Educação

Educação (119)

A emissora pode ser sintonizada nos canais 30.1 e 30.2 pela TV aberta e por meio das parabólicas na frequência do Satélite C2 Star One frequência 3645.

A partir desta segunda-feira (14.06), os alunos de Mato Grosso poderão começar a se preparar para o Concurso de Redação organizado pela Seduc, por meio de aulas transmitidas na TV Assembleia (TVAL). Em dois horários, das 09h às 10h e das 17h às 18h, será apresentada uma trilha formativa, que é um percurso que prepara o estudante para desenvolver um projeto. Serão exibidas aulas de redação, interpretação, literatura e projeto de vida. As aulas também servirão como preparatório para o Enem.

A emissora pode ser sintonizada nos canais 30.1 e 30.2 pela TV aberta e por meio das parabólicas na frequência do Satélite C2 Star One frequência 3645. Para quem tem internet, o acesso é pelo canal do programa no You tube da Assembleia Legislativa.

Segundo a coordenadora de Ensino Médio da Seduc, Giseli Maciano, como a TVAL atinge todo o Estado por meio de antena parabólica, a expectativa é chegar ao maior número possível de alunos do ensino médio.

O concurso de redação envolve toda a escola, com participação da equipe gestora e profissionais da educação. A expectativa de Giseli é que todos nas escolas vão colaborar no atendimento ao aluno, principalmente tirando dúvidas a respeito do concurso de redação.

“Tudo isso é um trabalho preparatório para o concurso de redação cujas inscrições começam no dia 5 de julho”, assinala.

O concurso é destinado aos estudantes do 3º ano do Ensino Médio e o objetivo é estimulá-los a desenvolverem a escrita do texto dissertativo-argumentativo, as habilidades exigidas pelo Enem e a análise crítica frente aos problemas sociais.

Como participar do concurso

As inscrições serão feitas de 5 a 30 de julho. Para participar, o estudante deve se inscrever no canal do Pré-Enem Digit@l MT no You tube da Seduc e assistir às aulas de redação e interpretação de texto: Diferença entre competências e habilidades; Texto dissertativo-argumentativo - introdução; texto dissertativo-argumentativo: desenvolvimento; e texto dissertativo-argumentativo: conclusão.

As aulas estão disponíveis na playlist “Inscrição Concurso de Redação”. Após essa etapa, os estudantes terão que preencher o formulário de inscrição com questões relacionadas aos temas tratados nestas aulas.

O link para o formulário de inscrição será disponibilizado no último vídeo da playlist e estará aberto para preenchimento apenas durante o período de inscrição (5 a 30 de julho).

Os estudantes classificados entre o 11º e o 20º lugar receberão menção honrosa. Do 1º ao 10º, haverá premiação (ainda a ser definida pela Seduc-MT) aos estudantes, aos professores de língua portuguesa que os orientaram e à unidade escolar a qual pertencem.

O concurso é organizado pela Superintendência de Educação Básica e Superintendência de Diversidade, ambas da Seduc.

 

Quinta, 10 Junho 2021 05:00

“Brincando com o Meio Ambiente”

Escrito por

Projeto educativo com materiais recicláveis  ensina os bebês e as crianças bem pequenas a importância de preservar o meio ambiente.

Caixas de papelão que podem virar uma onça pintada, grade de ovos se transformam em jacaré, troncos de árvores feitos dos tubinhos do papel higiênico e fundos de garrafas petes que viraram folhas.

Tudo isso e muito mais foi criado por professores do Centro Municipal de Educação Básica (CMEI) Paulo Ronan Ferraz Santos, no projeto ‘’Brincando Com o Meio Ambiente’’. A unidade educacional localizada no bairro Ilza Terezinha Picolli, atende 232 estudantes das 1ª e 2ª Infância, do Berçário ao Maternal e Jardim (bebes e crianças bem pequenas, de 0 a 3 anos e 11 meses) e Pré-Escola (crianças pequenas, de 4 e 5 anos).

