Blog da Condessa

Blog da Condessa

Um evento que une a sensibilidade e a interatividade da Academia Mato-Grossense de Letras (AML) com a sociedade. Um sarau no qual a poesia, a música e a performance entram em cena,  através das composições, declamações e dramatizações.

Uma instituição que caminha para o primeiro centenário merece iniciar as comemorações do seu aniversário com antecedência, antes de chegar o dia 7 de setembro. O Sarau Literomusical - 100 anos da Academia Mato-Grossense de Letras promete grandes momentos, no dia 28 de maio (sexta-feira), das 18 às 21 horas, na Casa Barão de Melgaço, sua sede e também com transmissão ao vivo pelo Instagram da AML  https://instagram.com/academiadeletrasmt?utm_medium=copy_link
e as apresentações artísticas partir das 19h30 pelo canal do you Tube da instituição:
https://www.youtube.com/watch?v=S3B8vdi5sZs

Segundo a presidente da AML, Sueli Batista, o objetivo é mostrar que a Academia Mato-grossense de Letras está abrindo as comemorações do seu centenário e o faz reunindo num só espaço a intelectualidade e a classe artística numa ebulição cultural e de contextualização histórica, dando um tom maior para as diversas manifestações artísticas em uma época tão restritiva e limitante. 

“A Casa Barão encontrou uma forma de trazer a sociedade para mais perto dos seus espaços, mesmo enfrentando dificuldades para abrir suas portas”, disse ela.

O Sarau Literomusical apresenta cantores, músicos, atores, declamadores e escritores. Já os  livros ganham destaques no salão social, através da exposição que contempla obras de 42 autores, que pertencem ou pertenceram a Cadeiras da AML, e também dos que aspiram ingressar na instituição.

“O conjunto de atividades mostrará como a casa é rica em cultura e pluralidades, que vão além da literatura, conversando amigavelmente com a história, a geografia, o jornalismo, a pesquisa, o direito, dentre outras formas de expressão que nela residem”, frisou. A própria presidente já escreveu como memorialista, poeta e recentemente fez sua estreia na literatura infantil.

O evento é uma realização da Lei Aldir Blanc em Mato Grosso, no edital executado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), com recursos da Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo.

Convidado Nacional
                              
Carlos Navas intérprete brasileiro que tem uma trajetória nacional de sucesso, com 25 anos de carreira, é o convidado nacional do Sarau. Ele estará acompanhado pelo músico Paulo Miranda.

Serviço
O que: Sarau Literomusical 100 Anos da Academia Mato-Grossense de Letras
Quando: Dia 28 de maio – Sexta - das 18h às 21h
Local: Casa Barão de Melgaço – (Rua Barão de Melgaço 3684) Centro- Cuiabá / MT
Evento gratuito com confirmações antecipadas
Haverá transmissão online do evento, a partir das apresentações artísticas às 19h30 pelo canal da AML:
https://www.youtube.com/watch?v=S3B8vdi5sZs

Confira a programação completa:
https://www.flipsnack.com/9DAF5EDD75E/programa-folder-sarau-2021-aml-100-anos.html


 

Pedido atende aos anseios de jovens militantes na política.

Mato Grosso deverá instituir a Secretaria Estadual da Juventude - Sejuv. A indicação foi feita pelo primeiro-secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Eduardo Botelho (DEM), no último dia 26, após reunião com a militância jovem no auditório Milton Figueiredo da ALMT.

De acordo com Gabriel Guilherme, um dos idealizadores, a iniciativa é essencial para estimular jovens a buscar novos desafios e ingressar na política, bem como para desenvolver projetos voltados à categoria. Explicou que recorreram a Botelho diante do trabalho realizado, a exemplo, dos programas Por Dentro da Capital, Instituto Memória nas escolas e Educação Legislativa em Movimento.  

