Blog da Condessa

Blog da Condessa

Segunda, 04 Outubro 2021 05:00

A educação inclusiva no debate político

VI Simpósio sobre Dislexia ocorre nos dias 7 e 8 de outubro e contará com autoridades internacionais e estudiosos para debater temas.

A Assembleia Legislativa realizará nos dias 7 e 8 deste mês o VI Simpósio sobre a Dislexia- Dislexia em diferentes perspectivas 2021. As inscrições estão disponíveis em https://www.al.mt.gov.br/institucional/evento/47/visualizar

Trata-se de uma iniciativa, liderada pelo deputado estadual Wilson Santos (PSDB), que alcança o sexto ano seguido de realização diante do interesse do parlamentar em manter a educação inclusiva no debate político. O evento começa às 7h, na Sala das Comissões  202,  da Assembleia Legislativa. Das 9h às 10h haverá um fórum com o debate “Dislexia e as Políticas Públicas” com a participação dos deputados Wilson Santos e Janaina Riva (MDB).

Haverá a participação on-line dos deputados federais Rejane Dias (PT)- pelo Piauí; Diego Garcia (Podemos)- pelo Paraná, e também do deputado estadual pela Bahia, Paulo Câmara (PSDB).

O evento, neste ano, contará com a participação da deputada federal pela Argentina, Karina Banfi.

Presença internacional

No período das 14h às 15h, acontece o debate “Dislexia e as políticas de educação inclusiva” com a participação de estrangeiros que atuam em defesa do tema.

Ainda, a participação da presidente da Associação Brasileira de Dislexia, a fonoaudióloga Maria Ângela Nico; a presidente da Associação da Dislexia de Buenos Aires (Argentina), Letícia Altuna; a professora do Departamento de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa, Helena Serra, e também de Vânia Pavão, esta última professora do curso de graduação em fonoaudiologia da  Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Abertura e palestras

O VI Simpósio da Dislexia será aberto oficialmente às 19h do dia 7, no Plenário da Assembleia Legislativa, com duas palestras.  A primeira será conduzida pelo publicitário Felipe Ponce, com o tema “Como ser aluno com dislexia no Brasil”.

A segunda abordará o tema “Educação e os Impactos no retorno às aulas” com a doutora em neurociências e pesquisadora da Universidade de Campinas (Unicamp), Sylvia Ciasca.

Debates e minicursos

No segundo dia do VI Seminário da Dislexia, em 8 de outubro, a pauta será “Dislexia e as Políticas Públicas em Mato Grosso” que vai ter o deputado Wilson Santos como mediador e a participação dos secretários de Estado Alan Porto (educação), Gilberto Figueiredo (saúde) e Rosamaria de Carvalho (assistência social).

A partir das 14h, começará seis minicursos na plataforma EAD (Educação à Distância) da Escola do Legislativo com os seguintes temas: 

-  “Como construir um plano de aula inclusivo”

-  “Educação Matemática: é possível aprendizagem socioemocional e estimulação das funções executivas”

- Tertúlia Dialógica Literária – uma estratégia para estudantes disléxicos

 - A importância do treinamento auditivo para pessoas com dislexia

 - Identificando crianças com sinais de dislexia

 - Dificuldades e dislexia: equipe interdisciplinar e a saúde mental

 Haverá ainda duas palestras no dia 8/10, a partir das 19h, com os temas “Educação Inclusiva é preciso” e “Dislexia no Brasil e seus impactos sociais”.

 

Domingo, 03 Outubro 2021 05:00

A abertura de novos negócios

Juntas Comerciais dispensam respostas locais em caso de demora. Abertura simplificada de empresas é realidade em MT.

 Os empreendedores de 23 estados e do Distrito Federal podem abrir empresas mais rapidamente em caso de demora dos governos locais. As Juntas Comerciais dessas unidades da Federação aplicam as determinações da Lei 14.195, sancionada no fim de agosto.

Essa lei dispensa a autorização das prefeituras (ou do governo do Distrito Federal) nos casos em que os governos locais não respondam imediatamente às Juntas Comerciais sobre a pesquisa prévia da viabilidade. Nessa etapa, são analisadas as condições para o empreendedor exercer a atividade no local pretendido.

A medida está em funcionamento nas seguintes unidades da Federação: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins. O processo está em andamento na Junta Comercial de Santa Catarina. Apenas os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro não têm previsão para adotarem o modelo.

Com a lei, a pesquisa prévia passa a ser exigida somente nos casos em que o município responde ao empreendedor de forma imediata, pelo sistema da Junta Comercial. Caso isso não ocorra, o futuro empresário poderá escolher entre esperar a resposta ou seguir diretamente para a obtenção do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Atividades exercidas exclusivamente pela internet, sem estabelecimento físico, também estão dispensadas dessa etapa.

