Blog da Condessa

Blog da Condessa

Para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, o projeto Verde Novo do Poder Judiciário de Mato Grosso promoverá uma série de ações de distribuição e plantio de mudas de árvores frutíferas e nativas do cerrado na capital mato-grossense. Ao todo serão disponibilizadas gratuitamente à população cerca de 5 mil mudas, ao longo do mês de junho.

 Nesse sábado (5 de junho) pela manhã, a equipe do Verde Novo entregará o plantio de 1.000 mudas no Parque das Águas, situado no Centro Político e Administrativo de Cuiabá. O trabalho de preparação dos berços, para colocara as mudas, iniciou nessa semana e contou com a parceria do Unicred que doou a mão de obra para a realização do plantio. As mudas serão disponibilizadas pelo Grupo Petrópolis parceiro do Projeto desde 2017.

 No período da tarde, outras 2,5 mil mudas serão entregues no Shopping Pantanal. A entrega das árvores contará com uma unidade volante, por meio de um carrinho de mudas, dentro do estabelecimento comercial que também entregará um saquinho de adubo orgânico produzido pelo shopping.

 Conforme o assessor do Juvam, Sergio Saviolli, as ações são homenagens ao Dia do Meio Ambiente e serão encerradas com o plantio de várias espécies na MT-251 (saída para Chapada dos Guimarães) no dia 12 de junho. "Todas as ações estão sendo pensadas nesse contexto da pandemia e com todas as precauções necessárias. Por isso, pensamos em um ponto móvel de distribuição no shopping, nos 'deliverys' que estamos promovendo nos bairros com a van do Juvam", pontuou Sérgio.

 O gerente de Sustentabilidade do Grupo Petrópolis, Alaercio Nicoletti Junior, frisa que os benefícios do plantio de árvores para a comunidade cuiabana são significativos. Ele exemplifica dizendo que as 300 mil mudas compensará, ao longo de 20 anos, o equivalente à quantidade de CO2 geradas em 1 ano por mais de 6 mil veículos de médio porte, rodando 500 km por semana. "Além disso, a cobertura de árvores torna mais bela a capital mato-grossense, e ainda reduz a sensação térmica com suas sombras", disse.

 Este ano, além da doação de mudas, o Grupo Petrópolis anunciou a destinação de 2.400 'berços' para o plantio de mudas de árvores do Projeto Verde Novo. Esses berços são cavidades feitas em locais apropriados com tratamento necessário para o bom desenvolvimento das árvores.

 Verde Novo 

 Um projeto do Poder Judiciário de Mato Grosso, idealizado pelo Juvam de Cuiabá, desenvolvido em cooperação técnica com o Município de Cuiabá e o Instituto Ação Verde e patrocinado pelo Grupo Petrópolis, responsável pela doação das mudas de árvores nativas e frutíferas.

 Até hoje o Verde Novo realizou quase 400 ações e foram distribuídas e plantadas cerca de 100 mil mudas em diversos pontos de Cuiabá.

 

 

Sexta, 04 Junho 2021 10:27

“Horta nas Escolas”

Projeto vai alcançar 24 unidades de ensino de Várzea Grande em 2021; permite complemento nutricional na merenda escolar, assim como a possibilidade da horta ser um espaço lúdico de alfabetização.

 Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, por meio da equipe da Educação Ambiental, divulgou a lista das 24 unidades educacionais que irão participar do Projeto “Horta nas Escolas” neste ano de 2021. As atividades do projeto terão início no começo deste mês de junho.

O secretário Silvio Fidelis informou que, desde o início das medidas de restrições impostas pela pandemia do novo Coronavírus, os trabalhos desenvolvidos presencialmente nas escolas tiveram uma interrupção e as atividades estão sendo retomadas aos poucos, observando todos os protocolos de biossegurança, com o uso de máscaras, do álcool gel e com distanciamento seguro.

