Cultura

Cultura (154)

 Na sexta-feira dia 18 de junho, às 19h00, a Academia Mato-Grossense de Letras (AML) realiza a Sessão Magna de Saudade da acadêmica Marília Beatriz de Figueiredo Leite, que faleceu dia 3 de setembro de 2020. Após a solenidade a presidente Sueli Batista vai declarar vaga a Cadeira 2. O evento ocorrerá no salão nobre da Casa Barão de Melgaço, sede da instituição.
Com a vacância da Cadeira 2, ocupada por Marília Beatriz e da Cadeira 26 que foi declarada vaga dia 8 de junho, com a sessão Magna de saudade do professor Benedito Pedro Dorileo, será publicado edital para as duas vagas, já podendo  os interessados fazerem  suas inscrições.
 Sessão Magna de Saudade é sempre carregada de muita emoção. O acadêmico Ivens Scaff foi o convidado pela AML para  fazer o “Panegírico” da falecida, tributo prestado pela instituição. Marília tinha  uma grande relação de amizade com o poeta. Moema de Figueiredo Leite, irmã de Marília Beatriz, prestará as homenagens da família,

 Atividades culturais não  poderiam faltar na solenidade.
O grupo “Os Crônicos” fará performance com fragmentos poéticos de Marília. A Editora Entrelinhas fará pré-lançamento de suas obras inéditas de Marilia, que após a solenidade serão entregues ao acervo da AML, terão também exemplares para vendas no salão social. A Revista 99 da Academia Mato-Grossense de Letras, livro que foi lançado no dia 8, numa homenagem ao centenário de João Antônio Neto e a memória de Benedito Pedro Dorileo e Marília Beatriz de Figueiredo Leite, terá a parte do tributo  feito para Marília, apresentada pelo escritor Aclyse de Mattos, um dos responsáveis pela coordenação editorial.   
O evento será híbrido, com poucos convidados presenciais confirmados, devido a pandemia. Assista através das redes sociais  Instagram  @academiadeletrasmt       YouTube  academia mato-grossense de letras

 

Ensinamentos da Torá, do Talmude e da Cabala são descritos em livro de maneira clara e objetiva.

 “Cuidado com um ato intempestivo. Nunca levante o dedo em riste, não humilhe uma pessoa em público, porque isso causa ressentimentos que mais tarde se voltarão contra você”.

“Se está louco para ser diferente, ser uma pessoa inusitada para vencer, ganhar postos, cargos, ser respeitado, lembre-se de uma máxima que diz simplesmente: ‘Seja você mesmo, os outros já existem”’.

“Quando um homem se revela? Quando bebe, quando tem dinheiro e se acha o máximo e quando joga”.

“Sabia que quando uma pessoa se aproxima de você em uma festa e diz: ‘Já ouvi falar de você’, pode ter certeza que falaram bem. Se a pessoa nada diz, cuide-se”.

 

Esses são alguns pequenos trechos que fazem parte do livro Como o Judaísmo Pode Mudar sua Vida, (Matrix Editora, R$ 45,00), de Leonardo Schulmann. Autor de Como ser um advogado de sucesso e Como ficar Rico Comprando Imóveis em Leilões, entre outros livros, Schulmann se aprofunda agora nos ensinamentos do judaísmo para mostrar que atitudes do dia a dia podem dar uma guinada na vida. São 124 parábolas, ensinamentos do Talmude (um dos livros básicos da religião judaica), da Torá (ou a Bíblia para os cristãos) e de outras fontes. “Judaísmo é mais do que uma religião, é atitude, excelência, ações cotidianas, relacionamento e doação”, diz Schulmann. Portanto, para quem quiser conhecer um pouco mais sobre a ética judaica e aproveitar os ensinamentos para deixar a vida mais leve, este livro é uma ótima oportunidade.

 

No dia 18 de junho será lançado o álbum Sol de Agosto, com músicas de Everton Almeida e poemas de Marta Cocco. O EP é composto de cinco canções autorais e quatro poemas. O lançamento será feito pelo canal do músico no Youtube. O projeto foi selecionado no edital MT Nascentes da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

Os temas das canções giram em torno de imagens e sons da cultura nordestina, num hibridismo com o espaço mato-grossense e referências da música popular brasileira. A canção tema do álbum, Sol de Agosto, é uma composição em parceria com Ricardo Novais, músico de Belo Horizonte, feita a partir de um poema do livro Norte, de Everton Almeida.