“Escolhemos Botelho por ser um deputado que tem essa proximidade com a juventude. Enquanto foi presidente do Parlamento, idealizou junto à Assembleia Itinerante uma roupagem de formação, de preparo desses jovens para o mercado de trabalho. Então, nada mais importante do que um parlamentar que pensa nos jovens para articular, junto ao governador Mauro Mendes, a pauta de criação dessa secretaria”, disse Gabriel.

Na indicação, Botelho destaca a luta em defesa da juventude mato-grossense. “Esta Secretaria poderá atender os jovens quanto à formação, capacitação, além de ações voltadas à área social, esporte, lazer, saúde preventiva, educação e cultura, de forma igualitária, oportunizando para que os jovens possam ser reconhecidos, com espaço para atuação na elaboração de políticas públicas”, afirmou Botelho.

Também à frente desse objetivo, Rafael Oliveira, articulador junto à Secretaria Nacional da Juventude, explicou a importância do pleito. Destacou que os jovens representam 24% da população mato-grossense e que nas últimas eleições 1.405 jovens foram candidatos, sendo eleitos 68. “Essa secretaria representa a nossa autonomia. É preciso pensar na juventude agora”, disse.  

“Encaminhamos a indicação e defesa para o governador Mauro Mendes. Acho muito importante, pois vários estados e municípios já têm essa secretaria. Ela coloca os jovens dentro da política. O Papa Francisco quando veio ao Brasil disse que o jovem é a janela por onde o futuro entra na terra, entra na sociedade. Então, vamos usar essa janela para que possamos fazer a voz dos jovens ser ouvida, empoderá-los e garantir um futuro muito melhor. Podem contar com a nossa defesa!”, garantiu Botelho.    

À Sejuv caberá: promover a integração e manutenção na agenda de políticas públicas voltadas para a infância e juventude; garantir a implantação dos planos e demais instrumentos de planejamento voltados à promoção de políticas de fortalecimento da infância e da juventude; articular esforços junto às demais secretarias, órgãos, conselhos participativos, organizações da sociedade civil, iniciativa privada e demais instituições de esferas públicas de outros entes federados para a proteção da criança, adolescente e do fortalecimento da juventude; dentre outras ações.  

 

 

 

Oftalmologista do MT Saúde afirma que tratamento adequado pode proporcionar vida normal ao paciente com glaucoma. Na maioria dos casos o tratamento é feito com uso de colírios para controle da pressão intraocular, mas se não tratada, doença pode levar à cegueira.

O glaucoma não tem cura. Contudo, existem diversas formas de controle da doença disponíveis que permitem oferecer aos pacientes com glaucoma uma vida normal. A oftalmologista Heloísa Ramos Aguiar de Freitas, credenciada ao Mato Grosso Saúde pela Clínica Vida, observa que quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores serão as probabilidades de se evitar a perda da visão. 

“Na maioria dos casos, desde que o glaucoma seja tratado adequadamente poderemos controlar eficazmente a doença”, orienta a especialista.

Heloísa ainda explica que o glaucoma é uma doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo ótico e, como consequência, comprometimento visual. Se não for tratado adequadamente, pode levar à cegueira.

“No glaucoma, o tratamento tem como objetivo reduzir ou estabilizar a pressão intraocular. Quando este objetivo é atingido, o dano das estruturas oculares, principalmente do nervo óptico, pode ser evitado”, pondera a médica.

Na maioria dos casos, o tratamento de glaucoma pode ser realizado apenas com o recurso dos colírios hipotensores (para baixar a pressão), não sendo, portanto, necessário qualquer tipo de tratamento cirúrgico.

Alguns pacientes, no entanto, podem necessitar de tratamento cirúrgico de modo a reduzir a pressão intraocular para níveis mais baixos.

“Tratamento inadequado ou falta de tratamento podem levar à cegueira. Consulte com regularidade o oftalmologista. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento”, alerta a médica.

Tipos da doença

Há vários tipos de glaucoma. Os principais são os glaucomas de ângulo aberto ou fechado, que representam cerca de 80% dos casos, incidem nas pessoas acima de 40 anos e podem ser assintomáticos. Ele é causado por uma alteração anatômica na região do ângulo da câmara anterior, que impede a saída do humor aquoso, aumentando a pressão intraocular.