Fidelis destaca que o Projeto “Horta nas Escolas”, desenvolvido e acompanhado pela equipe da Educação Ambiental da Smecel, permite a integração dos alunos com o meio ambiente, além de um complemento nutricional na merenda escolar, assim como a possibilidade da horta ser um espaço lúdico de alfabetização. “O projeto Horta nas Escolas vem para facilitar o acesso ao alimento mais saudável, com o auxílio de práticas pedagógicas em educação alimentar e ambiental. O intuito é fortalecer a importância de se ter uma boa alimentação e uma boa relação com a natureza, identificar a importância dos cuidados com o solo, compreender a relação solo e planta, valorizar o trabalho em equipe e a importância da horta como prática pedagógica e incremento nutricional”, explicou.

O projeto contará com o apoio técnico da Engenheira Agrônoma, Thaiane Gonçalina Leite de Moraes, que faz parte da equipe da Smecel, que realizará visitas periódicas às unidades escolares para prestar assistência técnica e orientações básicas desde o preparo de solo, controle de pragas até a colheita das hortaliças. 

O projeto será realizado na escolas: CMEI Aurélia Correia, EMEB Maria de Lourdes Toledo Areias, EMEB Vereador Zeno de Oliveira, EMEB Elias Domingos, EMEB Antônio Felipa, EMEB Luiz Reveles, EMEB Prof. Eliza Maria da Silva, EMEB Júlio Correa, EMEB Bianka Lorena da Rocha Capilé, EMEB Benedito Abrão Nassarden, EMEB Dr. Gabriel Muller, EMEB Ângela Jardim Botelho, EMEB (ETA) Euraide de Paula, EMEB Maria Barbosa Martins, EMEB (ETA) Antônio Joaquim, EMEB (ETA) Antônio Salustio Areias, EMEB Manoel João, EMEB José Estejo, EMEB Gonçalo Domingo de Campos (CAIC), EMEB Mário Antunes de Almeida, EMEB Joaquim da Cruz Coelho, EMEB Centro de Educação Abdala José de Almeida, EMEB Sra. Dirce Leite de Campos e EMEB Paulo Freire.

 

Salto das Nuvens encanta com queda d’água em meio a paisagem de árvores exuberantes. Imensa cascata fica localizada dentro de uma fazenda, em meio à vegetação da floresta mato-grossense, a 25 km do Centro da cidade de Tangará da Serra.

Quando o assunto é paisagens naturais, Mato Grosso é um dos estados que mais se destaca, com uma imensa variedade de belas cachoeiras, localizadas dentro de florestas preservadas, o que eleva ainda mais o potencial em ecoturismo na nossa região.

Um dos lugares onde podemos encontrar uma dessas maravilhas é na cidade de Tangará da Serra, distante a 242 km de Cuiabá. A cachoeira Salto das Nuvens possui um cenário que encanta e desperta a vontade de qualquer pessoa em conhecer de perto suas cascatas de enorme volume d’água, de tom escuro, formadas pelo Rio Sepotuba.

O local já é marca registrada, cartão postal da cidade, e fica localizado dentro de uma fazenda, a 25 km do Centro do município. Quem deseja apreciar o despencar das águas deve procurar um guia ou uma agência de viagem, pois é cobrada uma taxa que dá direito a permanência por um dia no local e banho de cachoeira. Também é possível se hospedar nos chalés localizados na mesma propriedade. 

Na Salto das Nuvens há, ainda, uma passarela que permite o turista chegar bem próximo da foz, além de ser um cenário interessante para o registro de uma bela fotografia. 

A propriedade onde fica a cachoeira Salto das Nuvens possui uma estrutura com restaurante que fornece todas as refeições. Mas é permitido que o visitante entre com lanches e bebidas em sua mochila no dia do passeio.

O local pode ser uma bela opção de lazer para curtir o final de semana ou para quem estiver planejando um roteiro de turismo em contato com a natureza.

Sobre a cidade

Tangará da Serra está localizada na Região Sudoeste de Mato Grosso, conhecida como Médio Norte, e foi criada em 13 de maio 1976. A jovem cidade tem população estimada em 105. 771 mil habitantes. A base econômica do munícipio tem como atividades predominantes a soja e a cana-de-açúcar, além da pecuária e a prestação de serviço.

Uma curiosidade é que o nome da cidade também possui ligação com a natureza, já que o nome é originário do pássaro Tangará, uma bela ave de cor preta, azul e vermelha presente na região.

 

 

 

Filme sobre artista urbano Babu 78 é produzido em Cuiabá.