“Sol de Agosto” homenageia os pais do músico. “Foi o primeiro poema que fiz em referência à cultura de meu pai e minha mãe, a nordestina. É dela, na figura deles, que vem minha primeira experiência rítmica, melódica, semântica e afetiva. Por isso, faço poesia e música por eles e para eles, que sempre me mostraram que é possível resistir às secas da terra e a dos humanos”.

A gravação do álbum conta com voz e violão de Everton Almeida e a participação dos músicos Wesley Alves (guitarra), Jorge Félix (teclado/piano), Izaque Menezes (baixo), Jefferson Corrêa (bateria), Thiago Gasparino (violoncelo), Maycon Alves (viola), Ricardo Novais (voz), Alberto Salgado (voz) e Júnior Ferreira (acordeon).

Everton Almeida é cuiabano, músico, escritor e professor de Literatura na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), de Tangará da Serra. Estudou violão com Toni Fernandes e Carlos Menezes, foi diretor musical da Cia de Teatro Mosaico e cantor no grupo vocal Candimba. Desde 2014, vem trabalhando com projetos e ações culturais em Tangará da Serra.

Serviço

Lançamento do EP Sol de Agosto

Data: 18 de junho de 2021 (sexta-feira)

Local: Canal de Everton Almeida no Youtube

 

Quinta, 10 Junho 2021 10:54

“Teatro Musical” celebra o amor

Escrito por

Espetáculo Live in Love comemora o Dia dos Namorados no Cine Teatro Cuiabá.

 Os amigos Flávio Ferreira, Pescuma e João Carlos se juntaram na produção de um grande espetáculo de teatro musical para homenagear o amor, no Dia dos Namorados, nesta sexta-feira (11), às 20h, no Cine Teatro Cuiabá. De forma Híbrida, presencial com 70% da capacidade e online no Canal do YouTube do CTC, que possui mais de 3 mil inscritos.

O repertório do show, que tem como convidados especiais os músicos Henrique e Claudinho e o professor de dança Rodinei Barbosa, combinando canções, dança e diálogos falados, trará músicas de consagrados autores e intérpretes que se eternizaram por cantarem o amor.

De acordo com Flávio Ferreira é importante registrar que nesse momento de pandemia, é admirável que nós identifiquemos como o amor, a arte e a cultura são importantes em nossas vidas. “Somente por meio do nosso sentimento, é que temos convivido de uma maneira menos doída. E o amor vai ser cantado e encenado neste dia para que as pessoas possam identificar essa importância”, declara. 

Conforme o  historiador Joao Carlos Vicente Ferreira, a ideia de fazer a live surgiu de uma reunião entre amigos formada por ele Flávio Ferreira e Pescuma. Ainda de acordo com ele, a concepção original era semelhante a atual, mas com outro propósito. O show se chamaria Latinidade ei Iria ao ar no dia 29 de março de 2020. “Ocorre que foi exatamente no período da pandemia. Chegamos, inclusive, a fazer ensaios. Era o que se chama de Teatro Musical (música, teatro e dança) que é o que acontece também com a Live In Love. No entanto, não deu certo. Recentemente então nos reunimos e tabulamos esse projeto que foi uma sugestão de Pescuma, a live em homenagem ao Dia dos Namorados. Na sequência, escolhemos um repertório de músicas românticas, tango, bolero, fado. Queremos passar nesse momento de pandemia, o amor em todas as suas formas de ser”, disse o escritor.

Já para o músico e compositor Pescuma o sentimento, a motivação em participar de uma live enaltecendo o amor é uma emoção imensurável. “Durante essa pandemia ficamos longe do palco. Agora retornando ao palco da maior casa de espetáculos de Mato Grosso, a mais tradicional que é o Cine Teatro e estar ao lado de João Carlos que é um grande escritor e ao mesmo tempo é um enorme talento musical e também o Flávio Ferreira, um diretor maravilhoso a frente do espetáculo e mais o incrível grupo Cena Onze, além do Rodinei Barbosa e sua partner – um  casal fantástico.  Sem falar dos meus parceiros de sempre Henrique e Claudinho. Incluindo o Ligeirinho no acordeon e Marcelo na percussão. Será uma noite de celebração”, assegura.

Com o propósito de produzir um musical acústico, com bateria, violão e viola, e com respeito aos protocolos de biossegurança, mas com muita sonoridade e sensibilidade, atores, atrizes do Cia de Teatro Cena Onze e os músicos irão brindar o público com ritmos românticos e performances cênicas para completarem este sonho de uma noite de outono.

