Cultura

Cultura (260)

Sexta, 14 Janeiro 2022 05:00

Trompete Sambalístico

MISC recebe show na próxima semana.

Para abrir a agenda de programações culturais de 2022, a Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, recebe na próxima sexta-feira (21), o show Trompete Sambalístico, com Tony Maia, Levi de Barros e outros convidados. O evento será realizado Museu da Imagem e do Som (MISC) a partir das 20h.

A programação será realizada no saguão do museu seguindo todos os cuidados e medidas de biossegurança contra a Covid-19.

O coordenador do MISC, Cristovão Luiz, destaca que vários eventos estão sendo programados para este ano e convida a população para participar das atividades.

“Nesse ano teremos vários eventos como oficinas, peças teatrais e lançamentos de exposições. Já na próxima semana teremos o Sambalístico que é um samba-jazz com o Tony Maia e Levi, eles vão fazer esse evento. Estão todos convidados, estaremos de braços abertos esperando por vocês”, disse Cristovão.

Serviço

Assunto: Trompete Sambalístico

Local:  Museu da Imagem e do Som (MISC) (Rua: Voluntários da Pátria, nº 79, Centro Norte)

Dia: 21/01/2022

Hora: 20h

O curso é dividido em sete áreas profissionais e são 50 vagas gratuitas.

A MT Escola de Teatro abriu processo seletivo para nova turma do curso superior de Tecnologia do Teatro, que é credenciado pela Universidade de Mato Grosso (Unemat). Ao todo, são 50 vagas gratuitas, distribuídas em sete áreas profissionais: atuação, cenografia e figurino, direção, dramaturgia, iluminação, sonoplastia e produção cultural. As inscrições poderão ser feitas online, até 13 de fevereiro.

O valor da taxa de inscrição é de R$ 60. O edital prevê a gratuidade da taxa, desde que o candidato preencha os requisitos exigidos na seleção. Porém, é importante destacar que, o prazo para se inscrever com isenção vai somente até 20 de janeiro.

O processo seletivo será realizado em duas etapas eliminatórias. A primeira consiste em uma Carta de Intenção, que será avaliada com critérios de uma redação e cujo modelo está disponível no edital. Após seleção nesta fase, os candidatos passam para a segunda etapa, que terá uma prova prática e entrevista.

O início das aulas está previsto para 21 de março, no prédio do Cine Teatro Cuiabá, localizado na Avenida Presidente Getúlio Vargas. O curso é oferecido no período noturno, de segunda a sexta-feira.

MT Escola de Teatro

Maior projeto de artes cênicas de Mato Grosso, a MT Escola de Teatro foi inaugurada em 2016 pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e oferece o curso superior de Tecnologia em Teatro gratuitamente para os alunos. Nesses anos, já formou profissionais graduados que atuam tanto em Mato Grosso quanto fora do Estado, nas áreas de teatro, cinema, televisão e docência.

O polo de formação que funciona no Cine Teatro Cuiabá, com gestão compartilhada entre a Secel e a Associação Cultural Cena Onze. Após a conclusão de quatro módulos de ensino (quatro semestres), o estudante recebe a formação de tecnólogo.

Serviço:

Processo seletivo MT Escola de Teatro

Inscrições: até 13 de feverereiro

Edital: https://bit.ly/3GvJ1OY 

Informações: (65) 99339-8570

 

 

Festival Vambora realiza 02 cursos gratuitos em janeiro.

Estão abertas as inscrições para os cursos gratuitos de qualificação: Empreendedor de Cifras e Jornada de Mídias Sociais para Artistas, realizados pelo Festival Vambora, que foi lançado em dezembro e tem como objetivo promover capacitações que possam gerar ações continuadas, fortalecendo a classe artística e criando novos públicos, que aceitem e respeitem a linguagem da inclusão.

De acordo com a coordenadora geral do Festival, Silvana Cordova, o objetivo do projeto é transformar Mato Grosso em um grande centro de atividades culturais. “O Festival Vambora além de oferecer apresentações artísticas, surge para ocupar novos espaços culturais e principalmente para oportunizar capacitações para toda classe artística”, destaca.

