Blog da Condessa

Blog da Condessa

Quarta, 06 Outubro 2021 09:48

Várzea Grande avança na vacinação

Kalil anuncia dose de reforço para idosos e trabalhadores da saúde e vacina para jovens de 12 a 14 anos sem comorbidades.

Várzea Grande iniciou hoje, 6 de outubro, a vacinação da dose de reforço dos profissionais da Saúde e de idosos de 60 anos acima, ambos os casos com pessoas com mais de 180 dias de imunizados com a segunda dose, e também jovens de 12 a 14 anos sem comorbidades, lembrando que desde o mês de setembro, idosos de 70 anos acima e jovens de 12 a 17 anos com comorbidades e de 15 a 17 anos sem comorbidades já estão sendo vacinados e elevaram os percentuais de vacinados para 88% com uma dose e 70% com duas doses.

“Vamos seguir avançando porque temos planejamento e que tem demonstrado resultados”, disse o prefeito Kalil Baracat sinalizando que mesmo com a decisão do Governo do Estado em revogar as medidas sanitárias adotadas desde 2020, Várzea Grande vai agir com cautela e com os cuidados que a pandemia da Covid- 19 exigem e são defendidas em todo mundo por médicos e cientistas, “pois estamos falando em vidas humanas”, asseverou.

Kalil comemorou o fato de entre os dias 27 de setembro e 2 de outubro, Várzea Grande não ter noticiado nenhum óbito por Covid-19, em seis dias seguidos e assinalou que este tipo de resultado que interessa a Administração Municipal, mas não como número a ser comemorado, mas sim como estímulo em busca de debelar e controlar a doença.

O prefeito enalteceu o empenho e dedicação de todos os trabalhadores da área de saúde e frisou que ainda em agosto passado encaminhou ao Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde solicitação para que estes profissionais recebessem a dose de reforço, “pois assim como os profissionais da segurança pública e da Educação fazem a linha de frente no atendimento a população”, explicou.

Hoje (6/10) das 8 até as 16 horas no Ginásio Poliesportivo Júlio Domingos de Campos em sistema ponto fixo e das 16 às 22 horas no Parque Berneck em sistema Drive Thru, acontece a vacinação dos profissionais de saúde e idosos já cadastrados que não necessitam de um novo cadastramento para receberem a dose de reforço e os jovens de 12 a 14 anos sem comorbidades que necessitam de cadastro para validarem seu direito a vacinação serão vacinados.

“Estamos trabalhando com planejamento que tem obtido resultados mais do que expressivos, bastando ver o percentual de imunizados, mas novas metas foram estipuladas pelo prefeito Kalil Baracat e estamos perseguindo as mesmas para que a população se sinta segura de que o que existe em termos e saúde, prevenção e combate a Covid- 19 estará a alcance de todos que necessitarem”, explicou o secretário de Saúde de Várzea Grande, Gonçalo Barros.

Ele também enalteceu o empenho e dedicação dos profissionais de Saúde e ponderou que a meta é até novembro atingir mais de 80% da população com duas doses de vacinas e avançar na dose de reforço. “Se não faltar imunizantes, nós iremos vacinar a todos e se possível queremos ainda em 2021 vacinar toda a população de Várzea Grande já pensando no planejamento de 2022, pois a Covid- 19 apesar de demonstrar em números que está sob controle, deverá permanecer entre as pessoas por muitos anos”, segundo a própria ciência e a medicina, discorreu o secretário.

Gonçalo Barros sinalizou que naturalmente, Várzea Grande deve avançar no relaxamento das regras impostas pela pandemia, mas que os ótimos números de vacinados, de queda nos óbitos e de controle não podem ser motivo para se evitar o distanciamento social, o uso de máscara e álcool em gel entre outros meios de biossegurança. 

“Não deixamos de perceber que estes meios de biossegurança evitaram outras doenças como as Síndromes Respiratórias Agudas Graves – SRAG, então vamos nos manter alertas, contando com a participação e cuidado de todos para que a COVID ou qualquer outra doença seja enfrentada e debelada pela Saúde Pública para aqueles que dependem do SUS ou mesmo para aqueles que podem custear tratamentos particulares, mas que precisaram entrar fila da Saúde Pública para receberem a vacina contra a COVID que é um direito de todos e um deve do governo que Várzea Grande faz questão de cumprir”, disse o secretário.

Kalil Baracat sinalizou ainda que Várzea Grande avançou e muito, graças as parcerias formalizadas com os Governos Federal, de Mato Grosso, com a Assembleia Legislativa, com a Câmara Municipal e com parceiros da iniciativa privada. “Encontramos solidariedade não comigo prefeito ou com a administração municipal, mas com a população, com as pessoas que passaram e estão passando por temores de enfrentar uma pandemia desconhecida do mundo, por isso o obrigado da gestão municipal para todo apoio e esforço em busca de uma Várzea Grande melhor e com saúde”, disse Kalil Baracat.