De acordo com a Secretaria de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, esse modelo segue as práticas de abertura de empresas nas principais economias do mundo. Nas localidades onde a medida foi posta em prática, a média de tempo de resposta do município chega a 1 dia e 5 horas, representando 50% do tempo necessário para a obtenção de um novo CNPJ.

A simplificação da abertura de empresas tornou-se possível por causa da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), rede de sistemas integrados entre a União, estados e municípios. Os municípios devem procurar as Juntas Comerciais e aderir à plataforma oferecida pelos estados para acelerar a abertura de novos negócios.

 

Domingo, 03 Outubro 2021 05:00

“A Amazônia é um milagre vivo”

Sebastião Salgado é um homem visionário e tenaz. Sua missão, há décadas, é salvar o último Éden remanescente, a Amazônia, minado por uma destruição progressiva e imparável. Defender uma região (tão grande quanto a Europa) equivale a evitar que a Terra se autodestrua.

O grande fotógrafo entra bem cedo da manhã no Maxxi, o museu de arte contemporânea em Roma, na Itália, e se detém frente às imagens malucas e proféticas que fazem parte de uma exposição destinada a percorrer as grandes capitais.

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada em Il Messaggero, 01-10-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 Eis a entrevista.

 A COP-26 será inaugurada em Glasgow em um mês. O que você espera dessa cúpula do clima?

Faço logo uma premissa para limpar o campo de qualquer mal-entendido: o meu trabalho não tem referências de tipo político, é uma espécie de missão caracterizada pela independência total. Mas a fotografia é a minha vida. Nas imagens que eu capturo com as lentes, eu expresso as minhas opiniões, a minha ética e, consequentemente, tento também viver de modo coerente. Pessoalmente, alimento uma grande esperança na Cúpula de Glasgow que será realizada em novembro na Escócia. Espero que haja dois aspectos centrais nas discussões previstas.

Primeiro: a preservação da região amazônica, assim como a defesa das florestas temperadas do Canadá, do Alasca, da Sibéria e das grandes extensões desérticas. Isso porque devemos garantir tudo aquilo que ainda não destruímos. O segundo aspecto diz respeito à estratégia a ser elaborada para sanar as feridas infligidas ao ecossistema. Há também o tema do reflorestamento. Por meio de uma fundação, nós já plantamos milhões de árvores de centenas de espécies diferentes desde 1999. Acredito que se deva fazer o mesmo em outros lugares, também aqui na Itália, onde eu vejo o avanço das monoculturas, sobretudo. Caso contrário, perde-se aquela biodiversidade sem a qual a vida na terra será cada vez mais difícil. É preciso agir, e o tempo está se esgotando.

Vamos falar sobre o imposto sobre o carbono: você acha que ele pode realmente servir à causa ambiental e ajudar a reduzir as emissões de CO2 na atmosfera?

Amadureci uma opinião favorável, mas com uma condição: que os valores arrecadados efetivamente sirvam para apoiar projetos rigorosos de proteção da terra. Explico: os créditos devidos pelo CO2 emitido, ou seja, a receita do imposto sobre as emissões de dióxido de carbono, são recursos realmente essenciais se quisermos recuperar o nosso ecossistema começando a plantar florestas. Infelizmente, até hoje, os créditos foram principalmente para apoiar o setor industrial que, em vez de reduzir as emissões nocivas, aumentou a produção.

Estou convencido de que os incentivos no mínimo deveriam ser dirigidos aos agricultores. A abordagem que predomina hoje deve ser revertida, razão pela qual não apenas os representantes do mundo empresarial ou financeiro deveriam ser convidados para Glasgow, mas também os agricultores e os cultivadores. Ajustar o planeta significa agir concretamente com projetos locais, generalizados controláveis. Plantar árvores continua sendo fundamental. Repito isso várias vezes, porque as árvores representam o único instrumento para transformar o CO2 em oxigênio. Na madeira, o carbono é coletado por meio da fotossíntese. Por isso, os créditos do imposto sobre o carbono deveriam ser dirigidos aos agricultores, caso contrário não se resolverá nada.

O que devemos entender aqui e agora, sem perder mais tempo?

O mundo deve entender que a Amazônia é o espaço mais puro que temos à disposição. Uma espécie de Éden. Ecologicamente não contaminado do ponto de vista ambiental, mas também do ponto de vista humano, pois lá reside o maior grupo cultural do planeta, que pode ser rastreado até as nossas raízes. A Amazônia é um milagre vivo. Nela vivem 180 tribos espalhadas, que falam 182 línguas diferentes, dando origem a culturas distintas. Trata-se de um espaço essencial: nessa macrorregião, captura-se a maior quantidade de CO2 do planeta e existe a maior massa de água e de umidade terrestre, capaz de alimentar os chamados rios aéreos. Eu os fotografei o tempo todo: são rios de nuvens, um fenômeno único e incrivelmente poderoso. Confio ao Messaggero, o jornal que o papa lê todos os dias, uma mensagem cheia de realismo. A Amazônia também pode ser comparada a uma espécie de Paraíso terrestre com populações formadas por homens e mulheres não tocados pelo pecado original. É o símbolo daquilo que é bom, narrado no Gênesis.