A compra de ingressos pode ser feita pelo site www.ticmais.com ou no Cine Teatro Cuiabá, na Avenida Presidente Getúlio Vargas, 247, Centro. Valor da entrada: R$ 50,00 ou R$ 25,00 meia entrada. Informações pelo telefone: (65) 99227-6215.

Quinta, 03 Junho 2021 05:00

1° Cine Cidadania – Drive in

Escrito por

Municípios da Baixada Cuiabana são contemplados com show e filme de Nico e Lau. O evento é gratuito e os locais das apresentações têm capacidade para receber em média 80 carros.

Chapada dos Guimarães foi a primeira cidade contemplada e recebeu o show no último sábado (29.05). As próximas cidades serão Santo Antônio de Leverger (13.06) e Cuiabá (19.06).

Os humoristas Nico e Lau circulam por municípios da Baixada Cuiabana com o 1° Cine Cidadania – Drive in. Com cerca de duas horas de duração, o evento leva para o público o show “Bem na Foto” e a exibição do filme “Bala Perdida”. Chapada dos Guimarães foi a primeira cidade contemplada e recebeu o show no último sábado (29.05), realizado na praça do festival.

As próximas cidades serão Santo Antônio de Leverger (13.06) e Cuiabá (19.06), os locais serão definidos e divulgados nas redes sociais de Nico e Lau. Nossa Senhora do Livramento e Acorizal também receberão o evento, as datas serão definidas e divulgadas posteriormente.

O show é gratuito e tem a proposta de oferecer uma alternativa de lazer em meio ao isolamento social. Os locais das apresentações têm capacidade para receber em média 80 carros. Cada veículo só pode abrigar no máximo quatro pessoas e todas fazendo o uso de máscaras e demais medidas de biossegurança. A programação é acessada do próprio carro por rádio FM.

O projeto 1° Cine Cidadania é uma realização do Instituto Leverger, com patrocínio do Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), via emenda parlamentar do deputado estadual Sebastião Rezende, e apoio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

Programação

Neste projeto, além de celebrar os 26 anos de carreira, também será o lançamento da mais recente obra da dupla, o CD “Remedeia com o que tem”, sexto disco da trajetória dos comediantes. O show "Bem na foto" é recheado de histórias hilárias, performances inusitadas e interpretação das músicas do novo trabalho.

Com roteiro de J. Astrevo Aguiar e direção de Luiz Marchetti, o curta-metragem “Bala Perdida” é uma peça de ficção que dialoga com a nossa realidade. A dupla Nico e Lau utiliza a leveza da comédia para discutir sobre violência urbana. A originalidade da obra está no tratamento do tema, feito com leveza e profundidade.

Informações: (65) 3627.1244 / nicoelau.com.br / facebook.com/nicoelau

 

A MT Escola de Teatro, polo de formação cultural sob gestão do Cine Teatro Cuiabá, firmada entre a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (SECEL MT) e Associação Cultural Cena Onze, em parceria com a Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap), realiza no próximo dia 09 de junho o 1º Prêmio MT Artes. A iniciativa visa homenagear e celebrar e setor cultural do estado e também ampliar a visibilidade das produções artísticas da região.

Serão contempladas 5 categorias: Teatro, Dança, Literatura, Artes Visuais e Audiovisual e o olhar estará voltado para as produções culturais que foram produzidas durante o período de pandemia (de março de 2020 a abril de 2021). Há também um Prêmio Especial, com dois homenageados.

Cada categoria é composta por três jurados especializados, que seguem critérios importantes para a seleção dos indicados ao prêmio: artistas de todas as regiões do Estado de Mato Grosso; multiplicidade estética, com produções envolvendo diversas linguagens e procedimentos artísticos em cada área; diversidade étnica e de gênero.

Premiação

Por categoria, concorrem 10 projetos, sendo três vencedores em cada uma.

A curadoria conta com a participação de Flávio Ferreira, Flávia Taques, Rodolfo García Vázquez, Agnaldo Rodrigues, Elen Londero, Marcio Aquiles e Miguel Arcanjo.

A criação dos troféus ficou a cargo dos cenógrafos Jane Klitzke e Douglas Peron, que tiverem apoio das estudantes do curso de Cenografia da MT Escola de Teatro: Eliane Martins dos Santos, Giulia Otomura e Liandra Lino de Carvalho.