Quarta, 06 Outubro 2021 05:00

‘Feira Gaia’

Bakairis produzem artesanato e peças de algodão orgânico para expor em feira na Capital.Eventos promovidos na região de origem fomentam a comercialização dos produtos produzidos nas aldeias fazendo circular renda entre os indígenas.

Técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) vêm acompanhando e orientando a participação de 10 aldeias indígenas da etnia Bakairi de Planalto da Serra e Paranatinga na participação na Feira Gaia, que  acontece no dia 16 de outubro, no Museu da História Nacional Casa Dom Aquino. O evento é promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e Mato Grosso Criativo, via Lei Aldir Blanc, e tem por objetivo impulsionar a arte, a cultura e o empreendedorismo.

Com a produção a todo vapor, as mulheres pretendem fazer a diferença com a exposição das roupas, bolsas, redes e peças coloridas produzidas do algodão orgânico colorido plantado na região sob assistência técnica. Elas irão trazer ainda o colorido dos artesanatos - dos colares, pulseiras, brincos, cocar, além das pinturas corporais.

O extensionista da Empaer José Carlos Pinheiro da Silva explica que os trabalhos das produções das peças vem sendo desenvolvido há meses. Ele destaca que o público ficará encantado com o que será apresentado. Estará presente na Feira Gaia uma representante por aldeia, um cacique, além do extensionista da Empaer.

“Este é o segundo evento que participamos este ano. O primeiro foi na cidade de Nova Brasilândia com o patrocínio do Sicredi. Na Feira Gaia por ser na Capital vamos fazer a diferença e levar o melhor do povo Bakairi”.

Segundo José Carlos, de 04 a 06 de novembro será realizado em Paranatinga a 1ª Expoindígena também com patrocínio da cooperativa de crédito e apoio da Prefeitura, Secretaria de Cultura e Câmara Municipal. “Este ano vamos fechar com a participação em três eventos que oportunizaram expor os produtos produzidos nas comunidades indígenas que geraram renda e fomentaram a circulação dos produtos entre as aldeias”.

O próximo passo é o desenvolvimento de um site para auxiliar na venda das peças produzidas nas aldeias. Todo procedimento vem sendo acompanhado pela equipe da Empaer junto ao cacique. A Empaer na região assiste 900 indígenas, por meio das regionais de Nova Brasilândia, Planalto da Serra e Paranatinga.

 

 Dependência de redes sociais prejudica micro e pequenas empresas.

Se há algo positivo que pode ser extraído do apagão que tirou do ar, no último dia 4 por sete horas, as redes sociais do Facebook, é a necessidade de empresas terem um plano B para evitar – ou, pelo menos, amenizar – transtornos como os ocorridos. É o que apontam entidades que atuam em defesa de micro e pequenos empresários, consultadas pela Agência Brasil.

Sem ainda conseguir mensurar o quanto, em termos de prejuízos, o apagão do grupo, que abrange Facebook, Instagram e WhatsApp, causou, tanto o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) como a Confederação Nacional das Micro e Pequenas Empresas e dos Empreendedores Individuais (Conampe) avaliam que a falha foi bem prejudicial para empreendedores que dependem dessas redes para se comunicar.

De acordo com a nona pesquisa O Impacto da pandemia de coronavírus nos Pequenos Negócios, 70% dos pequenos negócios vendem online, conforme informa o especialista em negócios digitais do Sebrae, Ivan Tonet. Desse total, 84% se comunicam via WhatsApp; 54% via Instagram; e 51% pelo Facebook.

“Pequenos negócios dependem dessas redes sociais para divulgação e relacionamento com os consumidores”, explicou Tonet ao apresentar os dados da pesquisa. Segundo ele, os negócios dos setores de varejo e serviços, que comercializam diretamente para o consumidor final, “são mais impactados quando canais de relacionamento direto com o público saem do ar”.

Perplexidade

Presidente do Conampe, Ercilio Santinoni disse que “todos os pequenos negócios sofreram com o problema de apagão”, e que as micro e pequenas empresas “foram muito atingidas”, uma vez que, de forma geral, a imensa maioria utiliza o WhatsApp para comunicação e Facebook e Instagram para divulgar seus produtos e serviços.

Diante da situação, a solução, ainda que paliativa, foi a de buscar outros canais para restabelecer a comunicação. O problema é que nem todos tinham um “plano B” para essa situação.

A alternativa então encontrada para manter “algum contato com fornecedores e consumidores” foi, segundo o especialista do Sebrae, intensificar o uso de e-mail, ligações telefônicas e outras redes sociais.