Por nada menos do que 10 anos você viveu essa realidade extraordinária tanto do ponto de vista natural quanto humano: o que ainda não conseguiu contar com as suas fotos?

Em geral, posso dizer que passei naqueles lugares inacessíveis o tempo necessário para trabalhar como eu queria, completando 48 reportagens. Só há uma história que não consegui terminar por causa da Covid, mas consegui ver tudo o que eu queria.

Depois de uma experiência tão intensa, o que os seus olhos veem que ainda não conseguimos captar?

A constatação de que aquelas tribos somos nós desde o início. Viver com eles é penetrar no desenvolvimento da espécie humana, desde quando o Homo sapiens entrou no continente americano há 20 mil anos, pelo Estreito de Bering, depois da era do gelo. E, quando os portugueses e os espanhóis descobriram as Américas, eles encontraram a nossa progênie, deparando-se com a pré-história da humanidade. Lembrando que ainda hoje existem dezenas de grupos de índios que nunca entraram em contato com a nossa civilização. Considero um grande privilégio ter podido conhecê-los e observá-los. É como se encontrar diante das origens da nossa espécie.

 

Sábado, 02 Outubro 2021 05:00

Os protagonistas da nova política ambiental

Van dos Direitos leva atendimento da Defensoria Pública a 40 catadores de recicláveis no Aterro Sanitário de Cuiabá

No último dia 30, a Defensoria Pública de Mato Grosso atendeu 40 catadores de materiais recicláveis no Aterro Sanitário de Cuiabá. Esses foram os primeiros atendimentos realizados por meio da Van dos Direitos, entregue pessoalmente pela ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Damares Alves, no dia 17 de setembro.

“A grande vantagem da Van dos Direitos é o fato de que, por estar totalmente equipada, podemos chegar à população que não tem acesso à Defensoria Pública, bem como àqueles que não dispõem de recursos tecnológicos. Também é uma forma de divulgar nossos serviços e projetos, já que ainda existem pessoas carentes que não sabem o que fazemos e por quem atuamos”, ressaltou a defensora pública Kelly Monteiro, responsável pelos atendimentos no local.

O veículo conta com um elevador para o acesso de cadeirantes, um gerador de energia, ar-condicionado, computador, impressora, mesa e cadeiras para o atendimento ao público.

De acordo com o primeiro subdefensor público-geral, Rogério Borges Freitas, que acompanhou os atendimentos, a van promove a identificação visual da Defensoria Pública por ter o logotipo do órgão e até mesmo pelo nome, Van dos Direitos, que chama a atenção da população.

“A pessoa já identifica que os profissionais estão ali na proteção dos direitos humanos. Trouxe uma melhor organização do trabalho que é feito de forma itinerante. O mais interessante é que tem elevador, o que proporciona às pessoas com deficiência um atendimento com muita dignidade, segurança e autonomia”, afirmou.

Vulnerabilidade social

 O Gaedic Catadores de Materiais Recicláveis enviou um ofício à secretária Nacional de Proteção Global, Mariana Neris, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no dia 20 de setembro, formalizando o pedido de moradia, saúde e educação para 342 famílias do Aterro Sanitário de Cuiabá, que trabalham e vivem em situação insalubre e de extrema vulnerabilidade.

A secretária visitou o aterro no dia 18 de setembro, na companhia de três defensoras públicas, a secretária executiva da DPMT, Luziane de Castro, a coordenadora do Gaedic Catadores, Carolina Weitkiewic e a integrante do grupo, Kelly Monteiro, para conhecer o lugar e verificar de perto as condições de vida e trabalho das famílias.

Segundo Kelly, foram realizadas tratativas com a Prefeitura de Cuiabá para melhorias na condição socioeconômica dos catadores que trabalham no Lixão. Em cumprimento ao TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), acordado judicialmente, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Direitos Humanos e da Pessoa com Deficiência (SMASDH) solicitou uma parceria com a Defensoria Pública para a entrega das cestas básicas – que devem ser distribuídas por 12 meses aos trabalhadores.

Em abril, a Defensoria Pública, por meio do Grupo de Atuação Estratégica em Direitos Coletivos (Gaedic) em defesa dos Catadores de Materiais Recicláveis, solicitou ao prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, que providenciasse um auxílio emergencial no valor mínimo mensal de R$ 500,00 por três meses, além de materiais de biossegurança e distribuição de cestas básicas aos catadores que trabalham no Aterro Sanitário por conta da pandemia de Covid-19.

De acordo com a defensora, que acompanha o caso de perto desde o início, o pagamento do auxílio emergencial aos catadores está previsto para o fim de outubro – o projeto vai ser votado pela Câmara Municipal.

