Blog da Condessa

Blog da Condessa

Bureau Veritas lança programa voltado para produtores e importadores de biocombustíveis.

O Bureau Veritas, líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC), amplia suas soluções para o mercado nacional de biocombustíveis, com o lançamento do Programa BV Renovabio. A iniciativa inclui a Certificação Renovabio e serviços estratégicos, auxiliando empresas a alcançarem as metas nacionais de descarbonização, além de cobertura geográfica total da área de atuação e equipe do Bureau Veritas especializada em Sustentabilidade.
"O lançamento do Programa BV Renovabio é mais uma iniciativa do Bureau Veritas em contribuir para um mundo mais verde. Com nossa presença em todo o Brasil, o programa nos permite atender de maneira mais completa o mercado nacional de Biocombustível, que tem apresentado alta significativa nos últimos anos, com atendimento de excelência a todas os clientes independentemente de sua localização ", destaca José Cunha, diretor de Certificação do Bureau Veritas.
O Programa BV Renovabio integra o selo de certificação, análise de elegibilidade e serviços de georreferenciamento, além de outras soluções complementares, como construção de elegibilidade, análise de ciclo de vida do produto e desenvolvimento de pegada de carbono e Análise de Lacunas (Gap Analysis) para a comparação entre o desempenho real do cliente e o desempenho potencial, com relação às metas de descarbonização.
A Certificação Renovabio, inclui duas fases prioritárias. O processo inicia com a análise de elegibilidade do produtor de biocombustíveis a partir da verificação documental da unidade. Após esse passo, a elegibilidade da rota de produção também é verificada e são abertos os processos administrativos com a ANP. Ocorre então a análise de imagens por meio de satélites, assim como a conferência de informações e possíveis pendências. O próximo passo é a realização de uma auditoria, com vistoria presencial da unidade produtora. A partir dos dados coletados, tem início a última fase da certificação, com elaboração do relatório final e emissão do Selo Renovabio. O certificado terá validade de três anos contados a partir da aprovação pela Agência Nacional de Petróleo (ANP).
Com quase 200 anos de experiência no mercado, o Bureau Veritas já certificou mais de 100 mil empresas e possui mais de 20 mil profissionais treinados em padrões internacionais. O Grupo oferece mais de 60 treinamentos em Sistemas de Gestão da Qualidade, Formação de Auditor, Auditor Líder, Compliance e Seis Sigma.

Sobre o Grupo Bureau Veritas
Com receita global de 4,6 bilhões de euros, o Bureau Veritas é líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC). Fundado em 1828, o Grupo está presente em 140 países, atendendo mais de 400 mil clientes. São 75 mil colaboradores localizados em mais de 1.600 escritórios e laboratórios pelo mundo, sendo 5 mil profissionais no Brasil. O Bureau Veritas oferece um portfólio completo de serviços e soluções inovadoras para garantir que ativos, produtos, infraestrutura e processos que atendam aos padrões e regulamentações de qualidade, saúde e segurança, proteção ambiental e responsabilidade social.

 

Bureau Veritas lança programa voltado para produtores e importadores de biocombustíveis.