Sob o comando de Diego Hurtado, Ian Felix e Jander Paiva, Empreendedor de Cifras, acontece nos dias 24 e 25 deste mês, na Caixa Cênica, bairro Popular, e abordará a importância da gestão financeira e investimentos sólidos.

Segundo Juliano César, tecladista, sanfoneiro, compositor e empresário, o curso vem para Cuiabá pela primeira vez para fazer parte de uma reciclagem de comportamentos e pensamentos. “Com  inovações que vêm acontecendo no mercado da música, dando um entendimento melhor do que ela oferece e do que o artista pode fazer para aproveitar, investindo os ganhos e promovendo seu crescimento econômico. Além de gerar mais empregos, oportunidades e uma renda para que o empreendedor possa investir em um outro conhecimento, da área artística ou não. Para ter um suporte lá na frente”, explica ele.

Já o curso Jornada de Mídias Sociais para Artistas vai ensinar como levar o talento do palco para o mundo digital, bem como o passo a passo para tornar a arte sustentável. O evento on-line acontece de 25 a 29 de janeiro, via plataforma Zoom.

Para Tiago Ribeiro, sócio da agência de marketing digital e inbound – Carandá Digital, com vasta experiência em auxiliar empresas e profissionais a atuarem de forma mais profissionais na internet, a missão com esse projeto é ajudar na inclusão da classe artística nos canais digitais. “Através de ferramentas com baixo custo é possível conectar quem cria a quem consome arte, eliminando fronteiras físicas e contribuindo com a geração de negócios e desenvolvimento da cadeia artística Mato-grossense”, salienta.

Financiado pela Emenda Parlamentar do Deputado Estadual Allan Kardec e patrocinado pela Secretaria Estadual de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o Festival trabalha promovendo conexão, fazendo uma defesa e construção de projetos, unindo os diversos segmentos das artes.

SERVIÇO:

– Empreendedor de Cifras

Músicos e artistas de Mato Grosso poderão conferir a importância da gestão financeira e investimentos sólidos, transformando objetivos em realidade. Empreendedor de Cifras é uma ação do Festival Vambora, com patrocínio da Assembleia Legislativa e SECEL.

Inscrições Gratuitas pelo Link:

https://www.sympla.com.br/empreendedor-de-cifras—festival-vambora__1448918

O que: Curso sobre empreendedorismo artístico

Quando: Dias 24 e 25 de janeiro, às 19h

– Jornada de Mídias Sociais para Artistas

Um curso que visa levar seu talento do palco para o mundo digital.

Uma realização do Movimento Vambora! e Carandá Digital.

Inscrições gratuitas (vagas limitadas) pelo link:

https://www.sympla.com.br/jornada-de-midias-sociais-para-artistas__1450611

O que: Curso Online de Mídias Digitais

Quando: De 25 a 29 de Janeiro de 2021

Informações: (65) 99946-1268

 

Associação Cultural Cena Onze e a MT Escola de Teatro lançam projeto 'Biografia em 1 Minuto' sobre a história das pessoas que abriram caminho e fixaram na memória do povo a importância da cultura de Mato Grosso.

Com o objetivo de preservar a memória dos artistas mato-grossenses, a  Associação Cultural Cena Onze e a MT Escola de Teatro lançaram o projeto Biografia em 1 Minuto, uma pesquisa sobre a história das pessoas que abriram caminho e fixaram na memória do povo a importância da cultura de Mato Grosso. As biografias poderão ser acompanhadas durante todo o ano de 2022, sendo o primeiro homenageado o artista plástico Adir Sodré.

De acordo com o diretor artístico da Associação Cultural Cena Onze, Flávio Ferreira, foi a partir do momento em que percebeu-se que a memória dos precursores da cultura local estava se perdendo, que surgiu a necessidade da pesquisa histórica.

"São pessoas importantíssimas, que abriram os caminhos e investiram na cultura e na arte local. Então, entendemos que essas pessoas têm ficado esquecidas, depois de suas mortes, ninguém mais lembra que ela esteve por aqui, quais foram as contribuições deixadas para Mato Grosso", pontua Flávio.