Benefícios

 “Diante dos constantes pedidos de catadores e catadoras idosos e com filhos com deficiência, o Gaedic Catadores decidiu acompanhar a entrega e promover a um mutirão para que fosse expedido relatório de todos estes catadores que necessitam de benefícios sociais”, pontuou Kelly.

Os serviços mais procurados foram a orientação jurídica, a busca de documentos civis, com expedição de 2ª via de identidade (RG), e casos na área da saúde.

“Fizemos encaminhamentos para as unidades de saúde de alguns que também foram atendidos pelo Projeto AMOR, do Município. Pelo fato dos atendimentos em saúde terem ocorrido somente no período da manhã, solicitei ao secretário municipal de Governo que providencie nova data para maior abrangência dos atendimentos, já que vários catadores e catadoras não puderam se consultar e/ou vacinar (vacina da gripe) por conta dos trabalhos em cima do aterro”, relatou a defensora.

A Defensoria Pública participa de reuniões ordinárias, duas a cada 15 dias, junto ao Comitê Interinstitucional, editado por Decreto Municipal, buscando a implantação de políticas públicas voltadas ao cumprimento do Plano Nacional de Resíduos Sólidos, para que os catadores de recicláveis sejam integrados à sociedade e se tornem protagonistas da nova política ambiental.

“Aguardo o retorno do Programa AMOR para verificar as questões de saúde, os encaminhamentos que eles vão dar e os que precisam de ação para atendimento de cirurgias”, disse Kelly.

Segundo a Prefeitura, o Programa AMOR – Assistência Médica e Odontológica Rural tem como objetivo ampliar a cobertura da atenção básica, por meio do atendimento resolutivo com responsabilidade e qualidade, de acordo com as necessidades de saúde da população das comunidades rurais descobertas pela Equipe de Saúde da Família – ESF.

A defensora pública também solicitou à Secretaria Municipal uma reunião para que seja emitido um relatório das pessoas vulneráveis que têm direito aos benefícios sociais, mas não recebem por não estarem inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (Cad Único).

“Por isso, entramos no mutirão. Apesar de eu estar semanalmente no Aterro Sanitário, ainda existem pessoas sem documento civil no local”, declarou.

Sábado, 02 Outubro 2021 05:00

Uma conexão diferente com a alimentação

O veganismo é considerado uma postura política e não uma dieta. Entenda os tipos de dieta vegetariana e o que é veganismo.

Há alguns anos, a negociação para uma alimentação mais baseada em verduras, legumes e frutas era difícil entre nutricionistas e pacientes. Mas esse cenário vem mudando cada vez mais. De acordo com dados da Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec), em todas as regiões brasileiras - e independentemente da faixa etária -, 46% dos brasileiros já deixam de comer carne, por vontade própria, pelo menos uma vez na semana.

Uma pesquisa de 2018, encomendada pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) ao Ibope, mostrava que 14% dos brasileiros se consideravam vegetarianos e estavam dispostos a escolher mais produtos veganos (entenda a diferença) também. Especialistas e pessoas que adotam esse tipo de dieta reforçam que a alimentação sem carne acaba influenciando diretamente na qualidade de vida. 

Segundo a nutricionista Shila Minari , as dietas vegetarianas adequadamente planejadas, incluindo as totalmente vegetarianas ou veganas, são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem proporcionar benefícios para a saúde na prevenção e no tratamento de certas doenças. Quando corretamente planejadas, elas podem ser adotadas em todas as etapas da vida, incluindo a gravidez, a lactação, a infância e a adolescência, bem como ser seguida por atletas.

“É preciso entender sua escolha, se informar, aprender a substituir e a se alimentar de forma variada e adequada”, destaca a jornalista Mariana Camargo, de 34 anos, que é vegetariana há nove anos. Antes de adotar a dieta vegetariana, nem tomate ela comia. Hoje, ela conta, rindo, que ama escolher brócolis no mercado e testar receitas novas para variar cada vez mais o cardápio.

Grávida de uma menina, ela diz que encontrou resistência ao manifestar sua decisão de manter o estilo de vida durante a gestação, por julgarem sua escolha. “A orientação era sempre de ter mais cuidado. Cheguei a ser aconselhada a comer carne por um dos médicos. Mas sou vegetariana há muitos anos e, nesse tempo, aprendi a substituir, me cuidar e me alimentar adequadamente”. Mariana explica que faz a mesma suplementação de uma gestante que come carne: “Não tive nenhum problema. Pelo contrário, a alimentação vegetariana nos incentiva a comer menos processados e mais verduras e legumes frescos, o que é muito positivo para a mãe e para o bebê”. 

A empresária Maria Cleomana Targino conta que seu primeiro contato com o vegetarianismo aconteceu quando uma amiga vegetariana afirmou que a alimentação baseada em produtos de origem animal, que Cleomana até então adotava, não era saudável. “Depois disso, a vontade de buscar informações sobre a alimentação vegetariana cresceu cada vez mais”, explica. Por trabalhar em casa, Cleomana diz que não enfrenta tantas dificuldades para se alimentar no dia a dia.