O Bureau Veritas, líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC), amplia suas soluções para o mercado nacional de biocombustíveis, com o lançamento do Programa BV Renovabio. A iniciativa inclui a Certificação Renovabio e serviços estratégicos, auxiliando empresas a alcançarem as metas nacionais de descarbonização, além de cobertura geográfica total da área de atuação e equipe do Bureau Veritas especializada em Sustentabilidade.
"O lançamento do Programa BV Renovabio é mais uma iniciativa do Bureau Veritas em contribuir para um mundo mais verde. Com nossa presença em todo o Brasil, o programa nos permite atender de maneira mais completa o mercado nacional de Biocombustível, que tem apresentado alta significativa nos últimos anos, com atendimento de excelência a todas os clientes independentemente de sua localização ", destaca José Cunha, diretor de Certificação do Bureau Veritas.
O Programa BV Renovabio integra o selo de certificação, análise de elegibilidade e serviços de georreferenciamento, além de outras soluções complementares, como construção de elegibilidade, análise de ciclo de vida do produto e desenvolvimento de pegada de carbono e Análise de Lacunas (Gap Analysis) para a comparação entre o desempenho real do cliente e o desempenho potencial, com relação às metas de descarbonização.
A Certificação Renovabio, inclui duas fases prioritárias. O processo inicia com a análise de elegibilidade do produtor de biocombustíveis a partir da verificação documental da unidade. Após esse passo, a elegibilidade da rota de produção também é verificada e são abertos os processos administrativos com a ANP. Ocorre então a análise de imagens por meio de satélites, assim como a conferência de informações e possíveis pendências. O próximo passo é a realização de uma auditoria, com vistoria presencial da unidade produtora. A partir dos dados coletados, tem início a última fase da certificação, com elaboração do relatório final e emissão do Selo Renovabio. O certificado terá validade de três anos contados a partir da aprovação pela Agência Nacional de Petróleo (ANP).
Com quase 200 anos de experiência no mercado, o Bureau Veritas já certificou mais de 100 mil empresas e possui mais de 20 mil profissionais treinados em padrões internacionais. O Grupo oferece mais de 60 treinamentos em Sistemas de Gestão da Qualidade, Formação de Auditor, Auditor Líder, Compliance e Seis Sigma.

Sobre o Grupo Bureau Veritas
Com receita global de 4,6 bilhões de euros, o Bureau Veritas é líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC). Fundado em 1828, o Grupo está presente em 140 países, atendendo mais de 400 mil clientes. São 75 mil colaboradores localizados em mais de 1.600 escritórios e laboratórios pelo mundo, sendo 5 mil profissionais no Brasil. O Bureau Veritas oferece um portfólio completo de serviços e soluções inovadoras para garantir que ativos, produtos, infraestrutura e processos que atendam aos padrões e regulamentações de qualidade, saúde e segurança, proteção ambiental e responsabilidade social.

 

Mineração tenta mudar estigmas por meio da tecnologia. Profissionais recebem apoio das cooperativas e iniciam novos ciclos econômicos a partir da recuperação de áreas degradadas.

Desatrelar a imagem do garimpo das explorações ilegais de minérios e organizar os empresários para buscar políticas públicas para o desenvolvimento da atividade são as principais dificuldades do setor mineral, que no ano passado movimentou mais de R$ 4,6 bilhões apenas em Mato Grosso, segundo dados da Agência Nacional de Mineração (AMN).

O total comercializado rendeu R$ 86,79 milhões em Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cofem). Desse valor, 60% é repassado para os Municípios, 30% para o Estado e 10% para a União.
E para este ano, o resultado tem tudo para ser ainda mais consistente, já que, até setembro, o valor das negociações alcançaram R$ 5,1 milhões, uma quantia 10% maior que a registrada em todo ano de 2020.

Atualmente, Mato Grosso tem 13 cooperativas de mineração filiadas ao Sistema Organização das Cooperativas Brasileiras de Mato Grosso – Sistema OCB/MT -, sendo que 5 delas integram à Federação das Cooperativas Mineral de Mato Grosso (Fecomin).

Nelas, os relatórios da OCB apontam a existência de 7.184 associados, que atuam com os mais diversos produtos, que vão dos metais até argila, areia, cascalho, entre outros. Juntas, estima-se que as cooperativas gerem 8 mil empregos diretos e indiretos.

O presidente da Fecomin, Gilson Camboim, explica que a atividade legalizada está repleta de tecnologia e regras que a colocam em posições muito distantes das cenas reproduzidas na mídia e que chocaram muita gente décadas atrás.

 “O conhecimento permitiu que os danos pudessem ser reduzidos e que projetos de recuperação passassem a ser aplicados com um resultado rápido. Sabemos que a extração é limitada e as áreas, depois de exploradas, são preparadas para atender outras atividades econômicas como pecuária, piscicultura e fruticultura, dando início a novos ciclos econômicos locais”, explica Camboim.

Uma outra alternativa vislumbrada por Camboim é a recuperação total da vegetação originária ou consorciada a fruticultura para o mercado de créditos de carbono. Ele acredita que com a evolução das discussões no âmbito ambiental, será uma alternativa rentável e sustentável. Contudo, um desafio será trabalhar a paciência dos garimpeiros, tendo em vista que o retorno financeiro é mais lento que da inserção da piscicultura, por exemplo.