Para o Coordenador Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Teatro da MT Escola de Teatro (Unemat), Agnaldo Rodrigues da Silva, homenagear os artistas mato-grossenses é reconhecer o legado que eles deixaram. "O que, sem dúvida, abriu caminho para muitos outros que vieram depois. Essas personalidades são ícones da nossa cultura, da nossa história, da nossa memória e da nossa identidade. Por isso, é preciso dar fôlego a projetos como este, que demonstram a nossa riqueza cultural e literária. E reconhecer que no nosso estado há pessoas que fizeram e que fazem cultura", salienta ele.

Escolhido para abrir os tributos, o pintor e desenhista rondonopolitano, Adir Sodré, destacava suas obras pelo colorido exuberante e pela  temática social de caráter irreverente. Vítima de um infarto ocorrido em agosto de 2020, suas pinturas colorem e embelezam diversas áreas da capital, incluindo alguns viadutos.

"A questão da valorização da cultura ainda é muito recente em nosso Estado. É importante que nós conheçamos as nossas raízes para poder preservá-las. Daí a necessidade de se conhecer as gerações de pessoas que contribuíram, e muito, e que se dedicaram a valorizá-las", destaca o diretor artístico.

As homenagens podem ser acompanhadas todos os domingos por meio das redes sociais da Associação Cultural Cena Onze, do Cine Teatro Cuiabá e da MT Escola de Teatro.

Além de Adir Sodré, Marília Beatriz, Magna Domingos, Luiz Carlos Ribeiro, Clóvis Irigaray, Regina Penna, Nanah Varela, Zé Bolo Flô, Zulmira Canavarros, Dunga Rodrigues, Dom Aquino Correia, Guilherme Dick, Bolinha, Chico Amorim, Agostinho Bizinoto e Liu Arruda, serão os primeiros reverenciados neste tributo.

 

O ano de 2021 ficará marcado pela retomada das atividades do Cine Teatro Cuiabá após um 2020 paralisado devido a pandemia do novo coronavírus. Apesar da pandemia não ter chegado ao fim, a casa recebeu 20 mil espectadores em 350 espetáculos.

 Para a coordenadora administrativa e coordenadora de produção da MT Escola de Teatro, Flávia Taques, o balanço de 2021 é muito positivo. “Considerando o atual cenário da cultura nacional, conseguimos expandir os palcos do Cine Teatro Cuiabá para o mundo, com artistas regionais e nacionais, que levaram o melhor ao público, com produções das mais diversas. Para 2022, esperamos conquistar ainda mais, e já iniciamos o ano lançando o edital de ocupação para as pautas sustentabilidade e fomento do CTC”, detalha. 

 O CTC programa para 2022, no retorno de suas atividades, o lançamento do edital de ocupação para suas pautas de sustentabilidade e fomento, com inscrições no período de 10 a 17 de janeiro.

 No dia 11 de junho, véspera da data mais romântica do ano, o Cine Teatro Cuiabá foi palco do show “Live n Love”, com músicas memoráveis, cantadas pelos artistas locais: Pescuma, João Carlos e a Cia de Teatro Cena Onze, além das participações especiais de Rodinei Barbosa e da dupla Henrique e Claudinho.

 Dezenas de outros espetáculos regionais também abrilhantaram o Cine, entre eles o Prêmio MT Artes, que aconteceu na noite de 09 de junho e homenageou a classe artística mato-grossense. Bem como o ator e humorista Thyago Mourão, que garantiu a gargalhada do público com a peça “História de Pescador”, nos dias 07 e 08 de agosto.

 Em agosto, os alunos da MT Escola de Teatro colocaram em prática as aulas de graduação e apresentaram ao público o resultado do aprendizado do curso superior oferecido em Mato Grosso, em mais uma edição da Mostra de Cenas. Em 26 de setembro quem brilhou no CTC foram as candidatas do Miss Mato Grosso Gay, esbanjando glamour e simpatia.

No dia 02 de outubro o ator André D’Lucca retornou aos palcos e divertiu a plateia com o show “Almerinda Atômica”. De 02 de outubro a 07 de novembro, sempre aos sábados e domingos, a sala Anderson Flores foi a casa do Espetáculo Bereu, que é resultado das pesquisas de mais de dez anos de convivência com as mulheres do presídio feminino Ana Maria do Couto May em Cuiabá-MT.