“Assim como a maioria dos usuários, a constatação da pane gerou perplexidade e, depois, a tentativa de minimizar os impactos, voltando ao SMS, tentando Telegram, fazendo ligações telefônicas, buscando vencer a barreira do silêncio e isolamento imposto pelo bug”, acrescentou o presidente do Conampe.

Plano B

Ercilio Santinoni disse que, de forma geral, “não havia plano B, o que deixou evidente a necessidade de se trabalhar nessa direção”. “Com certeza os prejuízos foram imensos. Muitas microempresas e MEIs ficaram isolados e até paralisados. Nos serviços, por exemplo, muitas solicitações feitas não foram atendidas, pois se perderam, o mesmo ocorrendo com vendas de produtos”.

Ele explica que “mentores” da Escola de Marketing Digital da Conampe criaram alguns conteúdos com conselhos aos empresários dos pequenos negócios, que podem ter ajudado muitos a evitar uma situação ainda pior.

Dicas

Entre as dicas sugeridas pela Conampe, está a de as empresas se organizarem e desenvolverem planejamento visando maior número de canais de comunicação e relacionamento com o cliente, de forma a evitar situações em que fiquem “reféns do trio Face-Insta-Zap”.

Nesse sentido, a entidade apresenta um passo-a-passo visando à criação de um “plano de presença online”.

“Tenha um site. Um site é algo seu, onde você tem total domínio. Se não tiver como investir em um, existem alternativas gratuitas que você pode colocar no ar você mesma, e depois investir em um mais profissional. Vale também blog e loja online”, sugere a entidade.

Ainda entre as dicas da Conampe está a de as empresas se colocarem em outras redes sociais e no Google, em especial por meio da rede social de baixa manutenção Google Meu Negócio, que é gratuita.

“Se você já explora o formato de Reels no Instagram por exemplo, você pode aproveitar os mesmos vídeos para o Tik Tok, Kawaii e até Youtube, que agora tem um novo formato para vídeos curtos (YouTube Shorts)”,a crescenta.

A Conampe sugere também que o empreendedor tenha em mãos um sistema de gestão de clientes. “Nem que seja seu próprio processo, guardando suas informações numa planilha ou na hipótese mais simples, em um caderno para este fim. Lista de e-mails também são muito utilizadas ainda”.

Redes sociais concorrentes

Ivan Tonet, do Sebrae, lembra que “outras redes sociais acabam crescendo em momentos de instabilidade das concorrentes”. “Foi assim em situações passadas e deve ter sido assim também nesse momento. O importante é o empreendedor não ficar refém apenas um canal de comunicação e, neste caso, até de um grupo empresarial”, disse.

“Atuar em mais de uma rede social, bem como montar um cadastro de clientes com telefone e e-mail são alternativas que podem ajudar em um momento como este ou até mesmo [em casos] de sequestro da conta por algum hacker”, acrescenta.

A exemplo da Conampe, o especialista do Sebrae sugere que os pequenos negócios avaliem a possibilidade da criação de um site institucional, loja virtual ou atuação em marketplaces e apps. “Essa diversificação de canais permite ampliar acesso ao público consumidor e ficar menos exposto ao risco da atuação concentrada em um canal de vendas”.

 

Quarta, 06 Outubro 2021 05:00

"A Arte de Recomeçar"

Autora divide sua dolorosa trajetória de dor e superação em obra.

Não há como não se emocionar com a narrativa autobiográfica de Débora Calix na obra "A Arte de Recomeçar", primeira incursão profissional da autora no universo da literatura. Com selo da Editora YesBook, a publicação mostra uma trajetória de muita coragem para modificar uma existência marcada pela luta para alcançar seus objetivos, a dor e o assédio.

No livro, Débora divide com o leitor sua trajetória de vida, a travessia de lutas por seus objetivos e a dor do assédio. Ela, também, fala sobre os preconceitos que vivenciou durante a vida e narra toda a sua caminhada até aqui nesta obra, que será lançada no próximo dia 07 de outubro, no térreo do Goiabeiras Shopping.

Vinda do interior, criada numa família religiosa e com princípios rígidos, até a conquista de uma vida idealizada, Débora não omite nada neste livro, abre o coração e conta sua trajetória de vida. Na obra, ela relata os desafios que teve que enfrentar. Um casamento que tinha tudo para ser um conto de fadas e se mostrou um pesadelo acompanhado pelo assédio, a falência e a depressão.

O livro

 Uma história de coragem e superação, traz ainda exercícios práticos para que você leitora descubra e conquiste suas metas. Comentários e reflexões sobre a Lei Maria da Penha e a vida durante a pandemia também são abordados. No livro, Débora dá exemplos de situações que experimentou e de onde saiu vitoriosa ao mobilizar sua força interior.

Uma obra que certamente vai cumprir o papel de ajudar e apoiar muitas leitoras que enfrentam a parte difícil da vida.