O evento seguirá o modelo híbrido, com parte dos jurados e indicados presencialmente e outra parcela em transmissão digital. O prestigiado Cine Teatro Cuiabá será o palco da celebração, na quarta-feira (09) de junho, às 19h de Cuiabá, 20h de Brasília.

Júri 1º Prêmio MT Artes

ARTES VISUAIS

Ludmila Brandão

Arquiteta e historiadora, mestre em Educação e doutora em Comunicação e Semiótica. Pós-doutorada em Crítica da Cultura na Universidade de Ottawa/Canadá. Fundadora e primeira coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, da Universidade Federal de Mato Grosso, onde é docente titular e orienta pesquisas de Mestrado e Doutorado. Foi membro do conselho curador do MACP - Museu de Arte e Cultura Popular da UFMT (2004-2017)

Willian Gama 

Curador de arte, membro do Conselho Curador do Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso. Bacharel em Direito, formado pelo Centro Universitário de Várzea Grande; Graduando em Museologia pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI); Pós-graduando em História da Arte pela Universidade Estácio de Sá – São Paulo/SP. É diretor e fundador da Galeria Mirante das Artes.

Carlos Alberto Bosquê Junior

Artista plástico conhecido como Bosquê, é graduado na Faculdade de Belas Artes de São Paulo e bacharel em pintura e licenciatura em Educação Artística. Especialista em Educação de Jovens e Adultos e mestre em Educação Profissional Escolar pela Universidade Federal de Rondônia UNIR.  Com ateliê em Cáceres e professor de arte do Instituto Federal de Rondônia, trabalhou com arte no Centro de Referência de Direitos Humanos na UNEMAT, e fundou a Associação dos Artistas Plásticos e Visuais de Mato Grosso.

AUDIOVISUAL

Keiko Okamura

Atua na produção audiovisual há 25 anos, formada em Comunicação Social - Rádio e TV pela UFMT. É produtora de filmes de curta-metragem, tais como: "Depois da Queda", "Três tipos de medo", de Bruno Bini. Produtora de produções nacionais como "O Vestido", de Paulo Thiago, e da minissérie "Rondon, o grande chefe", de Marcelo Santiago, entre outros. Produtora local do Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá por 19 anos e da Mostra Cinema e Direitos Humanos por 9 anos. Hoje atua como Superintendente de Desenvolvimento da Economia Criativa da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer – SECEL-MT.

Gilson Costa

Doutor em Estudos de Cultura Contemporânea, professor do curso de Jornalismo da UFMT-CUA e realizador audiovisual. Coordena, desde 2014, o Núcleo de Produção Digital, projeto que tem fomentado a diversidade da produção audiovisual na região do Araguaia.

Bruno Bini

Diretor, Roteirista e Produtor Executivo com 20 anos de experiência, Bruno iniciou sua carreira como Redator e Diretor de Arte e posteriormente passou a dirigir produções para publicidade, cinema e televisão. Seus filmes receberam mais de 50 prêmios em festivais no Brasil e no exterior.

DANÇA

Jamilton Mello

Gestor do Mosaico Espaço Cultural, vem ajudando a desenvolver a cultura artística em Cuiabá e Mato Grosso. Politicamente faz parte do conselho municipal de politicas culturais – CMPC e é um dos colaboradores do Fórum Dança Cuiabá. Estudante de danças desde 2000, entre eles ballet clássico, jazz, danças urbanas e dança contemporânea. Professor de danças que já teve experiência em varias academias de Cuiabá e Várzea Grande.

Verônica Weber

Professora e bailarina, natural de São Paulo, participou de um período de dois anos na Inglaterra, onde aprimorou seus estudos de ballet clássico. No Brasil, ingressou no Ballet de Câmara de São Paulo. De volta à Europa, entra na conceituada companhia de ballet Deutsh Oper Am Rhein. teatro que abriga a terceira maior companhia de dança da Alemanha. Em fevereiro de 2000, inaugura o Ópera Ballet em Cuiabá, que agora completa 20 anos de existência.

Kelson Panosso 

Graduado em Dança Clássica pela Royal Academy of Dance, de Londres, é professor, coreógrafo, diretor e produtor cultural. Participou como jurado de diversos festivais e concursos culturais em Cuiabá, por vários anos. Coordenou, entre 2014 e 2020, o projeto Constellation, do Instituto Canopus, e foi membro do Conselho Municipal de Cultura de Cuiabá. Atuou como diretor e coreógrafo da Companhia de Dança - Ballet de Mato Grosso. Foi membro do Conselho de Cultura do Estado de Mato Grosso e assessor de projetos culturais da Secretaria Municipal de Cultura de Cuiabá.