Organização é essencial para o setor

Na avaliação de Camboim, a organização é algo importante para o desenvolvimento do setor, já que as organizações conseguem dialogar com as universidades e berços da tecnologia, bem como como instituições e órgãos governamentais, como objetivo de dar mais celeridade aos processos, bem como reivindicar políticas públicas para o setor, como os de fomento, que já são realidade em outras áreas.

O presidente da Federação acrescenta ainda que com as cooperativas, os associados têm acesso à uma série de profissionais e suportes, que custariam muito caros se acionados de forma particular, entre eles geólogos, biólogos e advogados.

Também há possibilidade de se instituir a compra e venda de produtos. Com a união dos cooperados, é possível conseguir um preço mais acessível pelos insumos e ainda formar uma quantidade atrativa para negociação comercial.
 
O ouro é luz em algumas comunidades

O principal produto de exploração mineral de Mato Grosso é o ouro, que corresponde a 76%(R$ 3,5 bilhões) do total movimentado no ano passado em Mato Grosso. Um dos casos de sucesso com relação a extração do minério e o desenvolvimento da economia local está na região de Peixoto de Azevedo.

Lá, a Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Peixoto (Coogavepe) se apresentou com um divisor de água. A atual presidente, Solange Barbosa, explica que a região foi tomada pela ocupação desordenada de garimpeiro entre os anos de 1970 e 1980, mas que aquela realidade foi superada por conta do cooperativismo.

Muitas pessoas foram atraídas para região na época da abertura da BR-163 após uma “fofoca” – como se fala entre os garimpeiros - de que se havia ouro em abundância. E naquela época, realmente ele aflorava na margem dos rios e há relatos de pessoas que “trupicavam” em pepitas nas ruas da cidade.

Contudo, Solange explica que era uma atividade desordenada, que trazia problemas sociais seríssimos e que não deixavam nada em contrapartida para região. As vendas dos produtos extraídos quase nunca passavam pelos órgãos oficias e como resultado não geravam impostos, que são essenciais para a melhoria da estrutura das cidades.

Visualizando a situação, um grupo de 23 pessoas iniciou o processo de formação da cooperativa, que se tornou ainda mais necessária com a presença e cobrança mais firme dos órgãos governamentais.
Hoje, todo o ouro extraído da região é vendido de forma legal e no ano passado rendeu R$ 15 milhões ao Município em impostos - Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cefem) e Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). A região de atuação da cooperativa, que compõem 8 municípios, também não se tem mais nenhum ponto de extração sequer semelhante aos barracos de lonas em meio a escavações, como na época da abertura da rodovia.

“Trabalhamos a parte cultural e também oferecemos condições técnicas das pessoas trabalharem, seguindo a legislação e promovendo as compensações ambientais necessárias. Hoje, as áreas são reabilitadas para novos ciclos econômicos como a pecuária, agricultura e piscicultura”, explica.

Um dos desafios para os próximos anos, conforme a análise de Solange, é atrair investidores e consolidar políticas públicas para o desenvolvimento das novas atividades. Ela acredita que já é hora de se pensar em um frigorífico de peixes, por exemplo, e em indústrias para o beneficiamento dos produtos produzidos na área, seja de origem mineral, seja do aproveitamento dos espaços depois de recuperados.

O curta-metragem retrata o misticismo do lugar a partir da reflexão sobre a fuga da rotina e do sistema econômico.

O misticismo na Serra do Roncador, conhecida pela forte energia espiritual e natureza exuberante, é a inspiração para o documentário "O Dedo de Deus: contatos mágicos na Serra do Roncador", que estreia no mês de dezembro em Barra do Garças, Cáceres e Cuiabá. Produzido com recursos do edital MT Nascentes, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), terá a primeira exibição pública presencial nesta quarta-feira (1º.12), em duas sessões, para a comunidade da Escola Estadual Irmã Diva Pimentel, em Barra do Garças.

Para o público geral, o documentário estreia no dia 07 de dezembro, às 19h, em Cáceres e Barra do Garças. Em Cáceres, será no 3º Festival de Cinema Olhares do Pantanal. E em Barra do Garças, no auditório da Prefeitura Municipal. Uma semana depois, em 14 de fevereiro, a exibição pública será em Cuiabá, às 19h, no cinema do Sesc Arsenal.