"Desafiar limites para atingir os resultados desejados é o meu propósito de vida, e, foi com esse espírito que escrevi ‘A arte de recomeçar – uma história de coragem e superação’. Sou uma leitora ávida desde a infância. Neste meu primeiro livro, conto minha história e compartilho com os leitores as descobertas para o caminho da superação e do renascer para uma nova vida", frisa a autora.

Sobre a autora

Débora Calix é graduada em Administração e Direito, inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. Atua hoje como empreendedora digital, ensinando mulheres a se profissionalizar e ter seu próprio ganho através do Marketing Digital.

Serviço

A obra literária será lançada no dia 07 de outubro, a partir das 18h, no térreo do Goiabeiras Shopping

Instagran- @deboracalix

 

Terça, 05 Outubro 2021 19:03

Telessaúde: uma prática que virou rotina

Cresce número de pacientes que optam pela Telemedicina. O novo formato agrada pela funcionalidade e registra mais de cinco mil atendimentos em um ano e quatro meses de atuação.

A pandemia acelerou muitos processos de inovação e tecnologia na área da saúde. Entre os grandes feitos que vieram para ficar está a telessaúde, uma prática que, no último ano, virou rotina e merece destaque pelas vantagens que proporciona ao paciente. No ápice da pandemia da Covid-19 a Unimed Cuiabá implantou o Telemedicina Ambulatorial, ofertando consultas especializadas com o distanciamento e proteção necessária ao momento. 

Definido como exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde, a telemedicina tem se tornado uma opção cada vez mais atrativa aos beneficiários dos planos Unimed Cuiabá. 

O novo formato agrada pela funcionalidade e registra mais de cinco mil atendimentos em um ano e quatro meses de atuação. São contemplados com o atendimento todos os clientes Unimed Cuiabá, que abrange 17 municípios mato-grossenses.  

Muitos beneficiários ainda desconhecem a novidade ou tem receio de testá-la, enquanto quem já viveu a experiência garante que a ideia é válida. 

O consultor de vendas Jeferson Carlos da Silva, 28 anos, conta que sua primeira experiência no atendimento via Telemedicina Ambulatorial ocorreu este ano. Ele precisava fazer um check-up e devido à pandemia não queria ir até um ambiente hospitalar. “Confesso que não conhecia esse serviço oferecido pela Unimed Cuiabá, até que uma amiga da minha esposa indicou e assim marquei a consulta. A ligação foi feita no horário combinado, sem atrasos. O médico foi muito prestativo e atencioso. Sem dúvidas é uma excelente via de atendimento a qual pretendo utilizar mais vezes e indico a outros usuários do plano”, afirmou. 

Outra paciente que utilizou e aprovou o atendimento foi a Sra. Hercília França. Ela narra que já realizou três consultas e que em todas obteve o cuidado e humanização da Unimed Cuiabá. “Gostei muito do atendimento, por isso busquei novamente. É uma plataforma dinâmica e muito vantajosa que deve continuar”, relata. 

“Como toda novidade pesa sobre o Telemedicina muitos desafios, principalmente barreiras socioculturais. O que temos de concreto é que a plataforma existe, já faz parte da realidade de muitos clientes e trata-se de um caminho sem volta. Diante disso a Unimed Cuiabá tem fomentado melhorias e a busca por diferenciais que possam agregar de forma positiva”, explica o diretor-presidente da Cooperativa, dr. Rubens Carlos de Oliveira Júnior. 

ESPECIALIDADES E AGENDAMENTO 

São ofertados atendimentos nas especialidades de Clínica Médica, Infectologia e Medicina de Família e Comunidade. O agendamento das tele consultas é feito por telefone  3319-3500, via CHAT (clique AQUI https://www.unimed.coop.br/site/web/cuiaba/chat ), ou ainda, pelo WhatsApp 0800 882 0800.

No dia e horário próximo da consulta o paciente recebe um link de acesso para se conectar com o médico.  

 

 Casa de Acolhimento de Meninas de Várzea Grande se torna referência.

Em função da estrutura física e do atendimento diferenciado que coloca à disposição de crianças e adolescentes meninas, em estado de vulnerabilidade social, a Casa de Acolhimento de Meninas - de Várzea Grande - tem sido referência para outros municípios bem como para outros Estados.  

Para conhecer de perto o trabalho realizado na segunda maior cidade de Mato Grosso e sendo acompanhado de perto pela promotora de Justiça e primeira-dama, Kika Dorilêo Baracat, a deputada Maria Betânia Almeida Medeiros, do Estado de Roraima, aproveitando a agenda de trabalho em Cuiabá e Chapada dos Guimarães, resolveu estender a visita também o município de Várzea Grande, para conhecer a Casa de Acolhimento das Meninas que recentemente foi conhecida e apontada como eficiente pela Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Na primeira atualização de um relatório produzido a pedido do Banco Mundial, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) destaca que os casos de feminicídio cresceram 22,2%, entre março e abril deste ano, em 12 estados do país, comparativamente ao ano passado. Intitulado Violência Doméstica durante a Pandemia de Covid-19, o documento tem como referência dados coletados nos órgãos de segurança dos estados brasileiros. 

