Blog da Condessa

Blog da Condessa

Quinta, 14 Outubro 2021 05:00

O protagonismo da arte em MT

Produções sustentáveis e apresentações artísticas marcam 3ª edição da Feira Gaia que acontece no próximo sábado (16.10).

Com caráter itinerante – a fim de revelar e oxigenar espaços culturais da cidade – a 3ª edição da Feira Gaia ocorre neste sábado (16.10), no Museu de História Natural Casa Dom Aquino. Dezenas de stands e apresentações artísticas podem ser conferidas das 16h às 23h. Ativistas do meio ambiente e da cultura indígena de Mato Grosso também tem participação especial. O Ingresso é 1kg de alimento não perecível, que será destinado para a Assembleia Social.

Movidas pela vontade de transformar o meio em que vivem, a artista visual Adriana Milano e a especialista em conexão de negócios Bruna Ângelo assumiram protagonismo social, impulsionando a formação de uma rede que vem crescendo dia a dia.

A feira inclui artistas e empreendedores criativos que apostam na força do coletivo para exibir suas produções pautadas por valores sociais e ambientais a um público consumidor exigente e consciente do peso de suas escolhas. O artesanal e o sustentável são comuns a essas produções. 

Ações paralelas, como de plantio e doações de árvores para a cidade conhecida por suas altas temperaturas e pouca iniciativa do poder público no sentido de mitigar o calor, intercalam as edições da Feira que neste ano, ganha ainda mais força com o incentivo da Lei Aldir Blanc. O projeto da 3ª edição foi aprovado pelo edital MT Criativo da Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Lazer de Mato Grosso.

Bruna conta que o ambiente gera não só bons negócios aos expositores, como também, novos projetos. “Os empreendedores comercializam suas peças, tornam sua marca conhecida e ainda acabam por se conectar a outros projetos. Nossa intenção é estimular também a formação de novos coletivos. Acreditamos no poder da coletividade na construção de um futuro melhor”.

A seu lado, Adriana reforça a premissa da Feira Gaia. “Queremos contribuir para um mundo mais justo, fomentar o empreendedorismo voltado ao desenvolvimento sustentável e promover discussões que vão de encontro às necessidades urgentes de nosso planeta”.

Lançamento

A partir das 16h, o jornalista Lucas Rodrigues lança na Feira Gaia seu segundo livro de contos, intitulado "Mascote do Caos". O livro reúne 30 contos que misturam ficção e realidade, em uma espécie de "cronicontos", cujos personagens variam entre pessoas comuns, celebridades (e subcelebridades) e até objetos - em tese - sem vida.

Ainda, 50% do valor arrecadado no lançamento será destinado à Associação Lunaar, que atua no resgate, cuidado e alimentação de cães e gatos.

Programação oficial

O Museu de História Natural Casa Dom Aquino, equipamento cultural da Secel-MT fica na avenida Beira Rio, 2000, no bairro Porto.

16h - Abertura Oficial da Feira

17h – Participação de Anna Maria Ribeiro, historiadora, etnóloga e escritora

17:15h às 18:15h - Projeto Piano Gente (Dario Scherner).  Piano ao pôr do Sol

18:20h às 18:40h – Participação de Darlene Yaminalo Taukane, do povo Kuiakware (Paranatinga). Ela é formada em Letras pela UNIC e tem Mestrado em Educação Escolar Indígena pela Universidade Federal de Mato Grosso. Coordena o Instituto Yukamaniru de Apoio às Mulheres Indígenas Bakairi e o Projeto Kywagâ que desenvolve linhas de modas indígena do Povo Kurâ Bakairi.

18:40h às 19:20h - DJ Renato Milano

19:20h -  Participação de Cleide Arruda, engenheira florestal, mestre em Ciência Florestal e Ambiental e diretora do Instituto Kurâdomôdo Cultura

19:30 - DJ Renato Milano

20h às 21h - Projeto Elã - DJs Henrique Santian e Paula Dias

21h às 23h - Raul Fortes, Raoni Ricci, Rodrigo Mendes e músicos convidados

Programação Simultânea

Theatro Fúria, com Pericles Anarckos e Carolina Argenta; Coma a Fronteira, com Caio Ribeiro; Spectro Lab Cena, com Douglas Peron e Millena Machado; Projeções fotográficas com imagens de Rai Reis, João Reis, Diogo Diógenes, José Medeiros e Henrique Santian. Também haverá lançamento do livro Mascote do Caos, de Lucas Rodrigues.

 

Secretaria de Assistência Social garante alimento e produtos de higiene. As pessoas que trabalham no local também receberam atendimento médico e odontológico da equipe do Programa AMOR.

Coordenado pela primeira-dama de Cuiabá, Marcia Pinheiro, o trabalho de atendimento realizado pela Secretaria de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência - SMASDH no Aterro Sanitário da capital tem sido de extrema importância para os trabalhadores que buscam seu sustento no local. Além da entrega diária de marmitas, há alguns meses a SMASDH tem feito entregas mensais de cestas básicas e produtos de higiene para as famílias cadastradas. “Humanização é a premissa principal da gestão Emanuel Pinheiro, então não poderíamos fechar os olhos para a situação de vulnerabilidade desta população que trabalha no Aterro Sanitário. Realizamos entregas de marmitas todos os dias e mensalmente as famílias cadastradas recebem uma cesta básica e produtos de higiene, para que possam atravessar este momento tão difícil de pandemia com um pouco mais de dignidade”, disse a primeira-dama.