“A minha alimentação é à base de grãos, vegetais, sementes. Sempre estou indo à feira e buscando novas especiarias também”, diz a empreendedora, que já é vegetariana há seis anos e planeja uma transição para o veganismo. 

A nutricionista Lara Natacci, mestre e doutora pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e integrante da Comissão de Comunicação da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN), explica as diferenças entre a dieta vegana e vegetariana. “A dieta vegetariana é aquela onde a gente não inclui carne, frango e peixe. As pessoas que fazem a dieta vegetariana normalmente consomem leite e derivados e ovos. Existe o vegetariano estrito, que não consome nenhum alimento de origem animal, então ele não consome carne vermelha, carne de frango, carne de peixe, não consome nem ovos e nem leite e derivados. Temos também o vegano, que não consome nenhum alimento de origem animal e nenhum produto de origem animal também”, exemplifica Lara Natacci. 

Entenda os tipos de dieta vegetariana:

Ovolactovegetarianos

Não ingerem nenhum tipo de carne (nem frango, peixe ou frutos do mar), mas consomem laticínios e ovos. Esse tipo de vegetarianismo é o mais comum.

Lactovegetarianos

Além de não ingerir nenhum tipo de carne – como os ovolactovegetarianos -, os lactovegetarianos excluem os ovos da dieta. É o tipo de vegetarianismo predominante em países como a Índia, de acordo com a Sociedade Vegetariana Brasileira.

Vegetarianos estritos

Não ingerem nenhum tipo de carne, laticínios ou ovos.

E o que é o veganismo?

Por motivações éticas, os veganos não consomem nada de origem animal em nenhuma área de sua vida. Alimentação, vestuário, espetáculos ou qualquer outro tipo de atividade que envolva sofrimento animal é excluída da vida de uma pessoa vegana. O veganismo é uma postura política e não uma dieta.

Para Lara Natacci, o maior cuidado que deve ter alguém que queira fazer esse tipo de alimentação é buscar a orientação de um profissional especializado, o que ajuda a alcançar uma alimentação equilibrada e bem planejada, além das informações para fazer as substituições necessárias. “Não adianta nada deixar de consumir carne no nosso prato para consumir, em seu lugar, um alimento muito rico em carboidrato e que não seja rico em proteína”, diz a nutricionista. 

Ela lembra que muitos alimentos de origem animal são mais ricos em gordura saturada. Esse tipo de alimentação pode contribuir para o desenvolvimento de alguns tipos de doenças crônicas não transmissíveis, principalmente as cardiovasculares.

Sobre os aspectos nutricionais da dieta, a nutricionista Shila Minari reforça que pessoas vegetarianas também podem ter problemas por fazerem escolhas alimentares erradas. Shila aconselha a inclusão de leguminosas e fontes de proteína não animal na alimentação. “Suplementos de vitamina B12 muitas vezes são necessários para os vegetarianos. Essa é a única vitamina que não se consegue suprir com esse tipo de alimentação”, explica. 

Para ter uma dieta balanceada e não compensar a falta de proteína animal com outros alimentos pobres em nutrientes, ela aconselha acompanhamento especializado. “É importante que quem vá começar uma dieta vegetariana faça acompanhamento nutricional".

O mercado voltado especificamente para esse público também vem sendo mais explorado. Misael Heron e Julyana Pinheiro são de Brasília e criaram o Cozinha Muju em 2019, com produtos artesanais e autorais. “A nossa venda era baseada em molhos e geleias, sem uso de produtos de origem animal. Com o tempo, a gente foi expandindo o cardápio e incluímos pães de fermentação natural e alguns doces. Hoje funcionamos como uma pequena padaria sem nada de origem animal”, destaca Julyana. 

“Os cardápios que a gente faz são semanais e respeitam a sazonalidade dos produtos. Além disso, as frutas e as hortaliças usadas nos preparos vêm direto dos pequenos produtores locais e orgânicos da região”, complementa Misael.

Quer começar?

Para Mariana, a relação com o alimento deveria ser a mesma em qualquer tipo de alimentação. Ela explica que, no vegetarianismo, as pessoas tendem a criar uma conexão diferente com a alimentação. “Acho que esse cuidado deveria ser o mesmo para qualquer escolha alimentar. Deveríamos olhar para o que comemos e saber escolher as melhores opções, variar alimentação, explorar combinações e transformar o alimento em cuidado pessoal”, diz. 

A "Segunda sem Carne", iniciativa da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), pode ser uma alternativa para quem quer começar a adotar esse tipo de dieta ou diminuir o consumo de proteínas de origem animal. Outro caminho é a dieta flexitariana: há uma diminuição no consumo de alimentos de origem animal, mas as pessoas não deixam de consumir definitivamente esses alimentos. “Seria realmente um intermediário entre a dieta vegetariana e a dieta onívora, e já traz alguns benefícios tanto para a nossa saúde, quanto para o planeta”, completa Lara Natacci. 