No mês dedicado ao Meio Ambiente a unidade lançou o projeto que tem como objetivo trabalhar de forma lúdica a questão ambiental desde do berçário até a Pré-escola, abordando temas como a conservação, preservação e reciclagem, mostrando para as crianças que é possível brincar e, ao mesmo tempo, preservar o meio ambiente.

A diretora da CMEI, Rosângela de Jesus Pereira, contou que com o apoio dos professores, foram montados vários kits com produtos recicláveis e materiais didáticos, como o giz de cera, lápis de cor, tinta guache entre outros materiais pedagógicos.

‘’A expectativa é inserir a família e a criança nesse movimento de brincar, porque é preciso ensinar as crianças desde pequenas para que elas aprendam a preservar o meio ambiente’’, relatou a diretora Rosângela.

Para a professora do maternal Rita de Cassia, além da educação ambiental, as crianças aprendem a fazer seus brinquedos com materiais que antes eram descartados no lixo. “É gratificante mostrar a eles que aquilo que eles jogam fora pode virar brinquedos’’, disse a professora.

O projeto também envolve os pais dos alunos que nesse tempo de pandemia, ficam sem alternativas para ocupar os pequenos durante o dia, é o que explica a professora de Educação Física, Karolina Almeida. ‘’A criança é movimento, ela é um ser brincante. Ela brinca com tudo, a gente apenas dá um empurrãozinho, o resto é com elas’’, relata a educadora.

Além das possibilidades infinitas de montar brinquedos com materiais recicláveis, o professor de artes da unidade, João Batista, ensina os pequenos a tirarem sons desses objetos. Ele conta que existem vários tipos de sons em diversos materiais recicláveis e isso ajuda muito no desenvolvimento dos alunos. “Vejo um universo de possibilidades dentro da reciclagem. Você pode por exemplo trabalhar o timbre para que a criança aprenda identificar o tipo de som’’ relatou o professor.

Ainda conforme a diretora Rosângela, o projeto pode ser levado para outras unidades escolares de ensino, pois o foco é despertar nos pequenos a importância de brincar preservando o nosso meio ambiente.

Desafios

Durante as próximas semanas, as crianças/estudantes do Berçário, Maternal, Jardim e Pré-Escola irão participar de várias atividades como por exemplo a Leitura Deleite será com o livro João e o Pé de Feijão e, junto com os pais, as crianças/estudantes farão o plantio de uma mudinha.

Débora Yasmin Constantino Leque Bruno, mãe da Pérola, do Berçário, disse que vai participar com os filhos. “Estou achando isso maravilhoso. É uma forma interessante das crianças apreenderem. Além da Pérola meus outros dois filhos, de 6 e 11 anos, que também estudam na rede municipal e gostam muito de ler, também estão participando”, contou.

Rosivane Teixeira de Oliveira, mãe da Ana Luíza, do Jardim II, também está sempre junto, participando. “É um desafio para nós também, os pais. É muito interessante os professores estão sempre encaminhando vídeos, explicando as atividades, e ‘prá’ gente é muito bom”, contou ela dizendo que assim que a Ana Luíza terminar de brincar de casinha, com o pai Milton e o seu cachorro, vão participar da atividade.  

 

Modalidade digital contará com atendimentos especializados.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou, na terça-feira (1º), à Agência Brasil, que a versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano ofertará 101.100 vagas e terá novos recursos disponíveis como prova ampliada, prova superampliada, prova com contraste e locais de prova com acessibilidade para pessoas com deficiência.

Já no último dia 31, o Inep anunciou a realização das provas do Enem 2021 para os dias 21 e 28 de novembro. Segundo o instituto, os editais das duas versões do exame – impressa e digital – estão prontos e serão publicados nesta semana. O período de inscrições para o Enem 2021 será de 30 de junho a 14 de julho.

De acordo com a instituição, nesta edição, as provas da modalidade impressa e digital serão aplicadas no mesmo dia. Ainda de acordo com o Inep, a participação dos “treineiros” na versão impressa está garantida.

Pandemia

Tanto o Inep quanto o consórcio aplicador das provas estão monitorando os locais de realização do exame a fim de garantir o cumprimento das medidas sanitárias de prevenção contra a covid-19, como o distanciamento social. Os aplicadores estudam o aumento do número de municípios onde o exame é realizado.