O documentário “Identidade Babu”, dirigido por Leonardo Sant’Ana e produzido pela Terra do Sol Filmes, irá apresentar um registro da vida e obra um dos principais expoentes do grafite em Cuiabá, Babu 78, cuiabano que se criou e ainda mora no bairro do CPA. As gravações foram concluídas recentemente e agora o curta-metragem vai entrar na etapa de pós-produção. O filme é um dos projetos comtemplados em edital da Lei Federal Aldir Blanc em Cuiabá, executada pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, com apoio do Conselho Municipal de Política Cultura de Cuiabá.

Adão Silva Segundo é como foi registrado. Este é o nome que aparece no registro de nascimento e no documento de identidade do artista, mas a assinatura que tomou muros, painéis, galerias e se notabilizou na história da arte mato-grossense foi a de Babu 78. 

No filme que retrata vida e obra do grafiteiro, constam entrevistas de pessoas próximas do artista, como familiares e amigos, bem como estudiosos de sua obra e também com o próprio Babu. Entre os depoentes, destacam-se os artistas DJ Spinha, Edson Tattoo e o rapper Linha Dura, além de intelectuais, como os críticos de arte José Serafim Bertoloto e Aline Figueiredo. 

“Ele conseguiu uma coisa que eu admiro muito, que é esse respeito quase unânime dos especialistas e das pessoas que fruem a arte. Ele tem essa admiração de todos os lados”, destaca Leonardo, que há mais de seis anos já planejava gravar este documentário.

Aliás, em meados dos anos 2000, quando o artista urbano começava a se projetar na cena local, o cineasta já acompanhava de perto essa ascensão. "Eu fui testemunha do Babu nas artes visuais. Eu era muito amigo do Silvio Sartori, do Spinha, da galera do hip hop. Eu vi a explosão dele”, relembra.

Desde então, a obra de Babu rodou o Brasil e ele ganhou uma série de prêmios, inclusive o segundo lugar no Prêmio Pipa 2018, considerado uma das principais janelas para a arte contemporânea brasileira. Hoje seus trabalhos transitam com naturalidade entre galerias, museus e espaços urbanos. 

E ele se mostra empolgado com este registro que o insere também na linguagem audiovisual, e inclusive já adianta sua perspectiva sobre o trabalho. “O documentário não é sobre a chegada, é sobre o percurso. Não importa se chegou bem ou mal, importante é ter chego até aqui”, reflete Babu. 

E onde chegou passa diretamente pela assinatura que deixou por onde passou. “A arte do Babu já o identifica. É da essência do grafiteiro apresentar seu trabalho em ambientes externos, na rua mesmo, isso faz parte da identidade do artista urbano. E ele já está com a assinatura na cidade toda, então dispensa apresentações”, comenta o crítico Serafim Bertoloto.


Sobre o documentário

“Identidade Babu” foi captado e será finalizado em formato 4K UHD (Ultra alta-definição). A equipe, além de ser composta em sua maioria por pessoas negras, é formada exclusivamente por profissionais locais. Aliás, a produção executiva é assinada por José Paulo Traven, que, além de produtor e ex-secretário adjunto de cultura do Estado, também já foi marchand de artes visuais.

Por se tratar de uma temática contemporânea e urbana, o diretor aposta em uma linguagem cinematográfica que dialogue com este conteúdo. “Tenho o objetivo de, na montagem, dar uma cara de Ópera Rap para esse documentário, tentar fazer ele um pouco mais solto, um pouco mais livre”, explica Leonardo. 

Em termos práticos, isso quer dizer que o documentário se vale de uma linguagem audiovisual bem dinâmica, com cortes rápidos e uso de oportunos recursos narrativos, como conversas espontâneas entre Babu e outras pessoas e até o registro de uma batida policial enquanto o artista realizava uma intervenção urbana em uma avenida de Cuiabá.

Todavia, embora esta inventiva linguagem cinematográfica seja enriquecedora do ponto de vista narrativo, o documentário também não abre mão de algumas convenções do gênero, como o uso de acervo de fotos e matérias jornalísticas, além das tradicionais entrevistas com autoridades no assunto, pessoas próximas e com o próprio Babu.