O curta-metragem foi selecionado no edital MT Nascentes da Secel, viabilizado por meio da Lei Aldir Blanc, e retrata o misticismo na Serra do Roncador a partir da reflexão sobre a fuga da rotina e do sistema econômico, que valoriza os bens materiais, a busca pelo amadurecimento espiritual que intriga a razão, a cura das feridas emocionais.

A idealizadora do projeto, a jornalista Aliana Camargo, afirma que a realização do documentário é uma provocação interna para ela e para os que assistem. “Ele traz o benefício da dúvida para quem é cético, e instiga os que estão na busca de saber o que há além dos nossos cinco sentidos materiais. Além disso, mostra a riqueza exuberante da Serra do Roncador, que é um lugar com uma energia muito forte”. Aliana também assina o roteiro e a direção do filme.

 

A produção audiovisual é estruturada a partir do relato de experiências metafísicas e de evolução da consciência humana vivenciadas pelo ator cuiabano André D’Lucca, um apaixonado pela região. Do primeiro encontro com a serra, ainda na adolescência, às mais de 30 viagens ao Roncador na fase adulta, André conta sua trajetória em busca de autoconhecimento e de conexão com o divino.

O mistério que transcende a realidade material também se fortalece com os depoimentos de pesquisadores e de espiritualistas que consideram o Roncador um santuário espiritual e metafísico, um chacra da Terra. Mais do que a porta da Amazônia Legal, a Serra do Roncador seria um portal para o desconhecido.

O título do filme, O dedo de Deus, é uma menção à formação rochosa no Roncador bastante visitada por turistas e místicos do Brasil e do exterior, por ser considerado um local onde há grande concentração energética. Com 31 minutos de duração, o filme foi realizado em parceria com o Núcleo de Produção Digital da Universidade Federal de Mato Grosso (NPD/UFMT) do campus Araguaia. 

trailer do filme está disponível no youtube.

 

Terça, 30 Novembro 2021 17:52

Kalil destaca avanços históricos na cidade

Em um intervalo de cerca de 30 dias, R$ 100 milhões circularão na economia, impulsionando o varejo, a indústria e prestação de serviços em Várzea Grande.

Kalil Baracat fecha ano com quitação de folhas salariais antes da virada do mês, reposição de RGA e nivelamento de cargos, investimentos de mais R$ 500 milhões em infraestrutura e em dia com todos os encargos e fornecedores.

Depois de anunciar a injeção de mais de R$ 125 milhões na economia local com o pagamento de quatro folhas aos servidores municipais no último trimestre do ano, o prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, confirmou a antecipação do pagamento do 13º salário, que juntamente com o salário de dezembro, serão pagos nos dias 17 e 27 do próximo mês, respectivamente.
Em um intervalo de cerca de 30 dias, R$ 100 milhões circularão na economia, impulsionando o varejo, a indústria e prestação de serviços na cidade. Além da folha de dezembro e do 13º, a prefeitura de Várzea Grande está pagando o salário de novembro, hoje dia 30.

“Estamos ‘furando’ nossa própria programação. O calendário elaborado pela equipe econômica previa a quitação do abono até o dia 19 e do salário até o dia 29. Felizmente, todo nosso esforço financeiro e fiscal tem surtido feito e permitido que ao longo do ano, nossos servidores recebam o que é de direito muito antes da virada do mês. Ainda que estejamos no pior momento da pandemia, sob o ponto de vista econômico, esse primeiro ano de gestão está sendo marcado pela dedicação de cada colaborador, pela confiança do cidadão e pelo nosso zelo com os recursos públicos”, declarou o gestor.

Kalil destacou ainda que todas as adversidades derivadas do momento pandêmico que ele herdou não impediram avanços históricos na cidade. “Tenho orgulho em dizer que nesse primeiro ano de mandato realizamos investimentos de R$ 500 milhões em infraestrutura, especialmente na ampliação do sistema de abastecimento de água e pavimentação asfáltica. Vamos pagar a reposição inflacionária aos nossos servidores, bem como, promover correções na elevação de nível e manter em dia o pagamento aos servidores. Esse esforço é justo, nossa cidade, nossa população e nossos servidores merecerem, pois eles (servidores) são a mão do Poder Executivo que leva saúde, segurança, social, educação e outros serviços para atender a população”.