A senhora Miguelina Gonçalina da Silva,  70 anos, trabalha no Aterro há 8 e foi uma das beneficiadas na última entrega de alimentos e produtos no local, ocorrida recentemente. “Essa ação da Prefeitura de trazer sacolão e produtos de limpeza para gente é uma bênção. O que a gente ganha com o trabalho aqui não dá para comprar esse tipo de coisa. É muito importante mesmo para a gente. Só Deus para recompensar vocês da Prefeitura por isso. Agradeço muito ao prefeito Emanuel Pinheiro, Jesus vai contribuir muito com ele e com sua família. Deus vai iluminar o prefeito na sua carreira, pois é um prefeito maravilhoso. Jesus vai pagar tudo o que ele tem feito por nós. O que não ganhamos aqui, a Prefeitura traz para nós”, agradeceu a idosa.

Deiseane Moraes da Silva, de 27 anos, trabalha com o esposo no Aterro há 9 anos e também agradeceu muito a ajuda da Prefeitura. “Essa doação da Prefeitura é muito boa para nós, ajuda em casa, muitas famílias precisam. Veio em boa hora essa ajuda, também por causa dos produtos de higiene, que estão muito caros. Pelo menos esse material e a cesta básica não vamos nos preocupar em comprar, pois temos que pagar as outras contas ainda”, comemorou.

A coordenadora técnica de Gestão e Políticas Sociais da SMASDH, Patrícia Cavalcante, explicou como funciona o trabalho realizado no Aterro Sanitário. “É uma ação conjunta, com o Ministério Público e a Defensoria Pública para contemplar os trabalhadores do Aterro Sanitário pelo período de 1 ano com entrega de cestas básicas por parte da Secretaria de Assistência Social. Essa iniciativa para esta população intervém direto neste contexto da pandemia, onde muitas pessoas ficaram desempregadas e hoje retiram seu sustento do trabalho no Aterro. Também realizamos o Cadastro Único das pessoas que se encontram no local todas as vezes que a ação acontece. O objetivo é promover a inclusão social, por meio dos serviços socioassistenciais, assegurando os mínimos sociais a essa população. Todas as vezes levamos uma equipe técnica do CRAS, que atendem os cidadãos esclarecendo acerca dos serviços que são disponibilizados na rede da Assistência Social no município. A cada vinda nossa aqui, percebemos que o número de famílias está aumentando. Iniciamos com 279 famílias, hoje temos 371 cadastradas.

 PROGRAMA AMOR

 Na ocasião, a SMASDH contou com a parceria da Secretaria Municipal de Saúde – SMS, por meio do Programa AMOR – Assistência Médica e Odontológica Rural, que atendeu os trabalhadores do Aterro. “As duas equipes do Programa AMOR desenvolveram as ações de saúde a pedido da Assistência Social. Fizemos consultas médicas, distribuição de medicamentos conforme prescrição médica, vacinação com vacinas de rotina, visando captar aqueles pacientes que estão com o seu calendário vacinal ou irregular, bem como orientações e entrega de kit de saúde bucal e toda a gama de procedimentos oferecidos pela atenção básica”, explicou Marcelo Coelho, enfermeiro da equipe 1 do Programa AMOR.

O profissional da saúde enfatizou a importância da vacinação deste público com as vacinas de rotina. “Este é um público que vai gerar bastante resultado. Eles trabalham com resíduos onde podem encontrar perfuro cortantes, resíduos contaminados, que trazem risco de tétano, hepatite e outras doenças. Pela natureza do trabalho deles, que lidam com coisas que podem cortar a mão no vidro ou qualquer coisa do resíduo que pode vir a machucá-los, a vacina oferece essa proteção”, comentou Marcelo.

 

Em 2020, foram registradas mais de 150 mil denúncias.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) divulgou que o Brasil alcançou a marca de 119,8 mil denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes entre os meses de janeiro a setembro deste ano. Os números são do Disque 100. No ano passado inteiro o total de denúncias chegou 153,4 mil.

Em cerca de 66% dos casos, a agressão ocorre dentro de casa (79.872). De acordo com o levantamento, a agressão vem principalmente dos pais:  51.293 das agressões foram praticadas pela mãe e 20.296 pelo pai. O levantamento não especifica o tipo de agressão sofrido. 

"É um número muito alto. Precisamos dar um basta na violência, principalmente contra crianças e adolescentes, que são o futuro da nossa nação. Para vencer essa situação, devemos denunciar os casos, cobrar ação das autoridades responsáveis e conscientizar as famílias”, destaca a ministra Damares Alves.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) tem diversos canais para que qualquer tipo de violência contra crianças e adolescentes possa ser denunciada.

Como denunciar:

O governo federal disponibiliza diversos de canais para atendimento às vítimas do abuso infantil. Entre eles está a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, que funciona por meio do serviço Disque 100 e que conta agora com números no WhatsApp e Telegram (basta apenas digitar Direitoshumanosbrasilbot no aplicativo). 

A Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do governo federal tem uma cartilha com informações sobre abuso sexual. Nela constam informações como os conceitos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, mitos e verdades sobre esses crimes, métodos do agressor e perfil das vítimas.

 

Nesta quinta-feira (14) concorrerão 1.846.3951 bilhetes relativos às compras feitas em setembro.

O Programa Nota MT da Secretaria de Fazenda promove na próxima quinta-feira (14.10), o 13º sorteio neste ano. Serão distribuídos R$ 550.000,00, sendo mil prêmios de R$ 500 e cinco de R$ 10 mil. O sorteio será a partir das 8h30, na sala de reuniões do complexo 3A da Sefaz, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Sefaz e do Governo Estadual.

Nessa edição mensal, concorrem 1.846.395 bilhetes gerados a partir de compras de 303.978 contribuintes cadastrados no programa. Do total geral de bilhetes que concorrem aos prêmios, 10.449 são de bilhetes de passagem eletrônicos (BPEs), que são gerados a partir de compras de passagens de ônibus nas linhas intermunicipais e interestaduais (exceto da Região Metropolitana de Cuiabá).

Este ano já foram realizados nove sorteios mensais e três especiais (Carnaval, São João e Primavera), distribuindo R$ 5 milhões e 700 mil em prêmios para cerca de 9 mil consumidores cadastrados no Programa Nota MT.

O concurso contemplará consumidores que são cadastrados no Programa Nota MT e que solicitaram o CPF na nota em documentos fiscais emitidos entre os dias 1º a 30 de setembro deste ano.

O resultado do sorteio será publicado no site e aplicativo do Nota MT, e nas redes sociais da Sefaz @sefazmt no Instagram e @sefazmatogrosso no Facebook.

Este será o 10º sorteio mensal no ano. O sorteio da próxima quinta-feira será o 36º do Nota MT, desde o seu lançamento em 2019.

 

Abertas inscrições para o 9º Curso de Cuidadores de Idosos. A atividade é gratuita e será realizada em novembro pela plataforma Google Sala de Aula.

Estão abertas as inscrições da 9ª edição do Curso de Cuidadores de Idosos com Demência promovido pelo Núcleo de Medicina Preventiva, Viver Bem da Unimed Cuiabá. A capacitação, pela segunda vez, ocorre de forma virtual. Serão onze vídeos aula, com cerca de 30 minutos cada. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas de 11 a 28 de outubro.

A atividade faz parte do Programa Viver Melhor e visa preparar familiares e cuidadores de idosos, beneficiários da Singular Cuiabana para a lida diária. O curso completo estará disponível na plataforma Google Sala de Aula, a partir do dia 08 de novembro, às 8h.

O participante terá 30 dias para acessar gratuitamente o conteúdo na plataforma. Para isso, o mesmo precisa ter um e-mail Gmail. Podem participar familiares e cuidadores de idosos com algum tipo de demência que sejam clientes da Unimed Cuiabá.

O curso é ministrado por uma equipe multidisciplinar composta por geriatra, enfermeira, nutricionista e psicóloga e aborda temas como: demência e alterações de comportamento, prevenção de lesões, prevenção de queda e adequações do ambiente, dicas de alimentação para o idoso, estímulo ao idoso, orientações quanto ao cuidado na fase inicial, intermediária e avançada do Alzheimer e cuidados paliativos. A última aula será dedicada ao Cuidador (Cuidando do Cuidador), que também precisa de cuidados para manter o bem-estar mental.

A médica geriatra e coordenadora do programa Viver Melhor, responsável pelo curso, Waltyane Poussan, ressalta o crescente número de familiares buscando informações sobre o tema. “A adesão da família está crescendo porque cada vez mais eles querem entender sobre a doença, as formas de prevenir e como lidar com um idoso que já possui algum tipo de demência”, afirma.

SOBRE O CURSO

A ação é coordenada pelo Núcleo de Medicina Preventiva da Cooperativa - Viver Bem, por meio do programa Viver Melhor, que oferece atividades voltadas ao acompanhamento contínuo dos beneficiários com mais de 60 anos. O curso orienta e qualifica os participantes sobre as causas e tratamentos da demência em idosos, além de apresentar dicas práticas para melhorar a qualidade de vida das pessoas que sofrem com a doença.

Mais informações pelos telefones 3612-8848/8849 ou na recepção do Viver Bem, no Edifício Work Tower, na Rua Barão de Melgaço, nº 2754, quase defronte à Unimed Cuiabá.