Feminicídio é o assassinato de uma mulher, cometido devido ao desprezo que o autor do crime sente quanto à identidade de gênero da vítima. Nos meses de março e abril, o número de feminicídios subiu de 117 para 143. Segundo o relatório, o estado em que se observa o agravamento mais crítico é o Acre, onde o aumento foi de 300%. Na região, o total de casos passou de um para quatro ao longo do bimestre.  Também tiveram destaque negativo o Maranhão, com variação de 6 para 16 vítimas (166,7%), e Mato Grosso, que iniciou o bimestre com seis vítimas e o encerrou com 15 (150%). Os números caíram em apenas três estados: Espírito Santo (-50%), Rio de Janeiro (-55,6%) e Minas Gerais (-22,7%).

Em comunicado à imprensa, a entidade novamente torna públicos registros que confirmam queda na abertura de boletins de ocorrência, evidenciando que, ao mesmo tempo em que as mulheres estão mais vulneráveis durante a crise sanitária, têm mais dificuldade para formalizar queixa contra os agressores e, portanto, para se proteger.

A Central de Atendimento à Mulher, conhecida como “Ligue 180”, registrou 1,3 (1.314.113) milhão de ligações em 2019. É o que mostra o balanço divulgado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Os dados apontam que houve, entre 2018 e 2019, um aumento de 7,95% nas denúncias por violência doméstica e familiar (de 62.485 para 67.438). De acordo com o balanço, as violações mais recorrentes do Ligue 180 são referentes à violência doméstica e familiar (78,96%). Desse total, 61,11% são de violência física; 19,85% de violência moral; e 6,11% de tentativa de feminicídio.

Outro dado oficial e que preocupa é de que a violência contra crianças e adolescentes atingiu o número de 50.098 denúncias no primeiro semestre de 2021. Desse total, 40.822 (81%) ocorreram dentro da casa da vítima. Os dados são do Disque 100, um dos canais da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (ONDH/MMFDH). No mesmo período em 2020, o número de denúncias chegou a 53.533.

A maioria das violações é praticada por pessoas próximas ao convívio familiar. A mãe aparece como a principal violadora, com 15.285 denúncias; seguido pelo pai, com 5.861; padrasto/madrasta, com 2.664; e outros familiares, com 1.636 registros. Os relatos feitos para a ONDH são, em grande parte, de denúncias anônimas, cerca de 25 mil do total.

“Tomei conhecimento dessa Casa em função da visita feita pela Ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e da avaliação positiva que ela fez desse lugar. Como tinha agenda de trabalho em Mato Grosso, fiz questão de conhecer essa estrutura, e saio daqui também encantada com esse lugar. Essa casa/abrigo para meninas é voltada para o acolhimento, para esse amor que elas, na maioria das vezes não encontram nos seus lares e vivenciam neste ambiente”, destacou.

A deputada disse ainda que Várzea Grande, e o prefeito Kalil Baracat, estão de parabéns por poder proporcionar a essas meninas a oportunidade de serem acolhidas e assistidas de forma digna e humana. O município tem sido referência, não só em Mato Grosso, mas em todo o país. Eu vim de Roraima para conhecer esse trabalho e assim como a ministra Damares, que elogiou esse local, meus olhos estão também contemplando essa realidade, é tudo muito lindo e as nossas meninas merecem tudo isso”.

A Casa de Acolhimento de Meninas em risco de vulnerabilidade social foi inaugurada em maio deste ano. 

Advogada, Especialista em Direito Público e Docência em Ensino Superior, e Doutoranda em Direito Constitucional (Universidad Jonh F. Kennedy/Argentina), a deputada Maria Betânia Almeida já atuou em diversas funções, entre elas: Ouvidora Geral (ALE/RR); Procuradora Especial da Mullher (ALE/RR); Coordenadora do Centro Humanitário de Apoio a Mulher (CHAME); Presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, da Criança, do Adolescente e Ação Social (ALE/RR), e Secretaria do Partido Verde (PV) de Roraima.  

A secretária de Assistência Social, Ana Cristina Vieira, agradeceu a visita da deputada Maria Betânia de Almeida, e disse que um dos pilares desta administração está focada na assistência aos mais carentes, e esse olhar especial e atento as causas sociais têm sido uma marca da primeira-dama, a promotora de Justiça, Kika Dorilêo, que faz questão de acompanhar os projetos que envolvem o setor.  