A secretária de Gestão Fazendária, Lucineia dos Santos, frisa que a saúde financeira do Município permite não apenas o pagamento em dia – obrigação de qualquer gestor – bem como a concessão de 7% como forma de recomposição salarial e a Progressão de Enquadramento por Nível, que na prática coloca em dia o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), adicionando um diferencial ao salário-base dos servidores. “Tudo programado e dentro do que preconiza a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) que limita os gastos com salários e encargos de servidores públicos até o máximo de 60% das receitas”.

O secretário de Administração, Anderson Silva, pontuou que essas correções junto aos servidores municipais era uma demanda antiga e que tornou ainda mais latente com o Covid-19, por todos os seus desdobramentos e impactos sobre o poder de compra das famílias. “Acredito que o percentual da RGA, em 7%, deve ser um dos maiores do País. Poucas administrações públicas poderão arcar com um extra como esse no próximo ano, quiçá ainda, dentro deste mandato”.

O prefeito, como sempre frisa, “não vamos resolver todos os problemas da cidade”, faz questão de reforçar que vem cumprindo seu plano de governo proposto durante a campanha eleitoral de 2020, priorizando cada segmento da sua administração. “Se me perguntarem como avalio esse primeiro ano, vou dizer que foi extremamente desafiador e próspero ao mesmo tempo. Realizamos investimentos com visão estratégica e de longo prazo, estamos promovendo correções dentro do funcionalismo público, encaramos a maior campanha de vacinação da história com êxito e chamamos o desafio de solucionar o problema de abastecimento de água em Várzea Grande”.

Ao setor empresarial, além de poder contar com a gestão, Kalil diz que essa irrigação de recursos será contínua, com a priorização de salários. “Os empresários podem se preparar, se programar para receber o servidor municipal sempre antes da virada do mês. Essa injeção de recursos, especialmente nesse ano, será um grande impulsionador de vendas e vai contribuir para a busca de um fechamento de ano no azul para o varejo local”.

Várzea Grande contabiliza cerca de 7 mil servidores municipais, considerando a Administração Direta e suas autarquias, como PREVIVAG e DAE/VG.

 

Quarta, 01 Dezembro 2021 05:00

“Espelhos da Terra”

A nova exposição da artista plástica Dayana Trindade.

Feche os olhos e se imagine em um passeio noturno. Essa é a experiência que a instalação Espelhos da Terra, criada com obras da artista plástica Dayana Trindade, vai proporcionar aos visitantes da exposição que acontece no Várzea Grande Shopping.

Ao entrar na exposição, a fonte de luz negra reflete as luzes neon das telas e das imagens fazendo com que o visitante percorra o espaço através de uma nova perspectiva, sendo “transportado” para diferentes cenários do bioma mato-grossense com a proposta de despertar e estimular a preservação ambiental.

“Enquanto pintava as obras, já imaginava os visitantes percorrendo a exposição e se impressionando com o que viam. Os quadros ganham vida e cor diferentes quando iluminados com a luz negra. A instalação Espelhos da Terra proporciona uma verdadeira experiência sensorial e vai encantar adultos e crianças”, explica Dayana.

Além da exposição, montada no piso 2 do empreendimento, os visitantes vão poder contemplar uma mini exposição na vitrine cultural do Shopping, com obras da artista e também do artista convidado Victor Hugo.

“Um espelho sempre contém mais coisas do que os olhos podem ver. Permita-se sentir! ”, conclui a artista.

NFT

Inovadora, Dayana Trindade é hoje uma das artistas que participa do projeto NFT Mulheres Brasileiras. A artista faz parte da plataforma virtual, com trabalhos exclusivos onde tem a oportunidade de apresentar as obras produzidas em telas físicas agora digitalizadas para o NFT.

NFT é a sigla em inglês para non-fungible token (token não fungível, na tradução para o português). Um token, no universo das criptomoedas, é a representação digital de um ativo – como dinheiro, propriedade ou obra de arte – registrada em uma blockchain, tecnologia que nasceu com o BTC no final de 2008. Exemplo: se uma pessoa tem o token de uma obra de arte, significa que tem direito àquela obra – ou parte dela.