 

Concorrendo com instituições públicas e privadas de todo Estado, a Escola Estadual Militar Tiradentes Major PM Ernestino Veríssimo da Silva de Rondonópolis, ficou em primeiro lugar em número de medalhas na 5ª edição da Olimpíada Nacional de Ciências (ONC), realizada o ano passado.

Vinte e dois alunos se destacaram na competição e foram agraciados em quatro medalhas de ouro, sete de prata, sete de bronze e cinco em menção honrosa.

Os vencedores são alunos do 8º e 9º do Ensino Fundamental e do 1º ano do Ensino Médio e receberam as medalhas n0 último dia 26, durante uma solenidade no Oratório Salesiano Filhos de Dom Bosco. Na ocasião, foram tomados todos os cuidados de distanciamento e de biossegurança.

Uma das medalhas de ouro foi do aluno Rafael Correa Pereira, de 14 anos, que também ficou em primeiro lugar na classificação da instituição. Ele contou que foi estimulado a participar da competição pela direção da escola, mas não acreditava que sairia tão bem.

“Estudei pouco na primeira fase, mas quando soube que tinha passado, preparei bastante para a segunda. Estudei história da ciência, geografia astronômica, física e química. Estou muito feliz com o resultado e me sentindo estimulado a participar de outras competições”.

Para o diretor tenente-coronel Kleber Franklin de Lima Ferreira, o resultado é reflexo do trabalho de toda equipe pedagógica da escola que mesmo as aulas sendo realizadas não presenciais, devido a pandemia, o registro diários de conectividade chega a 95%.

“Nosso trabalho é estimular os alunos na busca do conhecimento e reforça que estamos no caminho certo. Estar à frente de instituições tradicionais e de nome da capital e de outras cidades do Estado, só nos enche de orgulho. O estímulo agora é participar de todas as competições nacionais, regionais e estaduais levando novos desafios e conhecimento aos alunos”, destacou o diretor.

O diretor destaca ainda que a premiação evidência a instituição que passa a ocupar lugar de destaque em uma competição nacional em pouco mais de um ano de ativação.

Durante a solenidade, o comandante-geral da PM coronel Jonildo José de Assis junto com o diretor da Diretoria de Ensino e Instrução e Pesquisa (DEIP), coronel André Avelino Figueiredo Neto, enviaram um vídeo felicitando os alunos premiados e agradeceram os pais pela confiança na Polícia Militar.

A Olimpíada Nacional de Ciência integra o Programa Ciência na Escola promovido pela Sociedade Brasileira de Física,  Associação Brasileira de Química,  Instituto Butantan, Sociedade Astronômica Brasileira e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A realização da competição fica a cargo da Universidade Federal do Piauí.

 

Um estudo da organização não governamental (ONG) Plan International mostrou que 95% de meninas e jovens mulheres tiveram suas vidas afetadas de forma negativa pela pandemia de covid-19. Para as jovens, a educação foi a área mais atingida. O acesso limitado à tecnologia, o apoio insuficiente de escolas e faculdades e o espaço físico para estudar foram as principais dificuldades enfrentadas na educação em casa.

A pesquisa Vidas Interrompidas 2: em suas próprias vozes – O impacto da covid-19 na vida de meninas e jovens mulheres ouviu, nos meses de junho e julho de 2020, 7 mil mulheres de 15 a 24 anos sobre temas como educação, saúde e bem-estar, percepções sobre a vacina e o futuro. 

O Brasil está entre os países que participaram do estudo, que também incluiu meninas da Austrália, do Egito, Equador, da Espanha, dos Estados Unidos, da Etiópia, França, de Gana, da Índia, de Moçambique, da Nicarágua, do Vietnã e de Zâmbia.

A solidão e as responsabilidades domésticas também interferiram na capacidade das meninas de acompanhar o ensino a distância enquanto as escolas e faculdades foram fechadas.