“O prefeito Kalil Baracat também tem esse olhar sensível às causas sociais e não tem medido esforços buscar recursos para ampliar projetos sociais em benefícios de crianças, adolescentes, mulheres e idosos do município. E o nosso trabalho enquanto gestora é poder contribuir da maneira possível as que buscam e que de fato necessitam do aporte do poder público”.  

Na ocasião a secretária Ana Cristina convidou a deputada Maria Betânia, na próxima vez que vier a Mato Grosso, para juntas conhecerem outros projetos desenvolvidos em Várzea Grande, como o Caderno II, Mulheres Empreendedoras e o trabalho realizado pelas rederas de Limpo Grande.

A deputada por sua vez agradeceu o convide e disse que virá ao Estado de Mato Grosso com mais tempo e que terá uma agenda mais larga com Várzea Grande para conhecer outros projetos e quem sabe abertura para uma possível parceria.  

Funcionalidade já está disponível no site do Programa Nota MT.

Os consumidores mato-grossenses já podem doar suas notas fiscais por meio do Doe Sua Nota, uma nova funcionalidade do Programa Nota MT, da Secretaria de Fazenda (Sefaz). As doações são direcionadas para entidades sociais escolhidas por cada pessoa, sem necessidade de sorteio. O recurso foi disponibilizado na última sexta-feira (1º/10) no site do Nota MT e estará disponível nos próximos dias no aplicativo para celular – nos sistemas IOS e Android.

As notas fiscais doadas entre 1º de outubro e 31 de dezembro vão fazer parte da campanha “Rasqueado”, a primeira a ser realizada pelo Doe Sua Nota com o total de R$ 500 mil em prêmios. Serão distribuídos R$ 2 milhões por ano, em quatro campanhas.

De acordo com a coordenadora do Nota MT, Ágatha Santana, o Doe Sua Nota visa atingir aquela parte da população que, por questões pessoais, não quer participar dos sorteios ou tem receio de informar o CPF nas notas fiscais.

“O Nota MT é um programa estadual seguro, auditado pela Controladoria Geral do Estado, os dados informados pelos usuários são protegidos pela Lei de Proteção de Dados, então as pessoas não precisam ter receio de pedir o CPF na nota. Mesmo assim, estamos dando mais uma opção para o consumidor de fazer um gesto solidário e doar suas notas fiscais para a entidade da sua escolha”, explica Ágatha.

Para fazer a doação basta solicitar a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) nas compras feitas dentro do estado de Mato Grosso, sem que seja incluída a identificação do CPF ou CNPJ. Depois é necessário acessar o site ou aplicativo do Nota MT, informar a chave do documento fiscal, selecionar a cidade e escolher a instituição social. Pode-se fazer por meio da leitura do QR-Code também.

Outra forma de realizar a doação é presencialmente em pontos de coletas que as entidades disponibilizarão nos estabelecimentos comerciais do estado. Nesse caso, não há necessidade de acessar o site ou aplicativo.

A Sefaz ressalta que somente poderão ser doadas as notas fiscais de consumidor eletrônica cujo valor for inferior a R$ 1.000,00. Isso porque, pela legislação tributária, toda NFC-e acima desse valor deve, obrigatoriamente, conter o CPF ou o CNPJ do comprador.

As notas doadas para cada instituição irão gerar pontos que, ao final de cada período de coleta, serão somados e convertidos em dinheiro que será destinado às entidades escolhidas pelo contribuinte. Por se tratar de pontuação, todas as instituições que tiverem notas doadas vão receber uma parte do prêmio.

Cadastro de entidades

A doação é simbólica e anônima. Além disso, não é necessário ser cadastrado no Nota MT para participar dessa nova funcionalidade. Porém, para a entidade social participar do Doe Sua Nota, ela precisa estar cadastrada no Programa Nota MT para estar apta a receber as doações. Caso ainda não esteja cadastrada no Nota MT, a entidade deve procurar a Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), o setor de Cidadania e Inclusão Socioprodutiva.

 

 Empada Brasil inaugura mais uma loja na capital. Agora no charmoso bairro de Duque de Caxias.

 A empreendedora e gastróloga Renata Miranda abriu a sua segunda loja da Empada Brasil e, com ela, está levando novos sabores para o charmoso bairro de Duque de Caxias, em Cuiabá. A unidade foi inaugurada em uma casa histórica, onde por décadas funcionou o salão do cabeleireiro Ulisses Calhao. Toda a arquitetura tradicional foi preservada e evidenciada com muita elegância pela proprietária, que fez questão de restaurar a porta centenária da casa, bem como os vitrais, mantendo as características originais do local.