 De 02 a 05 de dezembro, o Festival Satyrianas, que conquistou o prestígio de mais de 2 mil pessoas, de forma presencial e online, transformou Mato Grosso em uma das sedes da cultura nacional, com 3 dias de apresentações dos mais diversos segmentos das artes. A primeira edição em MT é uma parceria da Cia Cena Onze de Teatro, MT Escola de Teatro e Cia de Teatro Os Satyros.

 Finalizando, entre os dias 03 e 05 de dezembro, foi a vez da Tradicional Mostra de Dança de Mato Grosso, que chegou a sua 14ª edição, promovendo a interação entre artistas do Estado e outros grandes nomes da dança no Brasil. Integrando a programação estiveram os primeiros bailarinos e a bailarina contratada do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Ana Botafogo (Embaixadora da Dança no Rio de Janeiro), Cícero Gomes e Liana Vasconcelos, respectivamente, e ainda, o diretor do Malosá Studio de Dança, André Malosá - referência na capital paulista.

 O Cine também recebeu shows e stand-ups nacionais, de artistas renomados, que esgotaram os ingressos dias após os anúncios de suas apresentações, como foi o caso do comediante Marcus Cirillo, que com seu humor interiorano, arrancou muitas risadas do público cuiabano, no dia 22 de agosto. No dia 15 de setembro, quem alegrou a plateia foi o humorista Rodrigo Marques, com o seu novo show "Inimigo do Nível".

 O grupo cristão Kemuel colocou a galera para louvar a Deus com suas músicas de influências do gospel norte americano e cristã contemporânea, na noite de 19 de setembro. Por fim, no dia 1º de outubro, quem esgotou os ingressos da casa foi o humorista Márcio Donato, com o show ‘Eu Odeio Viver’, explorando sua forte característica temperamental explosiva, desabafando de tudo no palco, de forma hilária.

 O Cine Teatro Cuiabá está sob a gestão da Associação Cultural Cena Onze, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), em razão do Termo de Colaboração firmado com a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT) em maio de 2016. (C/Assessoria)

 

Quinta, 30 Dezembro 2021 05:00

“Originários”

Galeria de Artes Lava Pés recebe exposição a partir de janeiro. A mostra apresenta pinturas e esculturas assinadas pelas artistas Kaya Agari, Nadja Lammel e Odete Venâncio.

A Galeria de Artes Lava Pés recebe a exposição “Originários”. O lançamento será no dia 04 de janeiro, a partir das 17h30. Com curadoria de Guilherme Chaves, a mostra apresenta pinturas e esculturas contemporâneas propostas pelas artistas Kaya Agari, Nadja Lammel e Odete Venâncio. A exposição segue aberta para visitação até o dia 28 de fevereiro, de segunda a sexta-feira, das 08h às 18h.

A exposição é a construção de um mundo paralelo, delineando uma comunidade de obras de arte contemporâneas em constante mudança. Algumas obras têm múltiplas partes, outras mudam ao seu próprio ritmo à medida que a exposição acontece.

No centro da mostra está a fundamentação nos conceitos de terra, território indígena, povos tradicionais e folclore. Ir além do mero reconhecimento da terra e do território, aqui significa oferecer instruções para sentir e ouvir as histórias indígenas e dos povos tradicionais que perturbam o imaginário colonial e atual.

As artistas

Ana Patrícia Karuga Agari, “Kaya Agari”, nasceu em Cuiabá (MT) e estuda na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), também é ativista pelos direitos indígenas. Dedica-se desde 2011 à pintura e produz a partir de técnicas como óleo sobre tela e pintura mural. Esteve em exposições pelo Brasil na Pinacoteca de São Paulo, artista convidada SP Arte 2021 e galerias pelo Brasil e América Latina (Bolívia, Peru e Equador).

A artista destaque no Brasil nos últimos anos, Nadja Lammel, graduada em Arquitetura e Urbanismo, nasceu na região Amazônica, ao norte de Mato Grosso. Nadja utiliza técnicas como óleo sobre tela, aplicação de mosaico – espelho e graffiti. Expõe em museus e galerias pelo Brasil e recentemente participou da semana de arte Art Basel em Miami – EUA, renomado evento de artes visuais no mundo. Cyberpunk é o tema da sua nova série-coleção e transita entre o real e o cibernético.