*Link de inscrição: https://forms.gle/dfdx8TjWSf2TpWuU7*

 

A juíza de Direito Amini Haddad Campos é professora da Universidade Federal de Mato Grosso e coordenadora do Núcleo de Estudos Científicos sobre as Vulnerabilidades da UFMT. Doutora em Processo Civil pela PUC/SP e doutora em Direitos Humanos pela Universidade Católica de Santa Fé, ambas avaliadas com nota máxima e distinção. Mestre em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC/RJ. Em Pós-Doutoramento pela Universidade Salamanca. Especialista em Civil, Processo Civil, Penal, Processo Penal, Direito Administrativo, Constitucional e Tributário. MBA em Poder Judiciário pela FGV-Rio, com estágio e intercâmbio judicial nas Cortes Americanas pelo International Judicial Training Program in Judicial Administration - the Dean Rusk Center/International, Comparative and Graduate Legal Studies of the School of Law and the Institute of Continuing Judicial Education, Universidade do Estado da Geórgia, Athens, Estados Unidos. Graduada e Laureada pela Universidade Federal de Mato Grosso, com a 1ª média geral de toda a instituição. Recentemente, foi eleita presidente da Academia Mato-grossense de Direito (AMD).   A magistrada contribuiu para a implementação das unidades de violência doméstica em todo o Brasil e nas Jornadas da Lei Maria da Penha. “Tenho absoluta certeza que minha visão sobre as políticas de Estado amadureceu e alcançou horizontes mais longínquos após essas oportunidades de diálogos e construção de projetos/programas, junto à diversas instituições.

 Confira a seguir a entrevista na íntegra concedida ao Blog da Condessa.

Blog da Condessa - Quais os seus planos, metas à frente da Academia jurídica?

Amini Haddad - A pretensão é alcançar maior autonomia à Academia Mato-grossense de Direito, na oferta de cursos e participações sociais. De igual forma, almeja-se desenvolver pautas importantes para a sociedade mato-grossense e para o Brasil. Nossa missão é consagrar e nortear ações voltadas ao saber jurídico, orientado por valores (equidade/justiça).

Blog da Condessa - A perspectiva  é desenvolver um trabalho de difusão jurídica no âmbito regional, quiçá nacional?

Amini Haddad - Sim. Com absoluta certeza. Aliás, acredito que a nossa Academia irá contribuir com ações internacionais também. Os membros da Academia Mato-grossense de Direito têm muito a contribuir com o cenário dos debates jurídicos nacionais. São profissionais qualificados e atuantes em várias áreas importantes do Direito, todos com excelência. Temos Magistrados, Promotores de Justiça, Defensores Públicos, Advogados, Procuradores. 

Blog da Condessa - E quanto ao aspecto social?

Amini Haddad - Falar de educação no Brasil exige essa dinâmica de promoção social e desenvolvimento de ações de incentivo à cultura e ao saber. Para mim, sempre foi uma satisfação esse trabalho na dimensão social. Todos que me conhecem sabem que, onde estive, assim o fiz. Há quase 23 anos sou magistrada. Isso move minha alma, meu coração, minha mente e existência. Na qualidade de professora, também sempre me dediquei às ações de interesse público e social.

Blog da Condessa - Há requisitos para fazer parte da Academia Mato-grossense de Direito, para se tornar membro?

Amini Haddad Campos - Sim. É importante se destacar por sua ação e saber jurídico, além de preencher o requisito de conduta ilibada.

Blog da Condessa - Quantos membros fazem parte da Academia?

Amini Haddad - São 20 membros.

Blog da Condessa - Comente, por favor, sobre a história da Academia, a sua implantação em MT, bem como a sua função.

Amini Haddad - A Academia Mato-grossense de Direito foi idealizada por seus fundadores, sob a iniciativa do Dr. Fábio Capilé, atuante personalidade do direito e reconhecido profissional da cultura jurídica nas academias nacionais. São fundadores da AMD: dr. Fábio Capilé, dra. Amini Haddad Campos, dr. Armindo de Castro Junior, dr. Evandro Cesar Alexandre dos Santos e dr. Marcelo Antônio Theodoro. A função da Academia é atuar na construção e desenvolvimento da cultura jurídica (regional, nacional e internacional).

Blog da Condessa - Qual a importância da instituição?

Amini Haddad - A instituição tem sua vocação à promoção dos debates qualificados e hábeis ao desenvolvimento do direito, à projeção do mundo jurídico e também à construção de uma sociedade fundada em uma dinâmica efetiva, onde há consagração dos Direitos Humanos.

Blog da Condessa - A senhora atua há quase 23 anos na Justiça de Mato Grosso. Na sua concepção, qual o sinônimo de Justiça?

Amini Haddad - Pensar justiça requer um olhar de equidade. Precisamos ter em mente que a Constituição Federal é o alicerce do sistema jurídico brasileiro. É ela que dita a concepção de lei, de legislação e das orientações hermenêuticas que devem ser observadas à consagração do ordenamento, bem como à realização da ciência jurídica, em seu desenvolvimento contributivo.

Blog da Condessa - No Judiciário, a senhora implantou a Vara de Violência Doméstica na capital e foi premiada em nível nacional pelos projetos desenvolvidos em defesa da equidade de gênero, como Prêmio Nacional Carlota Queirós. Comente sobre, por favor.