 Sempre foi uma vontade de Renata empreender no segmento alimentício e, a princípio, pensou em abrir uma cafeteria, mas acabou sendo envolvida pela qualidade dos produtos da Empada Brasil. Após abrir a sua primeira unidade no Shopping Estação, o segundo passo era ter a tão sonhada loja de rua. "Essa casa é a verdadeira materialização desse sonho. Ela é acolhedora, arejada, arborizada e tem uma energia inexplicável", conta a empreendedora. Renata Miranda disse também que estudou gastronomia para poder se aperfeiçoar na área da alimentação, e assim, ter a oportunidade de combinar duas paixões: empreendedorismo e gastronomia.

 O segredo da Empada Brasil é o sucesso da receita caseira e tradicional, sem deixar de seguir as tendências do mercado, além da variedade de recheios de suas empadas. São mais de 30 recheios diferentes, entre eles a empada de frango, premiada nacionalmente. A gastróloga ressalta ainda que as lojas têm sabores típicos de cada região, como, por exemplo, a empada de frango com pequi e a empada de carne de jacaré. A empadaria também conta com produtos integrais, light/diet e veganos em seu cardápio.

 “A franquia nos dá liberdade para criar. Além das empadas com ingredientes locais, estamos fazendo um francisquito com jatobá que fica perfeito acompanhado de um cafezinho”,  acrescenta Miranda.

 A preparação das empadas é feita diariamente sendo servidas sempre quentinhas aos clientes em um charmoso sousplat, acompanhadas de uma colher para ajudar na degustação, já que as empadas são sempre muito recheadas. A loja ainda possui outras opções de cardápio como massas folhadas, esfiras, salgadinhos tradicionais, cafés quentes e gelados, kombuchas, cerveja, vinho, sorvetes, entre outras iguarias.

No último dia 29, aconteceu o lançamento do livro: “CRIBIÁS 300+ Por uma educação patrimonial toda nossa” – da Entrelinhas Editora. A obra foi organizada pela professora, psicóloga e doutora da Educação Daniela Barros da Silva Freire Andrade, 54, com a participação de vários autores-capítulos de mestres e doutores em educação e cultura contemporânea. Daniela Freire é docente do Curso de Psicologia e do Programa de Pós -Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso –UFMT. Confira, a seguir, a entrevista exclusiva ao Blog da Condessa.

Blog da Condessa - O que significa/ epresenta a obra Cribiás 300+ para a literatura de Mato Grosso?

Daniela Freire - Representa a possibilidade de se pensar a relação da criança com a cidade, seu universo cultural e a memória social do lugar onde vivemos. Também uma forma de diálogo com as crianças  considerando a sua participação e a sua forma de interagir com o Patrimônio. E ainda a sistematização de mais de 10 anos de pesquisa do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância(GPPIN) e seis anos de trabalho do Coletivo Cribiás ( professores da Educação Básica, pesquisadores e gestores culturais) um fórum permanente para pensar a qualidade das vivências das crianças em Cuiabá, especialmente na Educação Infantil.

Blog da Condessa - Quando e como foi a sua estreia como escritora?

Daniela Freire - Na produção acadêmica em 1996 com meu primeiro artigo científico. Na literatura infanto-juvenil em 2007 com o livro Bugrinho  que menino é esse?, pela Entrelinhas Editora.

Blog da Condessa - Como se dá o seu processo de criação, inspiração?

Daniela Freire - Criar é se permitir voar no vento do pensamento. Não há uma fórmula única, mas sim processos singulares. O importante é  que a pessoa se reconheça como ser pensante e criativo e  isso depende do seu processo educacional, de como adultos autorizam as crianças a se inserirem nos diálogos.

Blog da Condessa - Qual o  propósito da obra?

Daniela Freire - Alertar os adultos e mostrar possibilidades de ação para  promover a relação da criança com a cidade, seu espaço de vida.

Blog da Condessa - Qual o sentimento de sua jornada ao organizar a obra?

Daniela Freire - O Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância e o Coletivo Cribiás entregam à sociedade uma síntese de suas pesquisas e estudos. Embora preocupados com a baixa qualidade da relação das crianças com a cidade, nós temos a clareza da responsabilidade por socializar os resultados e convidar os adultos a pensarem uma cidade possível para as crianças. 

Blog da Condessa - Que/qual percepção, dimensão que o leitor terá ao ler o livro?

Daniela Freire - O livro é um convite ao diálogo entre gerações considerando a importância da escuta da criança. Apresentamos uma metodologia de Educação Patrimonial com crianças para o Centro Histórico  a partir de um roteiro lúdico e poético.

Blog da Condessa - Qual a importância do livro?

Daniela Freire - Pensar o desenvolvimento infantil como processo cultural, potencializar a relação das crianças com a cidade em que vivem  destacando  a memória social e as reflexões das crianças a partir de suas leituras no Centro Histórico.