A principal característica do glaucoma de ângulo fechado, detalha a especialista, é o aumento súbito de pressão intraocular. Este tipo é mais incomum, porém de alta prevalência.

Existem ainda os glaucomas secundários, segundo a médica, que são decorrentes de enfermidades como diabetes, inflamações, o uso de medicamentos como os corticóides, inflamações intraoculares (uveítes), e até mesmo a catarata.

“A doença é assintomática no início. A perda visual só ocorre em fases mais avançadas e compromete primeiro a visão periférica. Depois, o campo visual vai se estreitando progressivamente até transformar-se em visão tubular. Sem tratamento, o paciente fica cego”, reforça a oftalmologista.

Sintomas

De modo geral, dois sinais merecem a atenção: pressão intraocular acima da média e alterações no nervo ótico, perceptíveis no exame de fundo de olho. Outros fatores podem ajudar a confirmar o diagnóstico.

Os principais fatores de risco para a doença, de forma geral, são a raça negra, a idade avançada, em especial pacientes acima dos 35 anos e portadores de doenças crônicas como diabetes e miopia. Outro fator de risco importante é a história familiar, com pacientes de primeiro grau que sofrem da doença. 

“Não se descuide da adesão e regularidade do tratamento quando diagnosticado o glaucoma. Muitas pessoas deixam de seguir as recomendações do médico pela ausência de sintomas. Isso pode ter graves consequências”, completa a oftalmologista.

 

A live de lançamento do livro da autora Vera Capilé acontece no próximo dia 28 ( sexta-feira) às 19 horas. O link será disponibilizado no youtube: Cine Teatro Cuiabá. A cantora e compositora Vera Capilé estreia como escritora com a obra “De Mato Grosso a Mato Grosso” - Das fronteiras paraguaias ao centro geodésico da América do Sul a trajetória de um caminhante. De acordo com a autora, o gênero literário pode ser classificado como um documentário. São 179 páginas,  editora Entrelinhas. “É um livro de histórias. A história de vida do meu pai, Sinjão Capilé, contada por ele”, disse ela.

A expoente da cultura cuiabana já levou o nome e a música de Mato Grosso para todo o Brasil e para a França em turnê pelo Projeto Pixinguinha ao lado de Simone Guimarães e Renato Brás. Ela cantou, entre outras músicas, o hino de São Benedito, do qual é devota. A artista também é reconhecida por performances memoráveis entoando os hinos de Cuiabá, Mato Grosso e nacional, à capela ou ao som da viola de cocho.

“Meu pai foi um desbravador, um caminhante que muito fez pelo estado uno e pelo dividido, assim, me atirei nesta jornada que aí está no livro. Uma história muito linda, onde faço correlação com a história do Estado, do País, do mundo”, conclui Vera Capilé.

 

 

 

Quarta, 26 Mai 2021 05:00

‘Adote um amor’

Cartilha estimula adoção de crianças mais velhas e com deficiência e tira principais dúvidas para quem deseja adotar.

 No Dia Nacional da Adoção, celebrado no último dia 25, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) lançou uma cartilha para incentivar a adoção de crianças e adolescentes mais velhos, a chamada adoção tardia, e a adoção de crianças com deficiência ou doenças raras. 

Intitulado Adote um amor, o material explica como é o processo de adoção, quem pode adotar, os custos para uma adoção, quanto tempo leva, entre outras das principais dúvidas de quem deseja adotar no Brasil. Atualmente, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cerca de 5 mil crianças estão na fila da adoção e existem cerca 35 mil pais interessados. Mesmo assim, existe uma dificuldade enorme de adoção no caso de crianças mais velhas ou com deficiência e por isso a fila não é zerada. Do total de crianças em abrigos para adoção, cerca de 25% são portadoras de deficiência ou de doenças raras. 