“O futuro das meninas e jovens mulheres está ameaçado no Brasil e no mundo. A pandemia aprofundou as desigualdades sociais, que já eram muito marcantes, e está fazendo com que a gente dê vários passos para trás em conquistas importantes de direitos fundamentais para a igualdade de gênero e de oportunidades”, afirma Cynthia Betti, diretora executiva da Plan International Brasil.

Nas entrevistas, as jovens relataram dificuldades de concentração e foco ao estudar em casa. Elas também citaram a falta de dinheiro para planos de dados, telefones celulares e outros custos relacionados ao aprendizado online, além do fato de não ter ninguém para ajudar a explicar lições ou conceitos, como barreiras frequentes para aprender durante a pandemia.

“Na escola temos uma abordagem mais prática. Nas aulas online temos pouca oportunidade de tirar dúvidas, e os professores só dão a aula e não esclarecem nossas dúvidas. Minha casa está muito cheia e barulhenta. Não estou conseguindo acompanhar as aulas”, disse Bárbara, de 16 anos.

Vidas interrompidas

A primeira etapa da pesquisa Vidas Interrompidas, divulgada no ano passado, revelou que 19% das meninas em todo o mundo acreditam que a covid-19 as forçará a suspender temporariamente os estudos, enquanto 7% temem ter que abandonar a escola. No auge da primeira onda da pandemia, 1,5 bilhão de estudantes foram afetados pelo fechamento de escolas, que ocorreu em 194 países em quase toda a Europa, África, América Latina e Ásia.

“A covid-19 mudou profundamente nossas vidas no último ano. Mas seu impacto não é o mesmo para todas as pessoas, e a pandemia colocou em foco as desigualdades pré-existentes, seja entre ricos e pobres, jovens e idosos, homens e mulheres”, afirma Jacqui Gallinetti, diretora de Monitoramento, Avaliação, Pesquisa e Aprendizagem da Plan International. 

Barreiras financeiras

Para reduzir os impactos do cenário revelado pela pesquisa, a organização defende que os governos reúnam esforços para lidar com as barreiras financeiras impostas às meninas. Entre as medidas propostas na pesquisa estão o pagamento de vale-alimentação, merenda escolar e transferência de renda para incentivar as meninas a voltarem à escola, aliviando a carga sobre a renda familiar.

Outro ponto indicado pela Plan International é reforçar o treinamento para professores e alunos no uso da tecnologia, para melhorar a qualidade do ensino a distância em países onde as escolas permanecem fechadas, e para que a educação seja mais resiliente em caso de crises futuras. 

“Isso inclui o planejamento de futuros fechamentos, identificando os alunos que mais precisam de apoio e investindo em meios variados, incluindo rádio, TV e aprendizagem online, bem como distribuindo kits escolares com materiais de aula e materiais escolares”, diz a organização.

Aumento da ansiedade

O estudo também mostrou que a interrupção nos estudos, combinada ao medo do próprio vírus e à necessidade de se adaptar a medidas de isolamento social, afetou a saúde mental das meninas, e muitas participantes da pesquisa precisaram lidar com o estresse e a ansiedade.

A primeira edição da pesquisa revelou que nove em cada dez meninas (88%) diziam estar sentindo níveis altos ou médios de ansiedade como consequência da pandemia de covid-19.

Por outro lado, o estudo mostrou que apenas 5% das meninas e jovens mulheres entrevistadas disseram que a pandemia só causou efeitos positivos em sua vida.

 

Quinta, 13 Mai 2021 05:00

#pegalição

Escrito por

Projeto incentiva a participação de estudantes da rede pública municipal de ensino nas atividades pedagógicas remotas, bem como orienta pais e responsáveis no acompanhamento das atividades de rotina via plataformas online.

A Prefeitura de Cuiabá por meio da Secretaria Municipal de Educação está lançando um novo projeto. O #pegalição é uma serie de vídeos criados para incentivar a participação das crianças, estudantes da rede pública municipal de Ensino, nas atividades pedagógicas remotas e o acompanhamento dos pais e responsáveis. Por meio dos conhecidos personagens Nico e Lau, o #pegalição traz dicas de organização da rotina de estudo, de organização do ambiente e orientações para que os estudantes possam alcançar o melhor resultado possível nesse momento de aulas não presenciais nas unidades da rede pública municipal de Ensino.