“Por mais que eu vá tentar dar essa pegada artística, eu não quero perder a perspectiva da história do personagem, de contar um pouco da vida dele. Esse vai ser o foco. O objetivo do documentário é tentar mostrar todo esse potencial, todo esse artista fenomenal que é o Babu 78”, conclui Leonardo.

Ficha técnica:

Roteiro e direção: Leonardo Sant’Ana

Produção Executiva: José Paulo Traven

Direção de Produção: Anna Magalhães 

Produção: Giulia Costa

Direção de Fotografia: Kelven Queiroz

 

 

Quinta, 03 Junho 2021 05:00

1° Cine Cidadania – Drive in

Municípios da Baixada Cuiabana são contemplados com show e filme de Nico e Lau. O evento é gratuito e os locais das apresentações têm capacidade para receber em média 80 carros.

Chapada dos Guimarães foi a primeira cidade contemplada e recebeu o show no último sábado (29.05). As próximas cidades serão Santo Antônio de Leverger (13.06) e Cuiabá (19.06).

Os humoristas Nico e Lau circulam por municípios da Baixada Cuiabana com o 1° Cine Cidadania – Drive in. Com cerca de duas horas de duração, o evento leva para o público o show “Bem na Foto” e a exibição do filme “Bala Perdida”. Chapada dos Guimarães foi a primeira cidade contemplada e recebeu o show no último sábado (29.05), realizado na praça do festival.

As próximas cidades serão Santo Antônio de Leverger (13.06) e Cuiabá (19.06), os locais serão definidos e divulgados nas redes sociais de Nico e Lau. Nossa Senhora do Livramento e Acorizal também receberão o evento, as datas serão definidas e divulgadas posteriormente.

O show é gratuito e tem a proposta de oferecer uma alternativa de lazer em meio ao isolamento social. Os locais das apresentações têm capacidade para receber em média 80 carros. Cada veículo só pode abrigar no máximo quatro pessoas e todas fazendo o uso de máscaras e demais medidas de biossegurança. A programação é acessada do próprio carro por rádio FM.

O projeto 1° Cine Cidadania é uma realização do Instituto Leverger, com patrocínio do Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), via emenda parlamentar do deputado estadual Sebastião Rezende, e apoio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

Programação

Neste projeto, além de celebrar os 26 anos de carreira, também será o lançamento da mais recente obra da dupla, o CD “Remedeia com o que tem”, sexto disco da trajetória dos comediantes. O show "Bem na foto" é recheado de histórias hilárias, performances inusitadas e interpretação das músicas do novo trabalho.

Com roteiro de J. Astrevo Aguiar e direção de Luiz Marchetti, o curta-metragem “Bala Perdida” é uma peça de ficção que dialoga com a nossa realidade. A dupla Nico e Lau utiliza a leveza da comédia para discutir sobre violência urbana. A originalidade da obra está no tratamento do tema, feito com leveza e profundidade.

Informações: (65) 3627.1244 / nicoelau.com.br / facebook.com/nicoelau

 

Modalidade digital contará com atendimentos especializados.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou, na terça-feira (1º), à Agência Brasil, que a versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano ofertará 101.100 vagas e terá novos recursos disponíveis como prova ampliada, prova superampliada, prova com contraste e locais de prova com acessibilidade para pessoas com deficiência.

Já no último dia 31, o Inep anunciou a realização das provas do Enem 2021 para os dias 21 e 28 de novembro. Segundo o instituto, os editais das duas versões do exame – impressa e digital – estão prontos e serão publicados nesta semana. O período de inscrições para o Enem 2021 será de 30 de junho a 14 de julho.

De acordo com a instituição, nesta edição, as provas da modalidade impressa e digital serão aplicadas no mesmo dia. Ainda de acordo com o Inep, a participação dos “treineiros” na versão impressa está garantida.

Pandemia

Tanto o Inep quanto o consórcio aplicador das provas estão monitorando os locais de realização do exame a fim de garantir o cumprimento das medidas sanitárias de prevenção contra a covid-19, como o distanciamento social. Os aplicadores estudam o aumento do número de municípios onde o exame é realizado.