"A iniciativa de desenvolvimento da cartilha é um importante material que visa incentivar e orientar os futuros pais e mães do nosso Brasil, informando sobre a cultura da adoção, de modo a incentivar que cada vez mais pessoas conheçam e optem pela adoção de crianças com deficiência ou com doenças raras, como nanismo, albinismo, autismo, etc., considerando que lugar de criança é numa família", afirmou a secretária nacional dos direitos das pessoas com deficiência, Priscila Gaspar, durante a abertura de seminário virtual sobre o tema organizado pelo MMFDH. 

No capítulo que trata da adoção tardia, a cartilha fala das especificidades desse tipo de adoção e ainda dá dicas de filmes e outros materiais em vídeo que contam histórias de adoção tardia de crianças e adolescentes, como forma de estimular os potenciais pais adotivos. 

"Eu discordo muito desse termo, porque nunca é tarde para se adotar", afirmou a ministra Damares Alves, também na abertura do seminário. A própria ministra, que adotou uma filha de origem indígena quando a menina tinha 6 anos de idade, afirma que a experiência afetiva foi transformadora.  

"A adoção da Lulu [Kamayurá] mudou a minha vida. Eu tenho usado muito a minha história para incentivar, falar e dizer ao Brasil, especialmente ao povo cristão, que fala que foi adotado por Deus, que eles precisam adotar mais no Brasil", enfatizou Damares.

Na parte que trata da adoção de crianças com deficiência e doenças raras, a cartilha ressalta que é importante a disseminação de informações completas para que famílias em potencial reduzam as próprias barreiras para adotar uma criança com essas características. 

Atualmente, 55,6% dos pretendentes habilitados afirmam aceitar adotar crianças com alguma deficiência ou doença. Entretanto, apenas 5,36% desses pretendentes aceitariam adotar uma criança com HIV, 4,1% concordariam com a adoção de criança com deficiência física, e somente 2,5% se habilitaram para receber uma criança com deficiência física e intelectual. 

Para a secretária nacional da Família, Ângela Gandra, qualquer projeto pessoal de adoção deve levar em conta uma escolha afetiva baseada no interesse da criança.  "O projeto pessoal de um pai que quer adotar tem que ser um projeto do coração, no maior interesse da criança. Adoção não é uma feira que tu vai lá escolher. É uma abertura à vida como ela vem, a aceitação das crianças dentro das suas necessidades", afirmou durante o seminário virtual sobre o tema.

Quarta, 26 Mai 2021 05:00

“Passe Livre Atleta”

A vereadora Michelly Alencar (DEM) apresentou projeto que garante passe livre no transporte público municipal para atletas e paratletas de Cuiabá. O objetivo é fomentar a prática esportiva, principalmente para crianças e adolescentes de baixa renda, influenciando o desenvolvimento do esporte profissional na capital.

Conforme o projeto, o “Passe Livre Atleta” abrange todas as modalidades esportivas registrados em suas respectivas associações ou federações, estendendo a garantia aos acompanhantes de menores de 14 anos e ao acompanhante responsável pelos cuidados do paratleta.

Para a vereadora,  o esporte é um fator de inclusão social e o projeto estimula aqueles que têm poucas condições financeiras a continuar com seus treinamentos e a participar de competições.

A parlamentar convidou o atleta olímpico Vicente Lenilson para participar da Tribuna Livre da Câmara e contar sobre sua história de vida e como o esporte foi um instrumento de transformação.

“Antes de praticar o esporte, existiam duas portas na minha frente: a porta ruim e a porta do esporte. O meu professor de educação física me ajudou a entrar na porta do esporte, nunca conheci o outro lado. Assim como o esporte mudou a minha vida, pode mudar a de muitos atletas de Cuiabá”, disse.

Desde 2014 o Instituto Vicente Lenílson atende mais de 100 jovens atletas sem contar com o apoio do Poder Público. Para ele, o projeto Passe Livre Atleta já é uma oportunidade para incentivar a permanência dos alunos em suas atividades. Ele ainda citou exemplo da cidade de Presidente Prudente, onde esse incentivo foi criado e fomentou a participação de jovens no esporte.