LITERATURA

Carlos Roberto Rodrigues dos Santos (Professor Leão)

Nascido em Peabiru, interior do Paraná, teve a identidade profissional construída em sala de aula. Formado em Letras, pela UFMT, lecionou e fez parte da equipe do Colégio COC de Cuiabá e Barra do Garças, e no curso de Letras da Univag, sendo coordenador. Participou da fundação do Colégio Maxi como coordenador pedagógico e professor de literatura. Nos quatro últimos anos, dedicou-se exclusivamente ao Colégio Maxi, como diretor geral.

Maria Cristina de Aguiar Campos

Doutora em Educação, pela USP; mestra em Educação, especialista em Língua Portuguesa e Semiótica pela UFMT. Professora aposentada de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, pelo IFMT – Campus Cuiabá. Ocupa a Cadeira 16 na Academia Mato-grossense de Letras. É autora de diversas obras: "Papo cabeça de criança travessa" (Tanta Tinta, 2017); "Bicho-grilo" (Carlini & Caniato, 2016); "O falar cuiabano" (Carlini & Caniato, 2014); entre outras.

Maristela Carneiro

Atual coordenadora do PPG em Estudos de Cultura Contemporânea - ECCO, da Universidade Federal de Mato Grosso/UFMT. Docente Adjunta lotada junto à Faculdade de Comunicação e Artes - FCA/UFMT. Doutora em História, pela Universidade Federal de Goiás - UFG, tendo realizado período sanduíche na Universita degli Studi di Napoli Federico II, na Itália - UNINA. Mestre em Ciências Sociais Aplicadas, pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

TEATRO

Jan Moura

Sec. Adjunto de Cultura / SECEL-MT. Mestre e doutorando em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Graduado em Comunicação Social pela mesma instituição. Especialista em Gestão Cultural pelo Senac-MT. Foi coordenador de Cultura do Sesc Mato Grosso, onde atuou com produção cultural, curadoria de projetos, acompanhamento e análise das ações culturais, e responde hoje pela Gestão de Comunicação da instituição. Conselheiro de Cultura do Estado de Mato Grosso (2017-2020). É ator e pesquisador da de teatro e cultura.

Ivan Belém

Ator, professor e pesquisador, foi um dos fundadores do Grupo Gambiarra - primeiro grupo de teatro de rua de Mato Grosso. Doutor em Educação, autor da tese " Liu Arruda: a travessia de um bufão", transformada em livro, com o qual conquistou o Prêmio Mato Grosso de Literatura em 2015.

Aline Wendpap

É atriz, egressa do Grupo Pessoal do Ânima, da antiga Escola Técnica Federal de Mato Grosso. Primeira doutora em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT. Bacharel em Comunicação Social-Radialismo e Mestre em Educação pela mesma universidade. Possui licenciatura em Artes Visuais, e foi coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda da Faculdade Afirmativo. Atualmente é professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, na UFMT e, pela UnB, cursa licenciatura em Teatro EaD.

 

Um evento que une a sensibilidade e a interatividade da Academia Mato-Grossense de Letras (AML) com a sociedade. Um sarau no qual a poesia, a música e a performance entram em cena,  através das composições, declamações e dramatizações.

Uma instituição que caminha para o primeiro centenário merece iniciar as comemorações do seu aniversário com antecedência, antes de chegar o dia 7 de setembro. O Sarau Literomusical - 100 anos da Academia Mato-Grossense de Letras promete grandes momentos, no dia 28 de maio (sexta-feira), das 18 às 21 horas, na Casa Barão de Melgaço, sua sede e também com transmissão ao vivo pelo Instagram da AML  https://instagram.com/academiadeletrasmt?utm_medium=copy_link
e as apresentações artísticas partir das 19h30 pelo canal do you Tube da instituição:
https://www.youtube.com/watch?v=S3B8vdi5sZs

Segundo a presidente da AML, Sueli Batista, o objetivo é mostrar que a Academia Mato-grossense de Letras está abrindo as comemorações do seu centenário e o faz reunindo num só espaço a intelectualidade e a classe artística numa ebulição cultural e de contextualização histórica, dando um tom maior para as diversas manifestações artísticas em uma época tão restritiva e limitante. 

“A Casa Barão encontrou uma forma de trazer a sociedade para mais perto dos seus espaços, mesmo enfrentando dificuldades para abrir suas portas”, disse ela.