Odete Venâncio é uma importante artista visual graduada pela Unemat, que reside em Mato Grosso e se destaca principalmente, ao se voltar para o estudo e valorização da temática indígena e abordar símbolos regionais com grande sensibilidade artística. Participou de diversos salões de arte em Mato Grosso, onde obteve destaque pela originalidade e qualidade técnica acadêmica.

Serviço

Lançamento da exposição “Originários”

Quando: 04/01/2022 (terça-feira), a partir das 17h30

Local: Local: Galeria de Artes Lava Pés, localizada na Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), na Avenida José Monteiro de Figueiredo, nº 510, bairro Duque de Caxias, em Cuiabá

Visitação: de 04/01 a 28/02 (segunda a sexta-feira), das 08h às 18h

Agendamentos: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Informações: (65) 99915-7713 / 99640-7713 / 3025 1235

 

 

 Vídeo e exposição virtual homenageiam Ulisses e Ernani. Os dois produtos artísticos retratam a contribuição dos homenageados na criação do Muxirum Cuiabano.

Será realizado nesta terça-feira (28.12) o lançamento do vídeo e exposição fotográfica do projeto “Os irmãos Calhao e a identidade cuiabana” contemplado no edital Conexão Mestres da Cultura – Marília Beatriz de Figueiredo Leite, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

Os dois produtos artísticos homenageiam os irmãos Ulisses e Ernani Calhao e a contribuição dos dois na criação do Muxirum Cuiabano. O evento será transmitido pelo Facebook, às 19h, e contará com a presença dos homenageados e do diretor do filme Leonardo Sant’Ana.

O filme resgata e contextualiza o Muxirum Cuiabano, importante acontecimento que contribuiu para a consolidação de elementos tradicionais, populares e ribeirinhos na iconografia da cultura mato-grossense. O vídeo tem pouco mais de 30 minutos e é composto por entrevistas dos irmãos e outras personalidades.

“Ulisses e Ernani contam, por eles mesmos e por suas lembranças, as respectivas histórias de vida e militância na cultura, principalmente no movimento conhecido como Muxirum Cuiabano”, antecipa o diretor.

A exposição reúne 39 fotografias que ilustram a trajetória do Muxirum. Estes registros históricos apresentam encontros, momentos marcantes e pessoas importantes para a criação e consolidação do movimento. A exposição ficará disponível por tempo indeterminado e pode ser acessado no site: https://muxirumcuiabano.wixsite.com/muxirumcuiabano

O movimento

Muxirum é um neologismo que significa mutirão ou trabalho comunitário. Fundado em 1989, o movimento foi encabeçado por uma série de personalidades locais. O Muxirum se manteve ativo por quase uma década e tinha como propósito a salvaguarda de patrimônios imateriais e materiais de Cuiabá, mediante ações de divulgação, conscientização e valorização.

Além dos irmãos Calhao, destacam-se Josephina Paes de Barros Lima, Wanda Marchetti, Adi de Figueiredo Matos, José Marciano Cândia (Pepito Cândia), Lucia Palma, Abel dy Anjos, Aníbal Alencastro, dentre outros artistas, pesquisadores, historiadores, políticos, agentes culturais, jornalistas, empresários, estudantes, funcionários públicos.

O Muxirum também teve papel de destaque na preservação da memória arquitetônica da cidade, além da permanente luta pelo legítimo reconhecimento público de manifestações artísticas e culturais locais, como o siriri e o cururu, o rasqueado, a gastronomia, o “djeito” de falar, o artesanato, dentre outras formas de expressão que constituem a identidade local.

Serviço

Live de lançamento do vídeo e exposição fotográfica “Os irmãos Calhao e o Muxirum Cuiabano”

Quando: 28 de dezembro de 2021, às 19h

Transmissão via Facebook Irmãos Calhao e o Muxirum

Site: https://muxirumcuiabano.wixsite.com/muxirumcuiabano

 

Protagonismo feminino é o tema do livro da professora, doutora em História e mestre em Educação pela UFMT, Nailza Gomes.