Amini Haddad - Sim. Recebi essa convocação da Desembargadora Shelma Lombardi de Kato, também fundadora da International Association of Women Judges - IAWJ. Ela foi minha professora na UFMT e conhecia a minha pretensão e coração, bem como compromisso fiel de servir à Justiça. Assim, tive essa oportunidade de contribuir para a implementação das unidades de violência doméstica em todo o Brasil. Foi um grande aprendizado na minha vida e uma imensa honra estar ao lado de tantas pessoas devotas às políticas judiciárias pró-equidade. De igual forma, fui convocada pela então Presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça, Ministra Ellen Gracie Northfleet a contribuir nas Jornadas da Lei Maria da Penha. Tenho absoluta certeza que minha visão sobre as políticas de Estado amadureceu e alcançou horizontes mais longínquos após essas oportunidades de diálogos e construção de projetos/programas, junto à diversas instituições. Quanto ao Prêmio Nacional Carlota Queirós, ele está direcionado a uma ação voltada a um plano muito maior do que a minha existência. Toda e qualquer premiação sempre recebo em nome de algo que não se resume a mim. Ela pertence à sociedade, às futuras gerações que vão construir horizontes. São valores sociais caros a todos nós. Fico honrada ao perceber que essa missão tem espaço reconhecido.

Blog da Condessa - Percebe, hoje, avanços ou ainda há um longo caminho?

Amini Haddad - Com certeza, avançamos. Mas, ao mesmo tempo, a experiência nos dá a visão do quanto ainda é necessário caminhar. Basta olharmos para as representações nos espaços de poder. Consumimos uma política pública que não decidimos. É importante romper com essa dinâmica impeditiva, quase invisível, mas concreta na vida das mulheres. Estudos realizados em Harvard afirmam o quanto a presença de mulheres, em postos de comando, legitima sonhos nas novas gerações. Fizeram uma pesquisa e colocaram durante um tempo somente diretores masculinos. Ao serem questionadas, as mulheres não se viam naqueles ambientes. Em seguida, passados alguns anos, ao colocarem mulheres em postos de comando, as respostas mudaram diametralmente. As mulheres começaram a destacar a intenção de participar desses cenários, até então não legitimados pela projeção da imagem. Infelizmente, há uma construção de espaços sociais solidificados na ausência do feminino, quando se trata de postos decisórios, de poder. Sobre essa leitura crítica que hoje já me é natural, destaco o quanto foi importante a formação nas instruções da nossa Associação Internacional de Juízas (IAWJ). Participar desse projeto macro fez a diferença nos meus horizontes. Aqui, também agradeço imensamente a duas grandes profissionais do judiciário, que me instruíram e me orientaram. Elas são ícones para mim: a desembargadora Shelma Lombardi de Kato e a desembargadora Maria Erotides Kneip. Minha gratidão é imensa a elas. Gratidão também a estas três mulheres da minha vida: minha bisavó Josephina Schurig Haddad, minha avó Amini Haddad e minha mãe Misudy P. Siqueira Campos. Elas me fortaleceram em alma, mente e coração. E fizeram o mesmo com o meu irmão, Jamilson Haddad, também honrado magistrado em Mato Grosso. Aqui, registro a minha satisfação de hoje fazer o mesmo com os meus filhos, Natálie (20 anos) e Tales Mateus (17 anos), ao lado do meu companheiro, há mais de 22 anos, Joelson de Campos Maciel (Promotor de Justiça e Diretor-Presidente da Fundação Escola Superior do Ministério Público). Sim, temos construído o que acreditamos deva ser sinônimo de família: respeito e amor.

 

Domingo, 10 Outubro 2021 20:28

O mundo mágico do passado

Exposição Vale dos Dinossauros é aberta no Parque Bernardo Berneck em Várzea Grande. Evento educacional e cultural marca as festividades do Dia das Crianças e de Nossa Senhora Aparecida.

No coração do Centro Ecológico de Recreação e Lazer Parque Bernardo Berneck de Várzea Grande foi aberta a exposição “Vale dos Dinossauros”, onde foram instaladas 11 réplicas das mais importantes espécies de dinossauros encontradas pela arqueologia mundial. Entre elas estão o dinossauro Chapadense (Pycnonemassaurus nevese) encontrado na região de Chapada dos Guimarães e o Uberabatitan Ribeiror, o maior dinossauro do Brasil descoberto em Minas Gerais.

A exposição que comemora o Dia das Crianças e da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, acontece justamente na semana que no Maranhão foi descoberto um fóssil de dinossauro. A descoberta está sendo apontada como uma das mais importantes da ciência.

A abertura da exposição ocorreu com a presença do prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat, da primeira-dama e promotora de Justiça, Kika Dorilêo Baracat, vereadores, secretários municipais, visitantes e alunos da Rede Municipal de Educação e está aberta a população até o final do mês de outubro e marcam não apenas as festividades das crianças como desperta a atenção delas para a questão ambiental, já que o Parque Berneck é uma das maiores áreas de preservação ambiental urbana do Brasil.

 O Vale dos Dinossauros foi montado com intuito de oferecer lazer a população do município e de conhecimento educacional. O projeto foi viabilizado pelas secretarias municipais de Educação, Cultura, Esportes e Lazer - SMECEL e Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável – SMADRS e conta com a Parceria do Governo do Estado de Mato Grosso, da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e pelo Instituto Mato-Grossense de Desenvolvimento Humano – IMTDH.