O Sarau Literomusical apresenta cantores, músicos, atores, declamadores e escritores. Já os  livros ganham destaques no salão social, através da exposição que contempla obras de 42 autores, que pertencem ou pertenceram a Cadeiras da AML, e também dos que aspiram ingressar na instituição.

“O conjunto de atividades mostrará como a casa é rica em cultura e pluralidades, que vão além da literatura, conversando amigavelmente com a história, a geografia, o jornalismo, a pesquisa, o direito, dentre outras formas de expressão que nela residem”, frisou. A própria presidente já escreveu como memorialista, poeta e recentemente fez sua estreia na literatura infantil.

O evento é uma realização da Lei Aldir Blanc em Mato Grosso, no edital executado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), com recursos da Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo.

Convidado Nacional
                              
Carlos Navas intérprete brasileiro que tem uma trajetória nacional de sucesso, com 25 anos de carreira, é o convidado nacional do Sarau. Ele estará acompanhado pelo músico Paulo Miranda.

Serviço
O que: Sarau Literomusical 100 Anos da Academia Mato-Grossense de Letras
Quando: Dia 28 de maio – Sexta - das 18h às 21h
Local: Casa Barão de Melgaço – (Rua Barão de Melgaço 3684) Centro- Cuiabá / MT
Evento gratuito com confirmações antecipadas
Haverá transmissão online do evento, a partir das apresentações artísticas às 19h30 pelo canal da AML:
https://www.youtube.com/watch?v=S3B8vdi5sZs

Confira a programação completa:
https://www.flipsnack.com/9DAF5EDD75E/programa-folder-sarau-2021-aml-100-anos.html


 

A live de lançamento do livro da autora Vera Capilé acontece no próximo dia 28 ( sexta-feira) às 19 horas. O link será disponibilizado no youtube: Cine Teatro Cuiabá. A cantora e compositora Vera Capilé estreia como escritora com a obra “De Mato Grosso a Mato Grosso” - Das fronteiras paraguaias ao centro geodésico da América do Sul a trajetória de um caminhante. De acordo com a autora, o gênero literário pode ser classificado como um documentário. São 179 páginas,  editora Entrelinhas. “É um livro de histórias. A história de vida do meu pai, Sinjão Capilé, contada por ele”, disse ela.

A expoente da cultura cuiabana já levou o nome e a música de Mato Grosso para todo o Brasil e para a França em turnê pelo Projeto Pixinguinha ao lado de Simone Guimarães e Renato Brás. Ela cantou, entre outras músicas, o hino de São Benedito, do qual é devota. A artista também é reconhecida por performances memoráveis entoando os hinos de Cuiabá, Mato Grosso e nacional, à capela ou ao som da viola de cocho.

“Meu pai foi um desbravador, um caminhante que muito fez pelo estado uno e pelo dividido, assim, me atirei nesta jornada que aí está no livro. Uma história muito linda, onde faço correlação com a história do Estado, do País, do mundo”, conclui Vera Capilé.

 

 

 

Segunda, 24 Mai 2021 05:00

As manifestações culturais ribeirinhas

Escrito por

Documentário realiza registro histórico dos Cururueiros do Pantanal.

Com o intuito de preservar a essência do cururueiro e levantar um importante registro histórico dessa manifestação cultural, o documentário Cururueiros do Pantanal coletou relatos que colaboram com a perpetuação e a manutenção da tradição, durante o desafio de seguir o caminho do Rio Cuiabá, encontrando em suas margens as manifestações culturais ribeirinhas que alimentam o imaginário do Cururu. O lançamento será no próximo dia 30 de maio, às 19h30, no canal do Cine Teatro Cuiabá, no Youtube.

Para o Diretor de Audiovisual Vicente Delgado foi um privilégio conversar com os grandes mestres do Cururu. “Pudemos conhecer melhor alguns aspectos da formação dessa musicalidade tão genuína e aprendemos muito. Ainda durante a captação das imagens, nas diversas localidades, compreendemos que, apesar da simplicidade no cantar, o cururueiro é um gênio na sua essência, pois conseguiu criar algo a partir da sua própria experiência de vida e tudo isso é retratado nas suas composições”, declara ele.