 

Com fios coloridos que transpassa ligeiramente entre os dedos, pouco a pouco, os desenhos vão tomando forma. Há 48 anos, todas as tardes, com a mesma fiação, Dona Judith Pereira da Silva tem a mesma rotina. E agora, aos 61 anos, uma das redeiras mais antigas da comunidade de Limpo Grande, zona rural de Várzea Grande, terá sua trajetória homenageada pelo projeto ‘Dona Judith: a redeira que teceu sua história’.

Contemplado no edital Conexão Mestres da Cultura promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), o projeto entrega ao público  um vídeo, um catálogo impresso em português, inglês e espanhol, e uma exposição apresentando a arte e a história da redeira. Os materiais e peças produzidas pela artesã estarão disponíveis na exposição que será aberta na próxima sexta-feira (04.06) e prossegue até 13 de junho no Pantanal Shopping.

Nascida na comunidade de Limpo Grande, Dona Judith trabalha com o artesanato desde os 13 anos de idade e aprendeu o tear das redes com a mãe, que aprendeu com a avó e, assim, continuamente. 

“O único serviço aqui era esse, então a gente tinha que fazer artesanato mesmo”, conta com simpatia, sorriso sempre aberto e um olhar que ilumina.

A redeira conta ainda que chega a demorar dois meses para confeccionar uma rede e que parte de sua renda é utilizada para comprar novos materiais e dar continuidade ao trabalho. Tendo o artesanato como única fonte de renda, Dona Judith criou os seis filhos com o dinheiro que ganhou vendendo redes, xales e echarpes. 

Na época em que aprendeu a tecer com a mãe e as avós, a região ainda não contava com casas de aviamentos para comprar as linhas. Era a mãe de Judith que plantava o próprio algodão para fazer as redes. 

“Mamãe tinha um fuso e fiava o algodão para fazer rede para a gente dormir, com a linha que ela mesma fazia”, relembra.

Para o titular da Secel, Alberto Machado, a homenagem que dá à redeira o tributo de mestre da cultura mato-grossense cumpre a concepção do edital realizado com recursos da Lei Aldir Blanc.

“Dona Judith tem grande importância para a comunidade em que atua e para a cultura do estado. Por isso, é gratificante ver que nosso edital está ajudando a reconhecer os seus saberes e a preservar a arte de produzir as belas redes feitas em tear”, evidencia o secretário.

A exposição

De 04 a 13 de junho, a exposição reúne, no Pantanal Shopping, peças produzidas por Dona Judith. Os primeiros 200 visitantes receberão o catálogo com histórias e fotos dos produtos da redeira. 

Os materiais expostos também poderão ser encomendados.

A exposição seguirá o horário de funcionamento do shopping, das 10h às 22h, e manterá todas as medidas de protocolo para prevenção à covid-19.

 

Primeira-dama acredita no programa para retomada da economia e empregos.

A primeira-dama Márcia Pinheiro acredita que o Qualifica Cuiabá 300 anos ajudará na retomada da economia e da geração de empregos nos próximos anos. A nova edição do programa de qualificação profissional gratuita oferece 1.960 vagas para 20 cursos de 9 áreas e a estimativa para o final da gestão é de alcançar 10 mil pessoas. 

Segundo Márcia, idealizadora do programa que teve início em 2018 e já certificou mais de cinco mil pessoas, a principal justificativa foi o forte crescimento do trabalho informal e o baixo índice de desemprego registrado antes da pandemia, cenário que o Qualifica 300 contribuiu diretamente e indiretamente para alcançar. 

“Na época Cuiabá registrava uma das menores taxas de desemprego do país e a informalidade estava em alta. O Qualifica 300 está inserido nesse contexto. Formamos mais de cinco mil pessoas e muitas delas criaram seu próprio negócio, até mesmo durante essa pandemia eles viram como alternativa de fonte de renda. Temos casos de pessoas que conseguiram uma vaga no emprego formal por conta da capacitação”, explicou.

Para contribuir com esse impulsionamento, o programa oferece, desde a última edição, cursos direcionados para o empreendedorismo e, nesta edição, serão 260 vagas para o aperfeiçoamento. 

“Além dos cursos de 160 horas, os alunos terão acesso aos cursos de empreendedorismo de 16 horas que trazem noções básicas de como empreender e montar o seu próprio negócio para que elas saiam do curso com maior entendimento de sua área. Esse foi o pedido da nossa primeira-dama”, destacou Mozara Guerreiro, gerente do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Cuiabá.

