeto no site www.afetolab.com.br ou pelo Instagram @afetolab.

 

Sábado, 04 Setembro 2021 05:00

‘Arte que brota’

Fotógrafa cuiabana idealiza novo modelo de negócio e cria Varanda Botânica. Por meio de loja online, artista comercializa arranjos florais, plantas envasadas e curadoria de acessórios para jardinagem durante pandemia.

Do olhar minucioso da fotografia para a delicadeza e cuidado no trato com as plantas. Assim que a fotógrafa, artista e idealizadora do projeto Varanda Botânica, Julia Muxfeldt, viu sua vida transformada a partir da pandemia, quando teve que deixar a fotografia, que se dedicou durante seis anos de sua vida, para usar de sua criatividade na construção de um novo modelo de sustento próprio.

Foi então que nos dias de distanciamento social e em um contato diário com as plantas de sua casa, localizada no bairro do Porto em Cuiabá, que Julia viu não só uma fonte de renda, mas uma forma de expressão artística, já que sempre teve a arte muito presente em sua vida, até mesmo pela própria fotografia.

Surgia assim a loja online Varanda Botânica, mais do que uma loja de plantas, floricultura ou viveiro, é “um espaço de criação e experimentação, onde arte e vida estão em constante sintonia e se entrelaçam”, como descreve a própria artista.

Julia deu início primeiro com um produto pouco explorado no mercado mato-grossense, que é a “kokedama”, uma técnica japonesa que envolve a planta dentro de uma esfera de musgos. Ou seja: arte, cultivo e subsistência reunidos. Com a necessidade de expandir seu trabalho e conhecimento, a artista também deu início a criação de arranjos florais, seleção de plantas envasadas, além da curadoria de acessórios para jardinagem.

“Através da varanda me vi em um lugar de auxiliar muitas pessoas a buscar soluções de como cuidar de plantas, com quem tem a experiência em Cuiabá. Nosso clima é diferente, e consequentemente, os cuidados de outras regiões não nos ensinam como é cuidar aqui. Nossos desafios são outros e quero muito ajudar quem deseja ter um pouquinho de natureza no seu dia a dia”, disse Julia.

Logo, o pequeno comércio já estava inserido na plataforma digital chamando a atenção dos amantes das plantas. O diferencial também estava na apresentação dos produtos, já que Julia usava seu olhar característico de uma profissional do audiovisual para mostrar a beleza e exuberância das plantas cultivadas.

Em 2020 inscreveu seu negócio no edital MT Criativo, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), por meio da Lei Aldir Blanc, que propiciou a renda emergencial de profissionais da cultura. E sendo contemplada, expandiu ainda mais seu negócio, desenvolvendo um site e a criação de toda a identidade visual de seu negócio.

“Acredito que poder investir com o auxílio do edital foi um grande avanço, pude alcançar mais pessoas, trazer novidades e produtos diferenciados. A varanda hoje é meu principal trabalho, amo cuidar e ensinar sobre plantas, com base na sinceridade e paciência para diversos públicos”, finalizou Julia.

Mais informações sobre a Varanda Botânica: www.varandabotanica.com.br ou pelo Instagram: www.instagram.com/varandabotanica

 

Quinta, 26 Agosto 2021 05:00

Harinas Vilu: um novo conceito de farofa

Um produto tipicamente cuiabano. Com proposta diferenciada, empresária expande leque de produtos e aquece mercado regional.

De uma receita compartilhada, nasceu Harinas Vilu, empresa genuinamente cuiabana, do ramo alimentício que aos poucos em meio a pandemia, vem expandindo e conquistando o mercado regional com as farofas premium prontas. 

Idealizada por Andreia Steell, a marca tem uma proposta diferenciada, onde os produtos levam sal rosa, gordura animal – o que proporciona uma experiência única para o consumidor final.

​Com uma história peculiar, Andreia sempre teve tato para vendas,  vendia produtos da fazenda na feira do condomínio onde mora em Cuiabá. Formada em Direito, vivia em meio ao financeiro e departamento pessoal das empresas da família antes de abrir o negócio próprio. Porém, a visão falou mais  e a levou a buscar seu próprio negócio. ​A receita da farofa veio como um presente, conta Andréia, mas claro que   tem o toque especial da empreendedora que agregou ainda mais valor ao produto e hoje possui  textura, aroma e sabor crocante sem igual.

Como todo empreendedor, antes de expandir, testou o produto com amigos, professores das filhas, onde devido ao grande sucesso,  deu um passo adiante e resolveu investir e  há um ano e meio abriu a empresa. 

Depois de montar a estrutura e contratar funcionários, a empresa sofreu seu primeiro baque com apenas alguns dias de funcionamento: o início da pandemia de Covid-19, em 2020. “Na sequência, a pergunta inevitável. O que eu vou fazer com os funcionários que contratei. Todo mundo confiou em mim, mãe e pai de família”, conta a empreendedora. A pandemia afetou também o fornecedor de embalagens, que não pôde entregar por falta de matéria-prima. O jeito foi adaptar com embalagens transparentes e etiquetas para que assim pudesse oferecer no comércio local. ​Com uma marca recém-criada, embalagens improvisadas e a correria da pandemia, introduzir a Harinas Vilu no mercado não foi fácil. “Não tínhamos acesso à supermercados porque ninguém aceitava aquele tipo de embalagem. Alguns mercados menores nos bairros e açougues abriram as portas para a gente”, conta Andreia.

​Depois de mais de um ano de pandemia e de empresa em funcionamento, as dificuldades não impediram Andreia de persistir no negócio e de expandir o leque da Harinas Vilu.

Emprego e renda

Atualmente a empresa emprega cerca de dez funcionários e usa, em sua maioria, ingredientes provenientes da agricultura familiar e de pequenos produtores regionais. O primeiro produto da marca a conquistar o mercado foi a farofa de alho tradicional; em seguida veio a farofa  apimentada, que leva pimenta dedo de moça desidratada. Ambas fazem parte da linha Premium da marca, com ingredientes selecionados e embalagem especial com dupla camada, que preserva mais o sabor e a durabilidade da farofa, por levar a gordura animal, o produto não pode ter contato com a luz, pois perde seus diferencias textura, corânica e aroma e claro o sabor.

​A marca tem uma linha completa, com valor mais acessível e sem produtos de origem animal, já que leva o óleo vegetal no lugar da gordura animal. Hoje a linha vende a granel para restaurantes. A expansão do catálogo veio com a comercialização de algumas das matérias-primas das farofas – como a farinha de mandioca flocada e o alho laminado desidratado – e produtos in natura, como alho descascado e cebola fatiada, também voltada para estabelecimentos. A Harinas Vilu ainda prepara o lançamento da linha própria de temperos. (C/Assessoria)

Para quem quiser conhecer a marca mais de perto e saber mais sobre seus produtos pode acessar o perfil oficial no Instagram @harinasvilu

Endereço:  Rodovia Helder Candia, 22 – Jardim Ubirajara

Site – www.harinasvilu.com.br

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Contato: (65) 99904-2021  e  (65) 99614-2587

Rede Social : https://instagram.com/harinasvilu?utm_medium=copy_link

 

Página 1 de 3