“Desde o inicio da pandemia, em março do ano passado, quando as atividades presenciais nas unidades da rede pública municipal foram suspensas, os profissionais da Educação têm se mobilizado para que o processo de ensino e a aprendizagem não pare em Cuiabá. Utilizando diferentes plataformas, grupos de whatsapp, canal de TV aberta, o @portaldaescolacuiabana e outros instrumentos foram implementados para que pudéssemos dar continuidade à aprendizagem. O projeto #pegalição é mais uma ação da gestão Emanuel Pinheiro, humanizada e voltada para as nossas crianças, nosso futuro, e suas famílias”, destacou o prefeito Emanuel Pinheiro.

Os vídeos foram criados para abordar temas sobre o que os pais têm dúvidas e trazer informações para que possam acompanhar os filhos no cumprimento diário da rotina de estudos. Ao mesmo tempo, com humor e leveza, passar informações importantes sobre os cuidados em relação às medidas de biossegurança e incentivar os estudantes da Educação Infantil ao Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos, sobre a importância de acompanhar as atividades propostas no formato educação a distância (físico ou virtual).

“Nossa meta é alcançar 100% dos mais de 54 mil alunos matriculados na rede pública municipal de Ensino. Nesse sentido, a gestão Emanuel Pinheiro não mede esforços promovendo a formação dos profissionais da Educação, nos Webnários Temáticos, na entrega dos  kits pedagógicos e de material escolar e orientando os pais e responsáveis. Todos voltados para um só objetivo que é o de atender nossos estudantes, nesse novo contexto, buscando os melhores resultados possíveis do processo ensino e aprendizagem”, salientou a secretária Municipal de Educação, Edilene de Souza Machado.

De acordo com o último levantamento realizado na primeira quinzena de abril pela Coordenadoria Técnica de Ensino da Secretaria Municipal de Cuiabá, na Educação Infantil, de 0 a 3 anos e 11 meses, e de 4 e 5 anos de idade, o percentual de alunos atendidos é de 91% (nas duas faixas etárias); no Ensino Fundamental esse percentual é de 89% dos estudantes e na Educação de Jovens e Adultos, de 76%.

A coordenadora Técnica de Ensino da Secretaria Municipal de Educação, Zileide Lucinda dos Santos falou sobre a complexidade do momento, que exige intervenções e adaptações constantes da sociedade como um todo. A Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá, em consonância com a Escola Cuiabana e com o Programa @Portal da Escola Cuiabana, desde 2020, enfrenta o desafio de efetivar a continuidade das aulas durante a pandemia,  de acompanhar e monitorar a participação dos estudantes nas aulas, buscando estratégias para que “ninguém fique para trás”. "Nesse contexto, com o objetivo de ampliar a participação efetiva dos estudantes nas atividades escolares desenvolvidas em EaD,  o Projeto #pegalição, visa a mobilização de toda a comunidade escolar, profissionais da educação, estudantes, pais/responsáveis sobre a importância de participar das aulas, criar uma rotina de estudo em casa, construir autonomia dos estudantes  e incentivar os pais no acompanhamento do processo de aprendizagem de seus filhos", destacou.

Confira o primeiro vídeo do Projeto #pegalição. Os videos estarão disponíveis nos grupos de whatsapp e plataformas digitais.

https://youtu.be/dI6HyIY8GQw

 

 

Estudantes fazem resenha dos filmes através de desenhos e também comentários.

Mais de 30 filmes estão em cartaz para os alunos da Escola Estadual Malik Didier, no bairro Pedra 90, em Cuiabá. Eles participam da 1ª edição online da Luz Mágica, uma mostra de curtas-metragens nacionais voltada para estudantes. Os alunos fazem resenha do filme através de desenhos e também comentários. Os trabalhos são coordenados pela professora de arte Jaqueline Kissandre Santana que vê no festival uma oportunidade de mostrar a arte e a magia do cinema.

“A mostra é pensada para ampliar o alcance do cinema e da arte entre o público infanto-juvenil, mas também para os professores, como ferramenta para incentivar as trocas no processo de ensino-aprendizagem durante as aulas remotas”, assinala.