O Qualifica 300, como é popularmente conhecido, faz parte do eixo 2 do programa ‘Pra Frente Cuiabá’, executado pela Secretaria Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, que busca incentivar e recuperar o crescimento das atividades econômicas que foram afetadas pela crise sanitária do novo coronavírus.

“O Qualifica é um dos pilares importantes do Pra Frente Cuiabá. Não temos como pensar no desenvolvimento sem pensar nas pessoas. Por isso precisamos investir na qualificação, no preparo da mão de obra local para que, de forma adequada, seja absorvida no mercado de trabalho. É um desdobramento de tudo aquilo que a primeira-dama Márcia Pinheiro construiu durante a primeira gestão, tendo em vista o alcance social que esse projeto irá garantir as pessoas”, disse Francisco Vuolo, titular da pasta.  

Ações do Programa Pra Frente Cuiabá:

 - Sine da Gente: Implantação de uma unidade móvel que atuará nos bairros para atender a oferta e demanda de emprego por região.

- Enem Digital 5.0: Ensino no modelo híbrido; Suporte técnico e personalizado; 2.000 alunos.

- Qualifica Cuiabá: Programa da Secretaria de Assistência Social, em parceria com SESI, SENAI, SEBRAE e FECOMÉRCIO; Desenvolver as habilidades dos cidadãos para o fomento na geração de renda para família; Preparar a mão-de-obra para o mercado de trabalho.

- Agro da Gente: Fortalecimento do apoio à agricultura familiar; Qualificação técnica na produção do campo; Incentivo à atividade da agroindústria; Programa de incentivo para quatro cadeias produtivas: Peixe, FLV (fruta, legume e verdura), Frango e Leite.

 - Cuiabanco: Linha de Crédito para o pequeno empreendedor com juros zero; PAA – Programa de aquisição de alimentos.

 

A MT Escola de Teatro, polo de formação cultural sob gestão do Cine Teatro Cuiabá, firmada entre a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (SECEL MT) e Associação Cultural Cena Onze, em parceria com a Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap), realiza no próximo dia 09 de junho o 1º Prêmio MT Artes. A iniciativa visa homenagear e celebrar e setor cultural do estado e também ampliar a visibilidade das produções artísticas da região.

Serão contempladas 5 categorias: Teatro, Dança, Literatura, Artes Visuais e Audiovisual e o olhar estará voltado para as produções culturais que foram produzidas durante o período de pandemia (de março de 2020 a abril de 2021). Há também um Prêmio Especial, com dois homenageados.

Cada categoria é composta por três jurados especializados, que seguem critérios importantes para a seleção dos indicados ao prêmio: artistas de todas as regiões do Estado de Mato Grosso; multiplicidade estética, com produções envolvendo diversas linguagens e procedimentos artísticos em cada área; diversidade étnica e de gênero.

Premiação

Por categoria, concorrem 10 projetos, sendo três vencedores em cada uma.

A curadoria conta com a participação de Flávio Ferreira, Flávia Taques, Rodolfo García Vázquez, Agnaldo Rodrigues, Elen Londero, Marcio Aquiles e Miguel Arcanjo.

A criação dos troféus ficou a cargo dos cenógrafos Jane Klitzke e Douglas Peron, que tiverem apoio das estudantes do curso de Cenografia da MT Escola de Teatro: Eliane Martins dos Santos, Giulia Otomura e Liandra Lino de Carvalho.

O evento seguirá o modelo híbrido, com parte dos jurados e indicados presencialmente e outra parcela em transmissão digital. O prestigiado Cine Teatro Cuiabá será o palco da celebração, na quarta-feira (09) de junho, às 19h de Cuiabá, 20h de Brasília.