“É muito importante que a gente tenha essa opção, porque muitas vezes quando a gente faz mudanças muito bruscas na alimentação ou nos nossos hábitos, não consegue sustentá-las em longo prazo. Por isso, fazer pequenas mudanças já pode gerar bons resultados”. (Fonte: Agência Brasil)

Sexta, 01 Outubro 2021 11:38

‘Aquarela da Saúde’

Outubro rosa: Inclua prevenção e autocuidado à sua rotina.

Na Unimed Cuiabá as atividades educativas são realizadas dentro da Aquarela da Saúde e o cuidado aos diagnosticados pela doença é feito de forma humanizada e especializada na Jornada do Paciente Oncológico (JPO).

O mês de outubro é conhecido mundialmente e marcado pelo reforço das ações de prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Na Unimed Cuiabá as atividades educativas são realizadas dentro da Aquarela da Saúde e o cuidado aos diagnosticados pela doença é feito de forma humanizada e especializada na Jornada do Paciente Oncológico (JPO).

A  doença é causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos. Há vários tipos de câncer de mama. Na maioria dos casos, quando tratados adequadamente e em tempo oportuno, apresentam bom prognóstico. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

O médico mastologista, Dr. Luciano Florisbelo da Silva explica que este é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres, no mundo e no Brasil, depois do câncer de pele não melanoma. “O tumor responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres. A postura atenta da mulher em relação à saúde das mamas significa conhecer o corpo e quais alterações podem ser consideradas suspeitas. Por isso, é fundamental para a detecção precoce a realização do autoexame – exame de toque das mamas. Ele deve ser feito todos os meses, sempre, no quinto dia após a menstruação”, ressalta.

DADOS

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), neste ano foram estimados 66.280 casos novos, o que representa uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100 mil mulheres. A doença está entre as que tiveram a prevenção e tratamento afetados pela pandemia da Covid-19. Por isso manter o autocuidado e ações preventivas são ações importantes.

O especialista destaca ainda que o câncer de mama é uma doença curável e prevenível. Para isso é necessária a inserção de hábitos saudáveis (alimentação equilibrada, atividades físicas e evitar bebidas alcoólicas e produtos derivados de tabaco) e cuidados com a saúde (autoexame, visitas periódicas ao médico e exames preventivos). “No câncer de mama a prevenção e a rotina de autocuidado são fundamentais. Vale destacar que cerca de 10% dos casos são de caráter hereditário, por isso investir em hábitos saudáveis e cuidados com a saúde pode reduzir o risco de adquirir a doença”, alerta o mastologista.

Outro fator importante frisado pelo médico é que não há uma causa específica para o surgimento do câncer de mama, mas diversos fatores podem influenciar, tais como: envelhecimento, excesso de peso, sedentarismo, histórico familiar para a doença, consumo de álcool, exposição à radiação ionizante (proveniente da radiação eletromagnética e gama, presente nos aparelhos de raios X e algumas frequências de ultravioleta).

“Por isso é importante que a mulher conheça seu corpo e fique atenta aos sinais de alerta. Entre eles: alteração na assimetria da mama, desvio ou inversão do mamilo, alteração na coloração do mamilo, vermelhidão no mamilo ou na mama, e secreção avermelhada, rosada ou incolor. Os sinais devem ser investigados pelo médico, e podem ser relacionados a doenças benignas.”

AQUARELA DA SAÚDE

A atividade tem por finalidade a educação em saúde e o autocuidado. Fazem parte da Aquarela conteúdo para redes sociais, com destaque ao cuidado e prevenção. No mês de outubro a cor é o rosa e o tema “Diagnóstico precoce é vital na luta contra o câncer de mama”.  

JPO

A Jornada do Paciente Oncológico (JPO), é uma rede de apoio à prevenção, diagnóstico e tratamento de câncer com objetivo de aprimorar os cuidados que os clientes Unimed Cuiabá já recebem. Ela foi criada baseando-se nas recomendações do Projeto OncoRede da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), e implementa um novo modelo de cuidado para tratamento do câncer.

Todos os clientes da Unimed Cuiabá diagnosticados com câncer são elegíveis para a Jornada. Os pacientes em Intercâmbio dependem da autorização da Unimed de Origem.

 

Os convites serão disponibilizados na portaria uma hora antes do espetáculo, neste fim de semana.

A programação cultural do Cine Teatro Cuiabá contará com duas apresentações gratuitas da consolidada peça Bereu, encenada pela Cia Cena Onze de Teatro, nos dias 02 e 03 de outubro, às 19h30, presencialmente. Os convites serão disponibilizados na portaria uma hora antes do espetáculo. O projeto é realizado com recursos da Lei Aldir Blanc e foi selecionado no edital MT Nascentes, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

"Mais uma oportunidade para a população prestigiar e conhecer esse mundo das recuperandas. Ter mais acesso a ele, nos possibilita diminuir o preconceito ainda existente. Elas erraram sim, mas já estão pagando por isso  e merecem ser acolhidas", destaca Flávio Ferreira, diretor da peça.