A professora destaca que os mais de 30 filmes e atividades abordam temas diversos, como desigualdade social, preconceito e bullying que podem contribuir para a discussão em sala de aula.

Os alunos ficaram empolgados com os curtas-metragens e muitos deles se identificaram com os filmes. Duas alunas curtiram o filme “Dela”, que aborda a história de uma menina que mora com seu pai e sofre bullyng na escola nova por causa de seu cabelo.

A aluna Kemilly Andresssa, do 1º ano do Ensino Médio, fez um desenho do cabelo da personagem. “Esse também é o meu cabelo e o nome dela é Mandela e não por acaso”, comenta.

Grazielly Cristina, também do 1º ano, vai mais além. “Achei linda a forma que o pai explicou para ela o porquê do nome Mandela, a maneira como ele respondia quando as pessoas faziam bullying”, resume.

Outra aluna, Kariny Amorim do 9º ano, curtiu o filme “Eu queria ser um monstro”. Em seu entendimento, o filme mostra o cotidiano de um menino com crise de bronquite e sua dificuldade em compreender matemática, além de sua relação com os pais.

A professora comemora a participação dos alunos, levando em conta que são moradores de um bairro distante do centro da Capital, mas com muita vontade de enfrentar desafios. “Estamos tendo uma ótima participação pois, considerando que muitos alunos não têm condições de frequentar o cinema, ainda mais agora no momento em que nos encontramos com a pandemia”, ressalta.

 

Evento online orienta para o desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais de educadores e estudantes; o palestrante internacional Eduardo Shinyashiki fará uma reflexão sobre a pluralidade e diversidade dos indivíduos e das culturas, visando o fortalecimento de uma nova forma de pensar e agir, novas habilidades e competências, tendo como foco os valores humanos, núcleo comum dos indivíduos.

A Secretaria Municipal de Educação realiza na próxima quarta-feira (12), às 9 horas, o II Webnário Temático de 2021. A palestra Competências Socioemocionais na Educação: A arte de Liderar, será ministrada por Eduardo Shinyashiki e transmitida pelo @portaldaescolacuiabana, no Youtube. O evento online é uma realização da Diretoria de Gestão Educacional, por meio da Coordenadoria Técnica de Ensino, e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais dos educadores e estudantes. A palestra vai reunir profissionais da Educação da rede pública municipal e das instituições filantrópicas conveniadas com a Secretaria de Educação.

Ao longo dos últimos meses, em que as atividades presenciais na rede pública municipal de educação estão suspensas, a formação continuada dos profissionais, assim como as atividades pedagógicas, está sendo realizada na modalidade à distância. Nesse sentido, foram criados os Webnários Temáticos.

Nesses eventos, profissionais da Educação e especialistas de Cuiabá, municípios do interior e de outras partes do Brasil, vem discutindo sobre questões ligadas à Educação Especial, Ensino Híbrido, protocolos de biossegurança, alfabetização em atividades remotas, metodologias ativas no ensino da Língua Portuguesa e Matemática em espaços virtuais, Educação Inclusiva entre outros.

Sobre a palestra Competências Socioemocionais na Educação: A arte de Liderar, que é a programação deste webnário, a secretária Municipal de Educação de Cuiabá, Edilene de Souza Machado, disse que vem ao encontro de uma das prioridades da gestão Emanuel Pinheiro, o fortalecimento do Programa de Formação Continuada da Rede Municipal. “A formação continuada se dá por meio do Projeto Roda de Conversa, assegurando o atendimento às necessidades formativas, necessárias para subsidiar o trabalho realizado nas unidades educacionais e, consequentemente, gerar impactos positivos no processo de ensino e aprendizagem”, disse Edilene Machado.

De acordo com a Secretária de Educação, no atual contexto, em razão da pandemia e considerando a atipicidade do ano letivo de 2021, a aprendizagem social e emocional assume uma grande importância. “Nesse cenário, os educadores têm enfrentado muitos desafios no desenvolvimento de novas habilidades, aprendendo e reaprendendo, sendo líderes em seus processos educacionais e este webnário vem fortalecer esse processo”, salientou.