Júri 1º Prêmio MT Artes

ARTES VISUAIS

Ludmila Brandão

Arquiteta e historiadora, mestre em Educação e doutora em Comunicação e Semiótica. Pós-doutorada em Crítica da Cultura na Universidade de Ottawa/Canadá. Fundadora e primeira coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, da Universidade Federal de Mato Grosso, onde é docente titular e orienta pesquisas de Mestrado e Doutorado. Foi membro do conselho curador do MACP - Museu de Arte e Cultura Popular da UFMT (2004-2017)

Willian Gama 

Curador de arte, membro do Conselho Curador do Museu de Arte e de Cultura Popular da Universidade Federal de Mato Grosso. Bacharel em Direito, formado pelo Centro Universitário de Várzea Grande; Graduando em Museologia pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI); Pós-graduando em História da Arte pela Universidade Estácio de Sá – São Paulo/SP. É diretor e fundador da Galeria Mirante das Artes.

Carlos Alberto Bosquê Junior

Artista plástico conhecido como Bosquê, é graduado na Faculdade de Belas Artes de São Paulo e bacharel em pintura e licenciatura em Educação Artística. Especialista em Educação de Jovens e Adultos e mestre em Educação Profissional Escolar pela Universidade Federal de Rondônia UNIR.  Com ateliê em Cáceres e professor de arte do Instituto Federal de Rondônia, trabalhou com arte no Centro de Referência de Direitos Humanos na UNEMAT, e fundou a Associação dos Artistas Plásticos e Visuais de Mato Grosso.

AUDIOVISUAL

Keiko Okamura

Atua na produção audiovisual há 25 anos, formada em Comunicação Social - Rádio e TV pela UFMT. É produtora de filmes de curta-metragem, tais como: "Depois da Queda", "Três tipos de medo", de Bruno Bini. Produtora de produções nacionais como "O Vestido", de Paulo Thiago, e da minissérie "Rondon, o grande chefe", de Marcelo Santiago, entre outros. Produtora local do Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá por 19 anos e da Mostra Cinema e Direitos Humanos por 9 anos. Hoje atua como Superintendente de Desenvolvimento da Economia Criativa da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer – SECEL-MT.

Gilson Costa

Doutor em Estudos de Cultura Contemporânea, professor do curso de Jornalismo da UFMT-CUA e realizador audiovisual. Coordena, desde 2014, o Núcleo de Produção Digital, projeto que tem fomentado a diversidade da produção audiovisual na região do Araguaia.

Bruno Bini

Diretor, Roteirista e Produtor Executivo com 20 anos de experiência, Bruno iniciou sua carreira como Redator e Diretor de Arte e posteriormente passou a dirigir produções para publicidade, cinema e televisão. Seus filmes receberam mais de 50 prêmios em festivais no Brasil e no exterior.

DANÇA

Jamilton Mello

Gestor do Mosaico Espaço Cultural, vem ajudando a desenvolver a cultura artística em Cuiabá e Mato Grosso. Politicamente faz parte do conselho municipal de politicas culturais – CMPC e é um dos colaboradores do Fórum Dança Cuiabá. Estudante de danças desde 2000, entre eles ballet clássico, jazz, danças urbanas e dança contemporânea. Professor de danças que já teve experiência em varias academias de Cuiabá e Várzea Grande.

Verônica Weber

Professora e bailarina, natural de São Paulo, participou de um período de dois anos na Inglaterra, onde aprimorou seus estudos de ballet clássico. No Brasil, ingressou no Ballet de Câmara de São Paulo. De volta à Europa, entra na conceituada companhia de ballet Deutsh Oper Am Rhein. teatro que abriga a terceira maior companhia de dança da Alemanha. Em fevereiro de 2000, inaugura o Ópera Ballet em Cuiabá, que agora completa 20 anos de existência.

Kelson Panosso 

Graduado em Dança Clássica pela Royal Academy of Dance, de Londres, é professor, coreógrafo, diretor e produtor cultural. Participou como jurado de diversos festivais e concursos culturais em Cuiabá, por vários anos. Coordenou, entre 2014 e 2020, o projeto Constellation, do Instituto Canopus, e foi membro do Conselho Municipal de Cultura de Cuiabá. Atuou como diretor e coreógrafo da Companhia de Dança - Ballet de Mato Grosso. Foi membro do Conselho de Cultura do Estado de Mato Grosso e assessor de projetos culturais da Secretaria Municipal de Cultura de Cuiabá.