A luta pela cidadania feminina e a visibilidade ao protagonismo das mulheres mato-grossenses. É este o debate que o livro “Federação Mattogrossense pelo Progresso Feminino” e a Emancipação das Mulheres em Mato Grosso traz em suas páginas. “A pesquisa mostra que as mulheres conseguiram um protagonismo, mesmo numa época segregadora, por meio de atividades associativas ocorridas nas três primeiras décadas do século XX. Aponta particularidades que possibilitam dizer que as mulheres no livro apresentadas fizeram a diferença, ainda que condicionadas ao tempo, espaço e lugares de fala”, destacou Nailza Gomes, autora a obra. 

Em suas mais de 230 páginas, a obra é ilustrada com histórias de muitas mulheres engajadas no movimento de emancipação feminina, trazendo mulheres que foram as precursoras dessa luta no estado. Sendo uma elas, a Bernardina Rich - professora negra com uma vida dedicada à luta contra o racismo, o patriarcado e a segregação social. Ela marcou a história junto com outras mulheres que também lutavam por semelhante propósito, como Maria Muller, Maria Dimpina e Benilde Moura. “Seus nomes e imagens estampadas na capa e no interior do livro fortalecerão a representatividade feminina e é uma forma de homenageá-las e agradecê-las pelos serviços prestados à sociedade”, acrescentou a autora.

Em meio ao tema, as linhas sublinham, segundo a autora, a inserção das mulheres no debate político, especialmente na luta pelo voto feminino. “Mulheres lutaram no passado para que, hoje, esse tema esteja vivo pelo mundo, alcançando cada dia mais as novas gerações. É esse um dos propósitos do livro”, reforçou Gomes.   

O professor Renilson Rosa ressaltou a amplitude da obra. Ele chamou atenção para que o livro faça parte das referências de estudos.  “O leitor que tiver o privilégio de ler o livro da Nailza receberá um presente. Ele traz a dimensão de uma história de luta, de sensibilidade, de afeto. Você consegue viajar nas tramas do livro. Sua escrita é muito envolvente. Ela tece uma rede de contatos dessas mulheres. É uma obra completa, que precisa estar nas referências dos cursos de licenciatura, na formação de professores, nas áreas de Humanas, Linguagem. Um livro pra fazer parte da mesa de cabeceira”, elogiou o professor da UFMT. 

Doações

  Quatrocentos exemplares foram doados a instituições públicas. Desses, 370 livros doados ao Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Mato Grosso com sede no Palácio da Instrução, que, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc/MT), distribuirá  a rede de ensino médio de todos os municípios. As escolas da rede municipal de Várzea Grande também foram contempladas. Os outros 30 livros foram  doados a outras Bibliotecas , como da UFMT, UNIC, Casa Barão de Melgaço, MISC, Casa das Pretas, IFMT, UNIVAG, entre outras. 

“Com a orientação dos professores, a temática trabalhada será bastante pertinente a esse público de jovens que precisam conhecer seus direitos políticos e saberem das lutas das mulheres para alcançarem o direito à cidadania”, lembrou Nailza. 

Para quem se interessar em adquirir a obra pode entrar em contato pelo número 65  9 9256-7880 ou pelo instragram da autora (@nailza_gomes_). “Os exemplares serão comercializados a preços populares no intuito de difundir essa riqueza da nossa história, podendo auxiliar nossa população a conhecer melhor e compreender como se desenhou os direitos que temos nos dias atuais,” finalizou Nailza. 

Nailza Gomes, natural de Chapada dos Guimarães, é professora da rede estadual (SEDUC-MT) e municipal (SMECEL-VG). Ela é doutora em História e mestre em Educação pela UFMT. Também é uma das autoras do livro recém lançado: “As histórias da história de Várzea Grande-MT” e autora de capítulos de livros e vários artigos que tratam de gênero, classe e raça. 

O Livro “Federação Mattogrossense pelo Progresso Feminino” e a Emancipação das Mulheres em Mato Grosso – de autoria da Dra. Nailza Gomes – foi contemplado pela Lei Aldir Blanc dentro do Edital MT Nascentes. Os recursos foram repassados pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel/MT).  