Ferreira Também lembra que Bereu é uma ferramenta para o debate sobre a melhoria das leis voltadas à proteção dessas mulheres.  "Queremos mostrar que há leis que deveriam protegê-las, porém não estão sendo cumpridas, além de indagar sobre o que as levou pro crime. Por último, questionar sobre as responsabilidades do Estado e a nossa enquanto cidadãos", frisa.

Bereu é fruto de um trabalho que durou 10 anos, envolvendo pesquisas, convivência, leituras e rodas de conversas com pesquisadoras e trabalhadoras de presídios femininos no Brasil.   O diretor ainda nota que as prisões estão superlotadas e cada  pessoa presa custa, em média,  três mil reais por mês para os cofres públicos. 

Além da peça Bereu, a Cia Cena Onze realiza oficinas de teatro, dança e figurino no presídio Ana Maria do Couto May, em Cuiabá. No local, também foram realizados alguns dos estudos, demonstrando que o abandono social, a ausência de políticas sociais sérias, a falta de investimentos na educação, entre outros, são os fatores que mais contribuem para o aumento significativo da inserção da mulher no crime.

Medidas Covid -19: A ação no Cine Teatro cumpre todas as medidas de biossegurança e disponibiliza  álcool em gel, orientando também o público a manter o distanciamento.

PROGRAMAÇÃO:
O que: Apresentações Bereu
Quando: 02 e 03 de outubro, às 19h30 
Onde: Cine Teatro Cuiabá

 

Sexta, 01 Outubro 2021 05:00

A arte dialoga com os animais

A artista Michelle Diehl exalta os valores terapêuticos da pintura e a relação direta com os sentimentos, afetos e emoções. Em telas de mosaico,  expõe o amor pelos animais.

Os pet lovers já tem parada obrigatória entre os dias 04 a 30 de outubro. Neste período acontece no Shopping Estação a exposição Meus Gatos por Michelle Diehl. Sensibilidade, amor e aprendizado são as características que serão encontradas em seus quadros trabalhados em mosaico representando o mundo felino. A exposição traz consigo ainda a Feira de Adoção, onde o objetivo é dar um lar para um total de 30 animais, entre gatos e cachorros.

Michelle Diehl é jornalista e apresentadora. Inseriu-se no mundo das artes durante a pandemia para tentar amenizar as crises de bipolaridade, síndrome do pânico e depressão com as quais estava sofrendo. E funcionou. “A arte me salvou em um dos piores momentos da minha vida. Entre pinceis, tintas e telas, me esquecia dos problemas e me encontrava comigo mesma”, declara.

O tema gatos está presente em sua vida desde a infância. “Quando morava na Argentina em Buenos Aires, lembro que minha mãe plantou um pinho no quintal e ele era enorme. Lá moravam os nossos 18 gatos”, recorda. Ela explica que estes animais refletem nela equilíbrio, respeito, vaidade e reciprocidade. “Sempre viajei a minha vida inteira, me mudando e tive que conquistar o meu espaço o tempo todo, me adaptar, aprender a falar uma nova língua, entender novos códigos de conduta. Enfim, os gatos me auxiliam nisso tudo”, suspira.

O primeiro quadro que Michelle produziu foi um mosaico em cores sem figura definida. A partir do segundo em diante é que ela começou a pintar os bichanos que tanto ama. “Quando fiz isso pensei: Ah! Vou ficar boa nisso. Em pintar gatos”, lembra. A jornalista teve contato com vários artistas internacionais quando frequentou uma escola de artes em São Paulo. “Gosto muito de impressionistas, cubistas, realistas e diversos outros. Não sei ao certo qual é o estilo da minha arte, mas sei que tenho uma identidade. Acredito que a arte quem define é quem aprecia”, conta.

A ideia de expor o seu trabalho aconteceu pelo incentivo de dois amigos, os colunistas sociais Valdomiro Arruda e Hebert Mattos. “Eles me apoiaram e me convenceram a divulgar o que estou fazendo”, diz.

Como Michelle acredita no amor dos animais, a exposição não poderia passar sem uma Feira de Adoção que acontecerá aos domingos, mais especificamente nos dias 10, 17 e 24 de outubro, das 17h às 20h. Em cada um destes dias, 10 animais resgatados estarão disponíveis para adoção, todos vacinados, em parceria com as Ongs Lunaar, Tampatinhas Cuiabá e Grupo Amor Animal. Inclusive, durante todo o evento frascos de desodorante aerossol e tampinhas de garrafas pet serão arrecadados para auxiliar as instituições.