A criação e execução é do Instituto Mato-grossense de Desenvolvimento Humano. Até o dia 28 de outubro, todas as escolas municipais estarão visitando a exposição guiada por professores das áreas de Ciências, Geografia e Meio Ambiente.

O prefeito de Várzea Grande, Kalil Baracat agradeceu a parceria com o Governo de Mato Grosso e a Assembleia Legislativa e do Instituto Mato-grossense de Desenvolvimento Humano. “Estamos no mês das crianças e a exposição é muito focada no público infantil e no lazer de toda a família. O parque é um lugar aconchegante e a exposição é mais uma alternativa de lazer e de oportunidade para que as crianças conheçam um pouco da história dos animais pré-históricos”, concluiu.

Ele lembrou que no momento de pandemia que assola o Planeta, desenvolver relações sociais mais próximas onde todos se respeitam é a demonstração mais clara de que a vida segue e vai se constituir com um novo normal, respeitando normas, mais reafirmando o conceito brasileiro de viver em comunidade, frisando ainda a importância do Parque Berneck que em parceria com a Assembleia Legislativa se tornou um dos polos de vacinação contra a COVID- 19 mais eficientes e de resultados positivos.

O vice-prefeito, José Hazama lembrou como fundamental a integração da Administração Municipal com a população frisando que eventos como estes despertam o conhecimento das pessoas, reforçam as políticas públicas e assinalam pela boa relação.

“Uma gestão não é feita apenas de grandes e importantes obras, mas de ações sociais, educacionais e que despertam valores nas pessoas”, disse José Hazama sinalizando que Várzea Grande sempre foi conhecida pelos eventos realizados e principalmente pela forma de atender as pessoas apesar dos problemas que existem e que estão sendo resolvidos com trabalho e determinação.

A história dos dinossauros tem sido contada e comprovada pela arqueologia em todo o mundo através dos vestígios materiais como fonte documental. “No meio escolar, possibilita o desenvolvimento de atividades voltadas para a sensibilização de alunos e professores sobre a importância do conhecimento do mundo material e do mundo das imagens como parte fundamental do processo educativo”, comentou o secretário de Educação, Cultura, Esportes e Lazer de Várzea Grande, Sílvio Fidelis.

Em cada uma das 11 réplicas instaladas na exposição é mencionado o nome da espécie, data em que foram encontrados os vestígios e a era em que existiram na Terra. Os dinossauros são animais que viveram em nosso planeta há milhões de anos. Entre os organismos que existiram no passado e que temos registro de sua ocorrência, com certeza, os dinossauros são aqueles que mais impressionam crianças, jovens e adultos”, explicou a pedagoga de educação infantil do programa Escola em Tempo Ampliado, Taiane Barros Ferreira Leite. Parte desse interesse é devido ao tamanho de algumas espécies desses animais, assim como a ferocidade de alguns deles.

A professora comentou ainda que o estudo dos objetos como um vetor para a compreensão das transformações da vida do homem ao longo do tempo propicia a vivência de processos investigativos e contribui para a manutenção da curiosidade infantil inata como elemento motivador da aprendizagem.

Durante a abertura da exposição Vale dos Dinossauros as crianças observavam atentas a réplica do dinossauro chapadense (Pycnonemassaurus nevese) que viveu há 70 milhões de anos, durante a era Mesozóica, no período Cretáceo, na região onde hoje está localizada Jangada Roncador, no município de Chapada dos Guimarães. O animal tinha 15 metros de comprimento, cerca de 4 a 6 metros de altura e tinha um peso estimado entre 15 a 18 toneladas. Conhecido também como dinossauro de mata fechada, tinha dentes muito afiados.

O secretário de Meio Ambiente de Várzea Grande, Celio dos Santos, responsável pelo funcionamento do Parque Municipal Bernardo Berneck enfatizou que a unidade de conservação é a maior do município (28 hectares de mata nativa do cerrado) e possui atividades de lazer para toda a população. “É um espaço para toda a família”, anunciou.

A exposição Vale dos Dinossauros estará aberta ao público todos os dias, das 17h30 às 19h00 e no sábado, domingo e feriados das 07h30 às 19h00. A entrada é gratuita.

 Serviço: Exposição Vale dos Dinossauros

- Local: Parque Bernardo Berneck - Avenida Governador Júlio Campos, S/N entre bairros - Jardim Paula I, Várzea Grande – MT

- Horário de funcionamento: Todos os dias das 17h30 às 19h00 e no sábado, domingo e feriados das 07h30 às 19h00.

A entrada é gratuita.

 

Segunda, 11 Outubro 2021 05:00

O Jardim Aquícola

Tecnologia usa plantas para reutilização de água em tanques de peixes. Matéria orgânica da água serve como nutriente para as plantas.

 Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Instrumentação (Embrapa Instrumentação), em São Carlos (SP), desenvolveram tecnologia de tratamento de água sem utilização de produtos químicos, usando apenas o cultivo de plantas para reduzir a matéria orgânica da água.

Uma miniestação, chamada de Jardim Aquícola, trata efluentes de viveiros de peixes que contém excrementos, restos de ração não consumida, algas e micro-organismos, e reaproveita os nutrientes na água para a produção de plantas ornamentais, como os copos-de-leite, típicas de ambientes mais úmidos.