Blog da Condessa - O que mais te fascina na escrita, particularmente nessa obra?

Daniela Freire - Pensar um projeto cultural para as crianças cuiabanas, potencializar as suas vivências cidadãs e ajudá-las a interpretar a realidade em que vivem sem deixá-las  sozinhas nessa missão.

Blog da Condessa - A ideia de escrever esse livro deve-se a importância de expandir, preservar o patrimônio cultural  mato-grossense?

Daniela Freire - Pensar o patrimônio cultural na relação com o desenvolvimento das crianças e da cidade. Uma cidade pensada por todas as gerações unidas pelo sentimento de pertencimento. Viver o presente sabendo que o mesmo só é possível porque outras pessoas viveram e produziram a vida antes de nós. Estimular a reflexão sobre a tradição e a modernidade na vida da cidade.

Blog da Condessa -  O que o leitor pode esperar da sua obra? 

Daniela Freire - Cribiás 300+:por uma Educação Patrimonial toda nossa é um livro que mostra possibilidades educacionais  sobre o patrimônio material e imaterial a partir de metodologia participativa com crianças.

 Blog da Condessa - Que descobertas que você fez nessa imersão?

Daniela Freire - A cidade está sendo invisibilizada nos mapas cognitivo  das crianças de diferentes classes sociais. Quando isso acontece a cidadania passa a ser ameaçada e as crianças se tornam pessoas inseguras que se limitam a existir nos espaços privados. A longo prazo esse prejuízo passa a ser coletivo.

Blog da Condessa -  Na sua opinião, sinônimo de ler é? 

Daniela Freire - Voar metaforicamente falando. O vôo do pensamento nos permite sermos reflexivos.

Blog da Condessa - Quem lê, consegue ter uma percepção mais crítica de tudo?

Daniela Freire - Tem uma grande chance se a leitura não se resumir a coleção de informações, mas sim ampliação de repertório cultural que  atuam como matéria prima da reflexão.

 

Segunda, 04 Outubro 2021 05:00

A volta dos cruzeiros marítimos

Para a temporada 2021/2022, que vai de novembro até abril do próximo ano, estão previstos sete navios.

Suspensos no país desde o início da pandemia de covid-19, os cruzeiros marítimos retornarão à costa brasileira em novembro, anunciou no último dia 2 à noite o Ministério do Turismo. Em nota, a pasta informou que uma portaria será assinada nos próximos dias.

Após a publicação da portaria, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) editará uma norma com os protocolos sanitários. As viagens também deverão respeitar as regras das cidades onde os navios atracarem.

Entre os protocolos a serem definidos pela Anvisa, estão a realização de testes antes do embarque em todos os passageiros, vacinação e testagem dos tripulantes, uso de máscaras, distanciamento, ocupação reduzida nos navios, desinfecção e higienização constantes nas embarcações e fornecimento de ar fresco sem recirculação (nos moldes dos filtros especiais dos aviões).

A liberação dos cruzeiros ocorre três semanas depois de a Anvisa ter se posicionado contra a medida. Em 10 de setembro, a agência havia informado que as evidências sanitárias e epidemiológicas ainda não apontavam a retomada dos cruzeiros como ação segura. Naquele momento, não havia previsão de uma nova reavaliação da medida.

Segundo o Ministério do Turismo, a autorização para a temporada de cruzeiros 2021/2022 envolveu a aprovação conjunta de medidas dos Ministérios da Saúde, da Justiça, da Infraestrutura, da Casa Civil e da Presidência da República. A expectativa, informou o governo, é gerar R$ 2,5 bilhões para a economia e criar 35 mil empregos, o que representaria crescimento de 11% em relação à temporada 2019/2020.

Estimativas

Para a temporada de cruzeiros 2021/2022, que vai de novembro até abril do próximo ano, estão previstos sete navios, informou o Ministério do Turismo. As embarcações devem ofertar mais de 566 mil leitos, 35 mil a mais que na temporada 2019/2020, e farão cerca de 130 roteiros e 570 escalas em portos brasileiros. Entre os destinos previstos, estão Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Angra dos Reis, Balneário Camboriú, Búzios, Cabo Frio, Fortaleza, Ilha Grande, Ilhabela, Ilhéus, Itajaí, Maceió, Porto Belo, Recife e Ubatuba.

Por meio de um vídeo gravado nos Emirados Árabes Unidos, onde participa da Expo Dubai 2020, o ministro do Turismo, Gilson Machado, comentou a liberação dos cruzeiros.

“A temporada está autorizada pelo governo. O presidente Bolsonaro determinou empenho total para que conseguíssemos liberar, porque os navios geram em torno de 42 mil empregos no Brasil, entre diretos e indiretos. Teremos uma temporada belíssima este ano”, declarou Machado.

 

Página 4 de 166