Sobre a artista

Dayana Trindade, 38 anos, é natural de Campo Grande (MS), mudou-se para Cuiabá em 2011. Enfermeira desde pequena Dayana se interessava pela arte, pela pintura e dava cor a vários objetos de madeira, vidro e metal.

Esse ano a artista realizou a exposição Mato Grosso Amor à Primeira Vista em um shopping da capital; participou da mostra ‘Nascidos da Terra’ na Câmara Municipal, expôs na Conferência sobre o estatuto do Pantanal, mais recentemente pintou uma obra em tempo real, durante o evento Virada Feminina, na Assembleia Legislativa e de forma virtual, Dayana participou da ‘Exposição Virtual Coletiva’ e

 Em 2020, a artista doou uma obra que foi leiloada virtualmente com intuito de arrecadar fundos para aquisição de EPI para enfermeiras no início da pandemia. Ainda no ano passado, Dayana participou de uma live com o artista plástico Bruno Portella sobre a relevância artística e do Show-Room Virtual em 3D com Curadoria de Heloisa Azevedo.

 A carreira como artista plástica começou em 2016, pintando pedras e participando de feiras de artesanato e exposições. Em 2019, Dayana começou a estudar para somar dom e talento às técnicas.

 Ainda 2016 ela participou da exposição de artes na Feira Internacional do Turismo (FIT). Em 2019 as participações foram na exposição coletiva “A arte de Amamentar”, com curadoria de Ferraz Ronei, na exposição individual ”Pantanal e Sua Cultura Espontânea'', na Universidade de Cuiabá e na Feira Cultural e Sustentável em Chapada dos Guimarães. (Fonte: Assessora de imprensa)

 

 

Benefício é limitado a um veículo e será gerado a partir de pontuação.

Os consumidores cadastrados no Programa Nota MT terão mais uma modalidade de premiação a partir de 2022, um desconto no Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). De acordo com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) será concedido um crédito para desconto de até R$ 100,00 no valor do IPVA.

A Lei nº 11.586 que traz a novidade foi sancionada pelo governador Mauro Mendes e publicada na edição extra do Diário Oficial do dia 26 de novembro (sexta-feira).

Além de fornecer o desconto, o objetivo da medida é fomentar o hábito do consumidor em solicitar a nota fiscal durante suas compras. Ao exercer essa função social de exigir o documento, o cidadão contribui para a redução da sonegação fiscal e para o aumento da arrecadação, sem que haja um aumento de impostos.

Para ter direito ao abatimento, o cidadão deve estar cadastrado no Nota MT, ser o proprietário do veículo e solicitar o CPF nos documentos fiscais ao realizar qualquer compra dentro do território mato-grossense. O CPF pode ser incluído tanto nas notas fiscais, quanto nos bilhetes de passagem eletrônicos – utilizados no transporte intermunicipal, interestadual ou internacional de passageiros.

O benefício é limitado a um veículo para cada participante cadastrado no programa e deverá ser solicitado pelo site ou aplicativo do Nota MT. É importante ressaltar que nos casos em que a pessoa for proprietária de mais de um veículo, ela precisa escolher qual o automóvel que receberá o crédito no IPVA.

Em relação ao valor do desconto, esse será calculado por pontuação, a partir dos valores dos documentos fiscais emitidos com o CPF do consumidor, acumulados em determinados períodos. Os critérios, prazos, procedimentos para a nova modalidade de premiação do Nota MT serão definidos por meio de decreto, a ser publicado pela Sefaz.

A Secretaria de Fazenda ressalta que a funcionalidade ainda não está disponível no site e aplicativo do Programa Nota MT, o sistema está sendo parametrizado. A previsão é que a nova modalidade comece a funcionar após a publicação da regulamentação da Lei nº 11.586.

 

Terça, 30 Novembro 2021 05:00

“Onde o tempo não para”

Festival Satyrianas transforma MT uma das sedes da cultura nacional.

De 02 a 05 de dezembro Mato Grosso será uma das sedes do Festival Nacional Satyrianas, que em 2021 traz como tema “Onde o tempo não para”, inspirado na música de Cazuza (O Tempo não Para), em formato híbrido, ou seja, apresentações virtuais e presenciais, no Cine Teatro Cuiabá, Casa Cuiabana e Cine Xin, em Cáceres. São, ao todo, 400 atrações de 9 países, de quase todos os estados do Brasil.