O escritor e historiador João Carlos Vicente Ferreira, do Instituto Histórico e Geográfico de MT e da Academia Mato-Grossense de Letras ,tem sua trajetória intelectual e cultural - de reconhecido percurso - contada em livro pela jornalista Maria Rita Ferreira Uemura. Em Mato Grosso é considerado uma das mais eminentes personalidades na área cultural. “Como filha, vivenciei boa parte da jornada dele. O livro foi uma oportunidade de debater sobre muitos momentos e isso me ajudou a formar uma ideia macro de todos os fenômenos que envolveram a vida dele e, consequentemente, de toda a nossa família”, revela Maria Rita, – em trecho da entrevista concedida ao Blog da Condessa. Confira!

Blog da Condessa - O que o leitor pode esperar da obra “João Carlos Vicente Ferreira – um ser cultural”?

Maria Rita Ferreira Uemura - Este livro retrata a jornada do escritor, pesquisador, cantor, editor, dramaturgo e produtor João Carlos Vicente Ferreira como trabalhador da cultura. Não é uma biografia, a obra se propõe a contextualizar o entorno dele e as principais situações que o levaram a trilhar o caminho das artes. 

Blog da Condessa - Na sua concepção, o que é ser um ‘ser cultural’?

Maria Rita Ferreira Uemura - Todo aquele cujo fazer cultural se torna profissão. Pode ser de forma sistematizada, através da academia e dos mais diversos cursos. Mas também uma vontade de dividir com o mundo a sua própria visão nas mais variadas formas de expressão artística. Pode ainda ser a união dos dois. Independente dos caminhos que levam um sujeito a se tornar um ser cultural a única certeza é a de que ele é movido pela paixão pelo que faz.

Blog da Condessa - No contexto cultura, o livro contribui de que forma?

Maria Rita Ferreira Uemura - Ele aborda um período de grande efervescência cultural em Cuiabá e Mato Grosso. O início dos anos 2000, a criação do Conselho Estadual de Cultura e a cena artística da época. Também mostra os bastidores da realização de grandes obras da Secretaria de Estado de Cultura durante o governo de Blairo Maggi. Mostra o protagonismo que o Estado teve durante a gestão de João Carlos à frente da pasta da Cultura nas interlocuções nacionais do segmento.

Blog da Condessa - Um livro referência no sentido de expandir conhecimento?

Maria Rita Ferreira Uemura - Além de compreender os principais aspectos de uma época em um material de fôlego. O livro aborda a jornada de um dos maiores escritores e pesquisadores de Mato Grosso. Mostra como a curiosidade, a visão empreendedora e a paixão por contar histórias transformou sua vida profissional. Ler esta obra também será a oportunidade absorver toda essa trajetória através de uma visão privilegiada, pois sou filha de João Carlos e acompanhei de perto ou até participei de boa parte de seus projetos.

Blog da Condessa - Em pauta, o universo cultural. Em qualquer contexto, ler é fundamental?

Maria Rita Ferreira Uemura - Sim, ler é fundamental. Em um mundo conectado onde se tem acesso fácil a todo tipo de informação é importante ter bagagem. Ler traz conhecimento e discernimento, visto que além de ler temos que entender o contexto das fontes. Nunca se escreveu tanto, nas mais variadas plataformas e é preciso saber distinguir aquilo que realmente é real. 

Blog da Condessa - O que o livro tem de especial?

Maria Rita Ferreira Uemura - Um texto feito com amor, sem buscar os detalhes de uma biografia, mas focado em evidenciar os principais aspectos de uma trajetória marcada pela diversidade de expressões culturais. 

Blog da Condessa -Qual o propósito da obra?

Maria Rita Ferreira Uemura A obra pretende dar luz e eternizar a contribuição de João Carlos Vicente Ferreira para a Cultura de Mato Grosso. 

Blog da Condessa -Que descobertas que você fez nessa imersão?

Maria Rita Ferreira Uemura - Como filha, vivenciei boa parte da jornada dele. Seus projetos afetaram diretamente meu desenvolvimento e havia muitas situações que eu ainda não compreendia, mas também não havíamos conversado mais tarde a respeito. O livro foi uma oportunidade de debater sobre muitos momentos e isso me ajudou a formar uma ideia macro de todos os fenômenos que envolveram a vida dele e, consequentemente, de toda a nossa família. Eu me vi ainda mais orgulhosa de ser filha deste ser cultural.