Pesquisadores e interlocutores da cultura, também somaram ao trabalho, como o autor de diversos livros com temas diversos que se entrelaçam entre música e história de Mato Grosso, Abel Dy Santos e o artesão de violas de cocho, Alcides Ribeiro. A equipe visitou cururueiros em Cuiabá, Santo Antônio de Leverger e Barão de Melgaço, onde conversou com esses mestres e pode relatar suas histórias, seus conceitos e, principalmente, a figura do cururueiro em um contexto cultural, onde nasceu, como vive, sua profissão e seu envolvimento na sociedade.

Quem conduz toda a narrativa é o filho do Seu Manoel Tomaz da Silva e dona Maria Antônia da Silva, o cuiabano Thomaz Flaviano, que nasceu na tradicional Comunidade do Bairro São Francisco, onde se mantêm até hoje as tradições das Festas de Santos. “Costumo dizer que sou filho e neto de cururueiro e me tornei um deles em homenagem ao meu pai, meus tios e avós, que também eram cururueiros. Participar desse documentário foi motivo de alegria, porque, sempre que é possível falar e fazer algo em um projeto em benefício do Cururu, eu estou pronto pra ajudar e participar, pois entendo que é uma arte, é a nossa cultura, é aquilo que nos representa e que me identifica culturalmente”, afirma.

A Associação Movimento Vambora! iniciou essa pesquisa acerca da bibliografia e registro do Cururu. Devido ao pouco material com fácil acesso, iniciou-se a construção do projeto. Nascendo aí uma parceria com a Cordemato, que é a realizadora e responsável pela captação e execução dos recursos, bem como toda a gestão do mesmo. Também foi fechada uma parceria com a Agronews, que é a responsável por toda direção e produção de imagens, por meio de seu diretor Vicente Delgado e equipe.

Para o artista e cantor Jhonny Everson, foi gratificante para a Cordemato, onde atualmente ocupa o cargo de gestor de projetos, receber a proposta de realizar a parceria com o Movimento Vambora! e Governo do Estado de Mato Grosso, subsidiado por emenda parlamentar do deputado estadual, Allan Kardec. “Um documentário que resgata a história do Cururu, os grandes personagens dessa tradição cultural. É uma alegria entregar para a sociedade o valor cultural, o valor identitário que traz esse documentário. Espero que todos gostem e que possamos mostrar para as novas gerações como eram as festanças de Santo de antigamente em Cuiabá e cidades da redondeza”, revela.

É importante ressaltar que este projeto só se tornou possível graças à sensibilidade do senhor Ugo da Conceição Padilha, que foi um incansável defensor da cultura popular. Infelizmente veio a falecer em novembro de 2020, antes que a equipe pudesse registrar seu depoimento. E como homenagem a toda a sua história, este documentário vai mostrar algumas imagens de sua trajetória.

Outro fato triste e lamentável foi o falecimento do mestre cururueiro, Seu Zé Curutú, de Barão de Melgaço, que contribuiu para o projeto e deixou registrada sua participação.

Foram entrevistados Marcelino de Jesus – Presidente do Grupo de Cururu Tradição Cuiabana do Coxipó, Senhor. Jacinto – Presidente do Grupo de Cururu Tronco de Aroeira de Santo Antônio de Leverger/Varginha, Jeferson Ribeiro - professor de música, fundador do projeto Arte Cidadã em Santo Antônio de Leverger e Chico Sales - Conhecido em Cuiabá como mestre dos cururueiros com vários CDs gravados.

Serviço

O que: Lançamento do Documentário Cururueiros do Pantanal

Quando: 30 de maio de 2021

Onde: Canal do Youtube do Cine Teatro Cuiabá

Classificação Livre

Cine Teatro Cuiabá celebra aniversário com exibição de filmes mato-grossenses.

Desde a inauguração em 23 de maio de 1942, o Cine Teatro Cuiabá tem sido o palco para grandes espetáculos cinematográficos, cênicos e musicais. O Cine Teatro Cuiabá é um dos equipamentos culturais da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT) e desde maio de 2016 é administrado, via contrato de gestão, pela Associação Cultural Cena Onze.

A comemoração dos 79 anos de sua inauguração será neste sábado (22), a partir das 19h. Presencialmente, serão exibidos quatro curtas mato-grossenses que colocam em cena a região do Centro Histórico de Cuiabá. A programação será compartilhada pelas redes sociais do Cine Teatro Cuiabá.

O evento contará com apresentação do pianista Arthur Scharneski, com execução de temas musicais de filmes que marcaram a história do cinema. A entrada é gratuita e realizada de acordo com as normas de biossegurança relacionadas ao enfrentamento da covid-19, cumprindo especificações constantes nos decretos municipal e estadual.