O cultivo das plantas funciona como um filtro, já que elas se alimentam dos compostos orgânicos e, assim, acabam deixando a água mais limpa.

De acordo com a Embrapa, a tecnologia se destaca dos métodos convencionais pelos baixos custos relativos de construção e operação, fácil manutenção, baixo consumo de energia, além de dispensar a necessidade de produtos químicos e reduzir a matéria orgânica dissolvida e em suspensão.

A água tratada pode retornar para o tanque de produção aquícola - organismos aquáticos. Com o método, seria possível não apenas reduzir a pegada hídrica da piscicultura, que é o volume total de água utilizado no ciclo de produção, como levar maior sustentabilidade ambiental e econômica à produção de flores como o copo-de-leite.

“A combinação de processos físicos e biológicos que compõem o sistema de tratamento possibilita uma melhoria acentuada na qualidade da água a ser tratada, sem a utilização de produtos químicos. Possibilita ainda o reuso da água tratada nos próprios tanques de produção, auxiliando o uso racional do recurso natural”, disse o pesquisador Wilson Tadeu Lopes da Silva, que lidera o projeto.

O pesquisador explicou que “a utilização de plantas para o tratamento dos efluentes é essencial para o funcionamento do jardim, pois as raízes das macrófitas proporcionam uma superfície para que os filmes microbianos possam se estabelecer”.

Segundo a Embrapa, se o manejo em tanques de produção de peixes não for adequado, a água descartada, sem tratamento, pode ser um problema já que é rica em matéria orgânica. A água nessa condição, ao ser lançada em um rio, pode reduzir a disponibilidade de oxigênio no local e levar à redução das taxas de crescimento de peixes nativos daquele corpo d’água ou até à mortalidade deles.

 “A proposta do Jardim Aquícola vai ao encontro das recomendações preconizadas pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), de que a adoção de boas práticas na criação de peixes evita impactos ambientais. O reuso da água é uma delas”, divulgou a Embrapa. O estudo teve a participação de estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Além da redução de matéria orgânica, o Jardim Aquícola foi projetado de modo a receber um sistema simples de oxigenação da água tratada, em forma de pequenas quedas d´água em série. Essa oxigenação faz com que a água possa abrigar peixes novamente. Silva ressalta que o oxigênio dissolvido na água é uma variável importante na criação de peixes.

“O problema da deficiência de oxigênio dissolvido em tanques de criação de peixes de água-doce se apresenta como uma grande ameaça e um dos fatores limitantes da aquicultura intensiva, porque o esgotamento do oxigênio dissolvido compromete o crescimento e a produção dos peixes”, disse o pesquisador.

Segundo a Embrapa, os resultados laboratoriais obtidos após análises dos principais parâmetros indicativos da qualidade da água - como turbidez, temperatura, oxigênio dissolvido, pH, amônio e demanda bioquímica de oxigênio - apontam essa tecnologia como “uma ferramenta promissora” no tratamento de efluentes da piscicultura.

Diante desses resultados, a tecnologia entrou na fase de prospecção de parceiros para a aceleração e finalização de seu desenvolvimento, com a finalidade de produção e exploração comercial.

 

Segunda, 11 Outubro 2021 05:00

‘Cantigas de roda na primeira infância’

Encontro virtual integra celebrações ao Dia da Criança.

 ‘Cantigas de roda na primeira infância’. Esse é o tema escolhido para o encontro virtual promovido pela Secretaria Municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência  - por meio do Programa Criança Feliz – a ser realizado na próxima quinta-feira (14), a partir das 14 horas.

O evento foi desenvolvido para celebrar o ‘Dia das Crianças’ (12 de outubro) onde as famílias beneficiárias foram estimuladas a produzirem vídeos com as crianças com uma música escolhida pela família, mostrando a sua habilidade na dança infantil e a cantiga que mais gosta de ouvir.

As cantigas representam um patrimônio sociocultural inestimável, passam de geração a geração de forma oral, fortalecem o vínculo afetivo entre a criança e a pessoa que canta para ela. “O objetivo dessa ação é fortalecer ainda mais o vínculo famílias, sendo essa uma das premissas do programa. A forma lúdica é ideal, onde por meio da música, as crianças descobrem habilidades desconhecidas e que precisam ser incentivadas para contribuir com o desenvolvimento dos pequenos”, disse a coordenadora do programa Criança Feliz em Cuiabá, Michelle Machado.

 As unidades dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) envolvidas são dos bairros Jardim Araçá, Novo Colorado, CPA, Jardim União, Pedregal, Planalto, Pedra 90 e Nova Esperança.

 A atividade será dividida em dois momentos, o primeiro vídeo será a dança da criança beneficiária do Programa Criança Feliz. Já o segundo, com o depoimento do cuidador (a), ressaltando a importância da cantiga de roda na vida da criança.

 “Pedimos que o cuidador crie um ambiente descontraído com brinquedos, ursos de pelúcia no chão, caso seja possível, para ilustrar o momento da dança para o dia das crianças. A música também é uma das formas mais bonitas e divertidas para a criação de vínculos, principalmente o materno, pois ouvir a voz da mãe é de suma importância para o bebê, tendo propriedades terapêuticas e, comprovadamente, reduz a quantidade de cortisol (hormônio do estresse) na saliva do bebê. A partir do 5º mês, mesmo no útero materno, o bebê reage e reconhece a voz materna”, detalhou a coordenadora.