Palestra

Eduardo Shinyashiki é palestrante internacional, escritor, especialista em Comunicação Verbal e Não Verbal e no desenvolvimento das Competências Socioemocionais e de Liderança. Neuropsicólogo e Mestre em Liderança Educação já formou milhares de pessoas por meio do Desenvolvimento do Poder Pessoal, através da expansão das competências de liderança, comunicação e inovação, criando novas realidades e resultados de sucesso.

Na palestra Competências Socioemocionais na Educação: A arte de Liderar, Shinyashiki fará uma reflexão sobre a pluralidade e diversidade dos indivíduos e das culturas, visando o fortalecimento de uma nova forma de pensar e agir, novas habilidades e competências, tendo como foco os valores humanos, núcleo comum dos indivíduos.

Entre os temas que serão abordados estão o autoconhecimento e autoconfiança, o papel das emoções e afetividade como fator dominante nos relacionamentos interpessoais, a importância de se reinventar e da valorização do educador, a ressignificação da aprendizagem e outros.

 

SERVIÇO

II Webnário Temático de 2021

Competências Socioemocionais na Educação: A arte de Liderar

Palestrante: Eduardo Shinyashiki

Local: @portaldaescolacuiabana, no canal do Youtube

 Programação

9 h – Momento de interatividade – Prof. Marco Antônio Alves Braga

 Abertura

- Secretária Municipal de Educação, Profª Edilene de Souza Machado

- Secretária Adjunta de Educação, Profª. Débora Marques Vilar

- Diretora de Gestão Educacional, Profª Mabel Strobel Moreira

- Coordenadora Técnica de Ensino, Profª Zileide Lucinda dos Santos

Intérprete: Ana Paula da Silva Campos

 09:30 horas – Palestra: Competências Socioemocionais na Educação: A arte de Liderar

Palestrante: Eduardo Shinyashiki.

Intérprete: Derli Aparecida Freitas Afonso

 

Prazo vai até esta terça; resultado sai na sexta-feira.

 Começam hoje (3) as inscrições para o processo seletivo de bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (Prouni), para o primeiro semestre deste ano. As inscrições devem ser realizadas, exclusivamente, na página do Prouni até as 23h59 de amanhã (4), e o resultado será divulgado na sexta-feira (7).

As bolsas remanescentes são aquelas não preenchidas no processo seletivo, nas duas chamadas regulares e também na lista de espera do programa. A disponibilidade dessas bolsas ocorre por desistência dos candidatos pré-selecionados ou falta de documentação, por exemplo. O Ministério da Educação (MEC) ainda não divulgou a quantidade de vagas remanescentes. Neste semestre, o Prouni ofereceu, no total, mais de 162 mil bolsas.

O Prouni é o programa do governo federal que oferece bolsas de estudo, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior. Para ter acesso à bolsa integral, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Para a bolsa parcial, a renda familiar bruta mensal deve ser de até 3 salários mínimos por pessoa.

É necessário também que o estudante tenha cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede privada, desde que na condição de bolsista integral. Professores da rede pública de ensino também podem disputar uma bolsa, e, nesse caso, não se aplica o limite de renda exigido dos demais candidatos.

Nova regra

No último dia 15, o MEC publicou a Portaria nº 212/2021, que trata da ocupação de bolsas remanescentes do Prouni e estabelece a nova regra para a classificação dos candidatos.

A partir de agora, a classificação dos inscritos em cada um dos processos de ocupação de vagas remanescentes do Prouni vai considerar a média aritmética simples das notas obtidas nas cinco provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que são a de linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; e a prova de redação.

O candidato será classificado na ordem decrescente da pontuação obtida no Enem, na opção de curso, turno, local de oferta e instituição de ensino para o qual se inscreveu, observado o limite de bolsas do Prouni disponíveis em cada período de inscrição.

A seleção que começa hoje será a primeira edição do processo de ocupação de bolsas remanescentes em que a classificação dos candidatos se dará por ordem de melhor desempenho obtido no Enem, considerando qualquer das edições do exame ocorridas nos últimos dez anos. Para o candidato que fez mais de um Enem será considerada, para efeito da classificação, a edição em que ele tenha obtido a maior média no conjunto de provas. Até então, valia a prova mais recente do exame.