LITERATURA

Carlos Roberto Rodrigues dos Santos (Professor Leão)

Nascido em Peabiru, interior do Paraná, teve a identidade profissional construída em sala de aula. Formado em Letras, pela UFMT, lecionou e fez parte da equipe do Colégio COC de Cuiabá e Barra do Garças, e no curso de Letras da Univag, sendo coordenador. Participou da fundação do Colégio Maxi como coordenador pedagógico e professor de literatura. Nos quatro últimos anos, dedicou-se exclusivamente ao Colégio Maxi, como diretor geral.

Maria Cristina de Aguiar Campos

Doutora em Educação, pela USP; mestra em Educação, especialista em Língua Portuguesa e Semiótica pela UFMT. Professora aposentada de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, pelo IFMT – Campus Cuiabá. Ocupa a Cadeira 16 na Academia Mato-grossense de Letras. É autora de diversas obras: "Papo cabeça de criança travessa" (Tanta Tinta, 2017); "Bicho-grilo" (Carlini & Caniato, 2016); "O falar cuiabano" (Carlini & Caniato, 2014); entre outras.

Maristela Carneiro

Atual coordenadora do PPG em Estudos de Cultura Contemporânea - ECCO, da Universidade Federal de Mato Grosso/UFMT. Docente Adjunta lotada junto à Faculdade de Comunicação e Artes - FCA/UFMT. Doutora em História, pela Universidade Federal de Goiás - UFG, tendo realizado período sanduíche na Universita degli Studi di Napoli Federico II, na Itália - UNINA. Mestre em Ciências Sociais Aplicadas, pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

TEATRO

Jan Moura

Sec. Adjunto de Cultura / SECEL-MT. Mestre e doutorando em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Graduado em Comunicação Social pela mesma instituição. Especialista em Gestão Cultural pelo Senac-MT. Foi coordenador de Cultura do Sesc Mato Grosso, onde atuou com produção cultural, curadoria de projetos, acompanhamento e análise das ações culturais, e responde hoje pela Gestão de Comunicação da instituição. Conselheiro de Cultura do Estado de Mato Grosso (2017-2020). É ator e pesquisador da de teatro e cultura.

Ivan Belém

Ator, professor e pesquisador, foi um dos fundadores do Grupo Gambiarra - primeiro grupo de teatro de rua de Mato Grosso. Doutor em Educação, autor da tese " Liu Arruda: a travessia de um bufão", transformada em livro, com o qual conquistou o Prêmio Mato Grosso de Literatura em 2015.

Aline Wendpap

É atriz, egressa do Grupo Pessoal do Ânima, da antiga Escola Técnica Federal de Mato Grosso. Primeira doutora em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT. Bacharel em Comunicação Social-Radialismo e Mestre em Educação pela mesma universidade. Possui licenciatura em Artes Visuais, e foi coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda da Faculdade Afirmativo. Atualmente é professora Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, na UFMT e, pela UnB, cursa licenciatura em Teatro EaD.

 

Produtos artesanais de microempresas e agricultura familiar serão certificados.

Alimentos artesanais produzidos pela agricultura familiar e microempresas de Mato Grosso terão maior controle de qualidade. É o que prevê a Lei 11.393/21 publicada no Diário Oficial, na semana passada, que estabelece a certificação de qualidade desses alimentos produzidos com características tradicionais, culturais e regionais.

De autoria do primeiro-secretário da Assembleia Legislativa – ALMT, deputado Eduardo Botelho (DEM), objetivo é valorizar os produtos e fomentar a economia local. O regulamento dessa nova lei estabelecerá os requisitos e as especificações de qualidade, necessários à concessão do certificado.

Defensor de melhorias aos pequenos produtores, Botelho destacou a iniciativa. “Queremos incentivar a agricultura familiar tradicional e o processo produtivo artesanal, que preservem em suas características a cultura regional e a atividade de microempreendedores e pequenos produtores, assegurando a comercialização e segurança alimentar.

Para fortalecer o setor, Botelho também é autor do Projeto de Lei 593/19, aprovado em 1ª votação, que determina que pacientes da rede pública hospitalar recebam alimentação com produtos orgânicos ou de base agroecológica. E da Lei 10.902/19 que institui o Programa Feira da Mulher Rural à promoção, inclusão e a valorização da mulher rural, através da comercialização e divulgação dos produtos oriundos da agricultura familiar.

 

Página 5 de 127