A celebração presencial também será ocasião para o lançamento da campanha online “Memórias e Histórias”, que pretende estimular o público mato-grossense a compartilhar relatos e imagens sobre as antigas salas de cinema de Mato Grosso, como o Cine São Luiz, Cine Tropical, Cine Bandeirantes e o próprio Cine Teatro Cuiabá.

A campanha será divulgada pelas redes sociais do Cine Teatro Cuiabá e integra o projeto “Aníbal Alencastro: memórias da projeção cinematográfica e das antigas salas de cinema de Cuiabá”, realizado por meio do edital Conexão Mestres da Cultura – Marília Beatriz de Figueiredo Leite, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

Sobre os curtas exibidos e compartilhados online

Cuiabá sob o olhar de Lázaro Papazian, de Aliana Camargo & Cristiano Costa (2005, 13′, classificação livre). O documentário aborda o espaço urbano de Cuiabá por meio dos registros históricos de Lázaro Papazian, fotógrafo e cinegrafista de origem armênia que, em 1926, mudou-se para cidade e, a partir de então, passou a registrar episódios da vida social e política da capital mato-grossense. Papazian foi um dos poucos a registrar vários acontecimentos da cuiabania, como a filmagem da demolição, em 1968, da Igreja Matriz Senhor Bom Jesus de Cuiabá, evento que marca a busca por modernização da cidade, seguindo os passos da recém criada capital do país. Premiado no 12º Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá (2005).

Centro Histórico de Cuiabá, de Bill Reino (2020, 13’, classificação livre). Produzido pelo IAB-MT em parceria com diversas instituições que promoveram o Concurso Nacional de Projetos Pró Centro Histórico de Cuiabá no ano 2000, tendo a finalidade de instruir as equipes participantes do concurso sobre a história da formação do Centro Histórico de Cuiabá, o estado de preservação e a relação com o contexto urbano e social da época. O documentário tem roteiro de Antônio Copriva, com texto de narração produzido por Júlio De Lamonica Freire. A locução é de Gilberto Canavarros.

P.S: Glauber, te vejo em Cuiabá, de Glória Albuês (1986, 15’, classificação 12 anos). Aproveitando a passagem da Mostra Tempo Glauber (promovida pelo Sesc em 1986 no Teatro da UFMT), os comediantes Liu Arruda (1957-1999) e Meire Pedroso percorrem espaços da cidade de Cuiabá e conversam com pessoas de diferentes extratos sociais e culturais sobre o grande cineasta, televisão, cinema e cultura brasileira. Além da presença saudosa de Lúcia Rocha (mãe de Glauber), o curta faz uma crônica irreverente sobre a Cuiabá de meados da década de 1980 e a relação de seus habitantes com a cultura, em especial com a memória do cinema brasileiro.

Licor de Pequi, de Marithê Azevedo (2016, 15′, classificação livre). O filme tem poética construída a partir de três gerações de mulheres: uma senhora (Lúcia Palma) guarda a memória do lugar por meio de objetos que juntou durante a vida, mas está esquecendo as palavras; uma jovem poeta (Luana Costa) busca a palavra geradora para escrever seus poemas; já a menina (Flor Leite), em fase de alfabetização, descobre as palavras. Uma conta histórias, a outra escreve poemas, a terceira solta pipas. As três habitam o mesmo espaço urbano, o Centro Histórico da cidade de Cuiabá, com casas abandonadas, casas habitadas e casas restauradas, todas com camadas distintas de memória. O filme foi realizado com recursos do MINC/SAV por meio de edital de curta metragem onde concorreram realizadores de todo o país.

Saiba mais

Para informações sobre a programação do Cine Teatro Cuiabá, entre em contato pelo telefone (65) 2129 3848 ou visite o site www.cineteatrocuiaba.org.br. Acompanhe também o Cine Teatro Cuiabá no Facebook ou Instagram.

Serviço

Celebração de aniversário de 79 anos do Cine Teatro Cuiabá

Data: 22 de maio de 2021 (sábado), a partir das 19h

Local: Cine Teatro Cuiabá (presencial) e redes sociais Facebook ou Instagram (difusão dos curtas programados online)

Classificação indicativa: 12 anos

Entrada: gratuita e realizada de acordo com as normas de biossegurança relacionadas ao enfrentamento da covid-19, cumprindo especificações constantes nos decretos municipal e estadual.

Página 1 de 11