Para isso, o candidato deve ter obtido 450 pontos no conjunto de provas do Enem e não ter tirado zero na redação.

“Com isso, a classificação se dará segundo um critério meritocrático, e não mais por ordem do horário de conclusão da inscrição, como ocorria antes, quando o critério era, meramente, temporal e, portanto, passível de prejudicar os candidatos que tivessem alguma dificuldade de acesso à internet”, informou o MEC.

Os estudantes que fizeram o Enem de 2020 poderão se inscrever para disputar uma das bolsas remanescentes ofertadas. Devido ao adiamento da aplicação das provas do Enem do ano passado, em razão da pandemia de covid-19, nas chamadas regulares do programa os estudantes foram selecionados de acordo com as notas do Enem de 2019.

Matrícula

Quem for classificado para uma vaga remanescente deve entregar, na instituição de ensino para a qual for classificado, a documentação que comprove as informações declaradas no ato da inscrição. O prazo é de 10 a 13 de maio.

A documentação pode ser encaminhada por meio eletrônico, caso seja disponibilizado pela instituição. Caso contrário, o candidato classificado deve comparecer de forma presencial à instituição para apresentar a documentação exigida.

 

O foco é potencializar a formação dos estudantes de forma interdisciplinar, com ações atrativas, criativas e inovadoras.

Para trabalhar leitura e produção de texto, a professora de Língua Portuguesa Mara Marques escolheu o conto “A Cartomante”, do escritor Machado de Assis, como foco de seu trabalho como disciplina eletiva, componente curricular da parte diversificada do currículo da Escola Estadual Plena Manoel Gomes, no bairro da Manga, em Várzea Grande.

A eletiva recebeu o nome “a cartomante, conto tudo através do conto”. A escola atende alunos do ensino fundamental.

Como forma de motivar os alunos a escolher a sua disciplina eletiva, a professora produziu um vídeo fazendo a apresentação da eletiva fantasiada de cartomante. “Uma história de amor e mística”, define a professora em seu vídeo com edição feita no próprio celular.

Eletivas são disciplinas temáticas que fazem parte da base diversificada da escola plena e articulam conhecimentos de dois ou mais componentes curriculares pertencentes a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), na vertente de possibilitar o aprofundamento dos conhecimentos construídos pelos estudantes. O foco das eletivas é potencializar a formação dos estudantes de forma interdisciplinar, com ações atrativas, criativas e inovadoras.

Segundo Mara Marques, ela escolheu o conto “a cartomante” para trabalhar os pilares da língua portuguesa, principalmente em relação a leitura e escrita. Por ser uma disciplina eletiva, Mara Marques usou uma forma que não fique explícita que é um trabalho de leitura, interpretação e principalmente intervenção (que é a correção dos rumos da aprendizagem de conteúdo).

O conto A cartomante, do gênio da literatura brasileira Machado de Assis, conta a história do triângulo amoroso composto por Vilela, Rita e Camilo. O conto não centraliza na cartomante, mas uma das personagens procura uma cartomante para ver como que será a vida dela com ele. Não existe um aprofundamento do misticismo, mas o título chama a atenção do leitor.

“Vou trabalhar sobre Machado de Assis, seu texto primoroso, sua época, sua história sua cultura. A partir da escolha, produzi o vídeo, que atraiu a curiosidade dos alunos e eu trabalhando com afinco a língua portuguesa”, comemora.

Na avaliação dos trabalhos on-line, os alunos vão poder usar a tecnologia. A professora trabalha com podcast (áudio próprio para a internet), videoclipe e também radionovela – tudo produzido pelos alunos.

No entendimento de Mara Marques, em tempos de pandemia, os professores enfrentam muitos desafios para ensinar língua portuguesa. “A redação do Enem, ela não é nada fácil, mas também não é nada impossível. Só é preciso ter muita leitura, estudo, dedicação e estar sempre atualizado”, salienta.

 

Página 1 de 9