 Cientificamente, é comprovado o poder do estímulo musical para o desenvolvimento neurológico das crianças: aquelas familiarizadas com canções desde muito cedo são capazes de se desenvolver mais rapidamente, como aprender a ler e a escrever. Isso acontece porque, até os dois anos de idade, são formados, no cérebro humano, as conexões neuronais mais importantes de toda a vida. “Hoje, com a quantidade imensa de tipos de brinquedos, filmes e desenhos infantis, esse momento de cantoria acaba quase inexistindo, situação que, para as gerações anteriores era bastante inerente, pois desde tempos imemoriais, as mamães, tias e avós cantam para os bebês”, finalizou.

 Em Cuiabá, as ações do Programa Criança Feliz foram implementadas por meio do Plano de Ação da Secretaria Municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência. Foram executadas diversas ações, sendo essas planejadas nos mais diferentes setores, mantendo um diálogo conjunto entre instituições parceiras com a finalidade de ampliar e divulgar os trabalhos realizados pelo Programa Criança Feliz no município de Cuiabá.

 O último quantitativo aponta que a iniciativa do Governo Federal contempla 751 beneficiários, sendo 707 crianças de 0 a 3 anos, 34 gestantes e 10 crianças de 0 a 6 anos beneficiárias do BPC - Benefício de Prestação Continuada.

O programa é executado nas unidades dos Centros de Referência de Assistência Social- CRAS, nos bairros Jardim Araçá - CPA - Jardim União - Pedregal - Planalto - Pedra 90 - Nova Esperança.

PROGRAMA CRIANÇA FELIZ-

O Programa Criança Feliz é uma importante ferramenta de entrosamento entre a Rede, pois para realizar o atendimento às famílias beneficiárias do programa, a equipe de colaboradores deve estar totalmente inteirada dos programas e serviços ofertados pelo CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e Rede, e vice versa, proporcionando conhecimento e interação de qualidade em prol dos principais objetivos do programa: o desenvolvimento infantil e fortalecimento do vínculo familiar.

 

Domingo, 10 Outubro 2021 05:00

“Escrevendo o Futuro”

Mato Grosso tem nove semifinalistas na Olimpíada de Língua Portuguesa. Oficinas para escolha dos finalistas iniciam no dia 13 de outubro e seguem até o dia 13 de novembro.

Mato Grosso tem nove representantes (turma e professor) ,  sendo cinco da rede estadual de ensino na etapa semifinal da 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, que selecionou um total de 210 participantes em todo o país.

Os representantes são das cinco categorias: artigo de opinião, crônica, documentário, memórias e poemas. As oficinas para escolha dos finalistas iniciam no dia 13 de outubro e seguem até o dia 13 de novembro.

Pela rede estadual, representam Mato Grosso, na categoria opinião, as professoras Cinthia Angelica da Silva Alves (EE Estadual São José do Rio Claro) e Maria Gorete Cogo da Silva (EE São Francisco de Assis, de Aripuanã).

Na categoria documentário, Maria Gorete também foi selecionada, junto com Sandra Cristina Buchelt (da EE Militar soldado PM Adriana Morais Ramos, de Lucas do Rio Verde).

Ao saber que tinha sido classificada em duas categorias, Maria Gorete se sentiu feliz e valorizada, pois é a primeira vez que a escola consegue ser promovida para essa etapa em duas categorias.

A professora ressalta que a pandemia dificultou o trabalho com os alunos, pois neste ano, nem todos participaram. Para isso teve que inovar fazendo as aulas online. “Os alunos que participaram, mostraram o máximo de empenho. A pandemia, por mais paradoxo que possa parecer, foi uma motivação extra”, frisa.

Memórias e crônica

No gênero memórias, foi selecionada Márcia Cristina Fassbinder Zonatto (EE Angelina Franciscon Mazutti, de Campos de Júlio) junto com  Juraci Soares da Silva (Escola Municipal Nair Barbosa de Souza, de Novo Santo Antônio).

Na categoria crônica, quem representa o Estado é Elizandra Alves Pereira da Silva Souza (Escola Municipal 4 de julho, de Campo Novo do Parecis). No gênero poema, Bárbara Beatriz Vaz (E.M. Rita Auxiliadora Campos Cunha, de Várzea Grande) e Carla Alves Batista Fontana (E.M. Santa Helena, de Chapada dos Guimarães).

Segundo Criseida Rowena Zambotto de Lima, representante da rede estadual de Mato Grosso no Consed, os semifinalistas (alunos e professor) de cada categoria participam de um curso de formação online durante quatro dias.

“Tratam-se de formações para fomentar a leitura e a escrita, por categorias durante uma semana. São nessas oficinas que serão definidos os finalistas”, assinala.

O Programa da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro (Olimpíada) é uma iniciativa do Itaú Social, com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), além de parcerias com o Consed e Undime.

 

 

Página 2 de 166