“Um bicho de companhia é mais um membro da família. Eles trazem amor, responsabilidade e carinho. Exigem sacrifício, mas é amor acima de tudo. Principalmente estes que são resgatados, castrados e reinseridos em lares que realmente vão acolhê-los. Entendo que isso é uma função social e precisamos olhar esse lado”, destaca Michelle.

Serviço

Exposição Meu Gatos por Michelle Diehl – 04 a 30 de outubro das 10h às 22h na Galeria Cultural do Shopping Estação.

Feira de Adoção – 10, 17 e 24 de outubro na Galeria Cultural do Shopping Estação das 17h às 20h. Não será necessário nenhum tipo de contribuição para adotar.

 

Dourado entra e Tigre permanece como critério de maior ganhador de títulos do Estado de Mato Grosso.

Com a entrada em vigor da nova medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) no último dia 27, que altera o Decreto nº 6.187 da Timemania, abriu mais uma vaga para o time do coração em Mato Grosso, Cuiabá Esporte Clube e Mixto Esporte Clube estarão na lista.

De acordo com as novas regras o Mixto tem vaga garantida mesmo estando na segunda divisão do mato-grossense, por ser o time com maior número de títulos de campeão estadual do Estado. Já o Cuiabá entrará nas apostas por ter participado da Série B, no biênio anterior, e está disputando a Série A.

Com isso Mato Grosso ganha uma nova rivalidade entre os dois times mato-grossenses, agora pela melhor colocação na tabela no Timemania. A quem diga que os mixtenses já preparam as ofensivas para vencer em números de apostas dos torcedores do Cuiabá e continuar se mantendo à frente nas apostas. Os jogos servirão para medir a intensidade da torcida das duas agremiações, e acirrar mais a rivalidade dos dois times.

O Mixto conquistou em sua história 24 campeonatos mato-grossense e o Cuiabá 9, e está na série A do Campeonato Brasileiro e participou em 2019 da série B.

O Mixto emitiu nota sobre matérias veiculadas na imprensa que tiravam o Mixto da Timemania, segue NOTA.

Quanto a notícias incorretas veiculadas excluindo o Mixto da timemania.

O Mixto Esporte Clube, instituição fundada em 20 de maio de 1934, clube maior campeão estadual nas categorias masculino e feminino vem a público esclarecer que;

Com relação a diversas reportagens veiculadas na mídia afirmando que o Cuiabá substituirá o Mixto na Timemania:

A diretoria do Tigre das Vargas informa que tais alegações são inverídicas, o Mixto Esporte Clube preenche requisito de ser maior campeão estadual, exigência essa que já existia e manteve-se retirando o limite de ano até 2006, uma vez que o Decreto apenas atualizou dois artigos, sendo o outro a retirada da limitação até o ano de 2007 para os clubes da série A e B, agora ficando Biênio para quem não tem maior número de campeonatos no Estado.

Mixto permanece na Timemania no próximo ano, como cumpridor do critério de maior ganhador de títulos do Estado de Mato Grosso. (Fonte: LEGISWEB)

Segue decreto que versa sobre o tema: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=420822 Novo Decreto presidencial Nº 10811 de 27/09/2021

Pres. Dr. Vinicius Falcão

Vice Pres. Dr. Fause Chauchar

 

A releitura das obras foi inspirado em dois renomados artistas da atualidade .

Inspirada em dois grandes artistas modernistas, Piet Mondrian e Keith Haring, a professora de Arte Joseane Beal Caleffi fez uma releitura das obras deles retratando um painel do hall de entrada da Escola de Desenvolvimento Integral da Educação Básica (Edieb) Benedito Santana da Silva Freire, na cidade de Sinop. A ideia foi recepcionar os novos alunos e comunidade escolar.

Na obra, que impressionou a todos pela beleza e a alegria, Joseane inseriu as inicias do nome da escola, como um toque de personalidade e identidade.

“A gestão da escola incentiva e se alegra com os trabalhos desenvolvidos pela professora Joseane, que tanto tem contribuído para melhoria do ambiente escolar. Poder contar com profissionais pró-ativos e dispostos a fazer trabalhos que vão além da sala de aula, é gratificante”, assinala o secretário da unidade, Rafael Lopes.

A professora tem um intenso trabalho de reinterpretação de grandes obras. Seu último trabalho foi a releitura de um clássico de Van Gogh, Noite Estrelada, que também encantou os novos alunos.

Em algumas dessas produções conta com a ajuda de um colega de trabalho e também professor de Arte Sidinei Santos, que tem sido um parceiro da escola neste sentido.

“O principal benefício da atividade de releitura é desmitificar o processo de criação: inspiração não vem do nada. Num mundo tão saturado de motivações, os estudantes aprendem que é possível produzir algo diferente usando outras obras como referência” destaca Joseane.

Para trabalhos futuros, a professora planeja organizar e desenvolver projetos que envolvam os alunos da disciplina de arte.

Página 5 de 166