De acordo com a coordenadora administrativa e coordenadora de produção da MT Escola de Teatro, Flávia Taques, para esta edição, estima-se um público em torno de 1000 pessoas de forma presencial e mais de 3 mil online. “Em 2020, o festival foi totalmente online, em razão da pandemia. Esse ano, será híbrido e em diversas cidades, entre elas Cuiabá e Cáceres”, explica.

O festival acontece há muitos anos em São Paulo, Capital. Desde 2017, com a criação da MT Escola de Teatro, em parceria com a Associação Cultural Cena Onze, Secel-MT, Unemat e Adaap, os alunos e artistas de Mato Grosso se apresentam nas Satyrianas, presencialmente.

A inspiração na música de Cazuza surgiu como forma de representar o sofrimento pelo qual os brasileiros estão passando. “Se prestarmos atenção na letra, ela expressa muito do que estamos sentindo atualmente. É uma mobilização dos artistas em um momento difícil”, explana Flávio Ferreira, diretor do Cena Onze.

Fazem parte da programação local, a Inclusão Literária, de Clovis Matos, que acontece na frente do Cine Teatro Cuiabá, lançamento do Single Dias de Sombras, da Banda Lord Crossroads, com  Charles Luciano Martins Pereira, na Casa Cuiabana, apresentação  do conto Corá, de Eduardo Mahon no Youtube do CTC e a peça Bereu, do Cia Cena Onze de Teatro, na sala Anderson Flores. A programação completa pode ser acompanhada no site http://www.satyrianas.com.br/

Em suas últimas edições, o festival contou com a participação de mais de 5 mil artistas, em média anual, ofereceu 600 atrações e atingiu um público de cerca de 50 mil espectadores. Com ingressos pague quanto puder o público pode retirar o ingresso gratuitamente ou pagar qualquer quantia para cada artista, sendo a opção totalmente livre.

A Secretaria de Estado, Cultura e Lazer (Secel-MT), está apoiando o evento. Os polos alinhados são Cuiabá e Cáceres que contam com a parceria da Associação Cultural Cena Onze, MT Escola de Teatro e Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Tudo será possível através dos Satyros com a Associação dos Artistas Amigos da Praça de São Paulo (Adaap).

Serviço

O que: Festival Satyrianas

Quando: De a 02 a 05 de dezembro

Onde: Cine Teatro Cuiabá, Casa Cuiabana e Cine Xin, em Cáceres

Quanto: ingressos pague quanto puder

Já em clima de Natal, a feirinha mais charmosa da capital realiza no dia 1º de dezembro a sua 7ª edição no Espaço Conquista. A entrada é gratuita e o espaço tem estacionamento.

Além de reunir em um único lugar várias opções gastronômicas e grandes variedades de artigos de decoração natalina, presentes e artesanatos, fabricados por empreendedores locais, você também encontrará produtos personalizados de instituições sem fins lucrativos, como o MT Mamma, que apoia mulheres em tratamento contra o câncer, da AAPOC (Associação de Apoio aos Pacientes Oncológicos de Cuiabá) e do Núcleo de Convivência de Idosos Vovô Pedro. Ao adquirir um desses produtos, você também estará ajudando essas instituições.  

Para a responsável pela organização da Feirinha Cuiabana, Zilda Castanho, a feirinha que já se tornou um sucesso e tem como objetivo fomentar o mercado de micro e pequenas empresas, principalmente daqueles que estão iniciando no ramo do empreendimento. Além de fazer um trabalho de responsabilidade social. 

“Neste ano a Feirinha, além de reunir a gastronomia cuiabana, artesanatos produzidos por empreendedores locais, também estamos fazemos um trabalho de responsabilidade social ao lado de grandes parceiros. Busquei reunir em um único lugar o artesanato, a gastronomia, o lado social e também ajudar, motivar, incentivar, orientar e capacitar quem está em busca de novas oportunidades no ramo do empreendedorismo”, ressalta Zilda.