Blog da Condessa -  Qual a mensagem de vida para as futuras gerações?

Maria Rita Ferreira Uemura - A de que o nosso futuro é construído a cada dia. João Carlos jamais poderia imaginar quem se tornaria baseado nas poucas oportunidades que teve na infância. Dito isso, o livro é uma lição sobre acreditar em si mesmo.

Blog da Condessa - O que a motivou a escrever o livro?

Maria Rita Ferreira Uemura - O livro é uma ideia antiga. Uma oportunidade de preservar todo o legado de uma pessoa espetacular. Também é o privilégio de deixar registrada uma boa parte da história da nossa família. A ideia se tornou realidade graças ao prêmio Mestre da Cultura, um oferecimento do Governo de Mato Grosso através da Secretaria de Estado da Cultura. Com o prêmio pudemos editar o livro e também produzir um documentário a respeito de João Carlos.

Blog da Condessa - Qual o sentimento de sua jornada ao organizar a obra?

Maria Rita Ferreira Uemura - Eu me sinto grata e feliz por contribuir com a história de um homem que causou grande impacto no setor cultural de Mato Grosso e também do Brasil. Imaginar que as gerações futuras terão acesso às realizações de João foi uma das minhas maiores motivações.

Blog da Condessa - Na sua opinião, sinônimo de ler é? 

Maria Rita Ferreira Uemura - Criar a sua própria visão de mundo. É a única forma de ser verdadeiramente livre. 

 

Sexta, 17 Dezembro 2021 05:00

'Natal no Museu'

Museu de História Natural recebe decoração natalina e estende horário de atendimento ao público.

O Museu de História Natural de Mato Grosso recebeu uma decoração de Natal e, para aproveitar a iluminação do espaço, irá estender o horário de atendimento ao público neste fim de semana. Nos dias 17 e 18 de dezembro, o equipamento cultural receberá os visitantes até 22h. Entre as atrações, estão a réplica em tamanho real do dinossauro Pycnonemosaurus nevesi, vestido com chapéu de Papai Noel. Este é o terceiro ano que o Museu realiza a ação 'Natal no Museu'. 

Além do dinossauro que faz sucesso entre as crianças, os visitantes também podem conferir a exposição permanente e a mostra provisória ‘O Pantanal através dos esqueletos’. O acervo permanente traz uma perspectiva arqueológica e paleontológica, que aborda a origem da terra e as transformações da biodiversidade pré-histórica de Mato Grosso, as populações originárias e a diversidade cultural dos povos indígenas.

Como o Museu está instalado na Casa Dom Aquino, a mostra também apresenta a história da residência, que é patrimônio cultural mato-grossense. O espaço, com ampla área verde às margens do rio Cuiabá, conta ainda com um cenário sobre o Homem do Holoceno, contado por meio de esculturas de argila e o cotidiano dos povos pré-históricos.

Na área externa, outro atrativo é o parquinho infantil e o Café Nhô Dino, onde serão vendidos pipoca, cachorro-quente e algodão-doce no período noturno.

A mostra provisória ‘O Pantanal através dos esqueletos’ fica aberta ao público até janeiro, e apresenta um olhar diferente do Pantanal, sob a perspectiva do sistema esquelético de alguns dos animais que habitam o bioma, e como é a interação deles com o ambiente em que vivem. Os esqueletos integram acervo da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e foram reconstituídos em tamanho real para a exposição, realizada em parceria com o Laboratório de Anatomia Animal Comparada da UFMT. 

O Museu de História Natural Casa Dom Aquino é um dos equipamentos culturais da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), em funcionamento sob gestão compartilhada com o Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (Ecoss).

Visitação nos dias 17 e 18 de dezembro: das 8h às 22h, com entrada R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Visitação em dias com programação normal: quarta a domingo, das 8h às 18h. Entrada: R$ 12 (inteira) e R$ 6 (meia). Área verde e parquinho: gratuito.

Endereço: Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Jardim Europa, Cuiabá-MT

Telefones para contato: (65) 3634-4858 e site: http://museuhistorianaturalmt.com.br/

Página 1 de 19