Outro momento marcante da Feirinha Cuiabana será as apresentações como dança do ventre do MT Mamma.  E para quem está em busca de novos desafios e quer se tornar um micro empresário, a feira contará com o projeto Conte com Elas com várias dicas de empreendedorismo, através de um talkshow idealizado para trazer qualificação e motivação para quem está retornando as feiras ou que está iniciando seu empreendimento. Terá palestra com Fernanda Pavan, que ao lado do seu violino, abordará temas como inovações nos modelos de negócios através de projetos criativos. 

Reforçando que a Feirinha Cuiabana está seguindo todos os protocolos de biossegurança exigidos, como uso obrigatório de máscara facial.

SERVIÇO

Feirinha Cuiabana no Espaço

Data: 1º de dezembro (quarta-feira)

Local: Espaço Conquista

Horário: das 11h às 21h

ENTRADA E ESTACIONAMENTO GRATUITO

Mais informações: Zilda Castanho (65) 98412-9090 ou pelo instagram https://instagram.com/feirinhacuiabana?utm_medium=copy_link

 

Cliente poderá fazer saque em locais como padarias e supermercados.

 A partir desta segunda-feira (29) passam a valer duas novas modalidades do Pix: Saque e Troco. Os usuários poderão fazer saques em locais como padarias, lojas de departamento e supermercados, não apenas em caixas eletrônicos.

Segundo o Banco Central (BC), a oferta dos dois novos produtos da ferramenta aos usuários é opcional, cabendo a decisão final aos estabelecimentos comerciais, às empresas proprietárias de redes de autoatendimento e às instituições financeiras.

Pix Saque

O Pix Saque permitirá que os clientes de qualquer instituição participante do sistema realizem saque em um dos pontos que ofertar o serviço.

Estabelecimentos comerciais, redes de caixas eletrônicos compartilhados e participantes do Pix, por meio de seus serviços de autoatendimento próprios, poderão ofertar o serviço. Para ter acesso aos recursos em espécie, o cliente fará um Pix para o agente de saque, em dinâmica similar à de um Pix normal, a partir da leitura de um QR Code ou do aplicativo do prestador do serviço.

Pix Troco

No Pix Troco, a dinâmica é praticamente idêntica. A diferença é que o saque de recursos em espécie pode ser feito durante o pagamento de uma compra ao estabelecimento. Nesse caso, o Pix é feito pelo valor total, ou seja, da compra mais o saque. No extrato do cliente aparecerá o valor correspondente ao saque e à compra.

Limite

O limite máximo das transações do Pix Saque e do Pix Troco será de R$ 500,00 durante o dia, e de R$ 100,00 no período noturno (das 20h às 6h). De acordo com o BC, haverá, no entanto, liberdade para que os ofertantes dos novos produtos do Pix trabalhem com limites inferiores a esses valores, caso considerem mais adequado aos seus fins.

Tarifas

De acordo com o BC, não haverá cobrança de tarifas para clientes pessoas naturais (pessoas físicas e microempreendedores individuais) por parte da instituição detentora da conta de depósitos ou da conta de pagamento pré-paga para a realização do Pix Saque ou do Pix Troco em até oito transações mensais. A partir da nona transação realizada por mês, as instituições financeiras ou de pagamentos detentoras da conta do usuário pagador podem cobrar uma tarifa pela transação.

O valor da tarifa cobrada é de livre estabelecimento pela instituição e deve ser informado ao usuário pagador antes da etapa de confirmação da transação. “Os usuários nunca poderão ser cobrados diretamente pelos agentes de saque”, destacou a instituição.

O BC explica ainda que os quatro saques tradicionais gratuitos realizados pelo usuário fora do âmbito do Pix Saque e Pix Troco podem ser descontados da franquia de gratuidades (oito por mês). Ou seja, se o usuário realizar um saque da sua conta, sem ser por meio do Pix Saque ou Pix Troco, esse saque poderá ser contabilizado e sua franquia de gratuidades poderá ser reduzida de oito para sete, a critério da instituição.

Para o comércio que disponibilizar o serviço, as operações do Pix Saque e do Pix Troco representarão o recebimento de uma tarifa que pode variar de R$ 0,25 a R$ 0,95 por transação, a depender da negociação com a sua instituição de relacionamento.

Página 1 de 179