Tendo o desenvolvimento do esporte como uma das bandeiras de mandato, a vereadora pediu a sensibilização dos colegas para defesa desse projeto. Como se trata de uma proposta que altera o orçamento do Executivo, ela apresentou um anteprojeto de lei à Prefeitura.

“Quando era repórter de esporte contei e acompanhei muitas histórias de jovens que não tinham dinheiro para sair da escola, irem para a casa e depois irem para o treino, ficavam na rua, sem conforto. Muitos desistiram. Quantos talentos não perdemos? Então peço a sensibilização da Prefeitura e de todos os vereadores para este projeto. Quando falamos de esporte, falamos de educação e transformação de vidas”, defendeu a vereadora.

 

O parlamentar Demilson Nogueira (Progressistas) apresentou indicação para limpeza total e construção de Centro Cultural em uma área localizada na Rua 07, nas proximidades da Avenida Djalma Ferreira de Souza, no Bairro Morada do Ouro. 

A solicitação vem do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (SINTAP) que tem sua sede em frente a esta área pública.

A área, segundo a direção do sindicato, é constantemente tomada pelo mato e bolsões de lixo que  ocasionam  proliferação de criadouros de mosquitos e animais peçonhentos. Além disso, para os moradores do entorno o local se tornou inseguro para o acesso de pedestres.

O parlamentar está sugerindo ao município fazer no local um Centro Cultural para que a população do bairro possa desfrutar de mais espaços públicos de lazer e recreação.

“Vejo que um Centro Cultural neste espaço que está em desuso pode contribuir muito para que a comunidade se envolva ainda mais. Temos igrejas, escolas, feiras livres por aqui. É isso que temos que fazer utilizando os espaços livres, dar estrutura para que a população tenha opções de lazer, por isso estou indicando ao município que contemple o bairro com este equipamento de uso múltiplo e comunitário”, disse o vereador.

Ao executivo foi solicitado com urgência o serviço de limpeza e roçagem.

Terça, 25 Mai 2021 17:50

Cornershop by Uber chega a Cuiabá

A Cornershop by Uber, plataforma desenvolvida para ajudar usuários a escolher e comprar produtos de suas lojas e supermercados locais preferidos do conforto da sua casa, anuncia o início de suas operações na cidade de Cuiabá, no Mato Grosso. Com o aplicativo, moradores do município agora poderão ter a experiência da Cornershop by Uber, fazendo suas compras por meio da plataforma com a ajuda dos Shoppers, profissionais que cuidarão de seus pedidos e selecionarão seus produtos como você mesmo faria. 

 

O lançamento faz parte da estratégia da companhia de oferecer a experiência da marca para cada vez mais pessoas, provendo um serviço que permite que os clientes comprem produtos variados de mais de 10 categorias diferentes nas lojas locais. Alguns dos parceiros varejistas já disponíveis no Cornershop by Uber em Cuiabá são Atacadão, Drogasil e Granado.

 

"Estamos muito felizes em lançar a Cornershop by Uber em Cuiabá, como parte da rápida expansão para oferecer nossos serviços para cada vez mais cidades no Brasil", afirma Cristina Alvarenga, Head da Cornershop by Uber no Brasil. "Com essa movimentação, nosso objetivo é oferecer a melhor experiência possível para os usuários, bem como gerar oportunidade de trabalho para os Shoppers e ampliar a rede de parceiros nesses municípios", completa. 

 

Cuiabá é uma das 17 praças incluídas na rápida expansão da Cornershop by Uber em 2021, que deve ser concluída até agosto.

 

Como usar

 

A plataforma é muito simples de usar: basta que os usuários façam o download do aplicativo da Cornershop para iOS ou Android, façam seu cadastro, ou que realizem através do site para fazerem seus pedidos - ambas plataformas são intuitivas e fáceis de usar. Na sequência, clientes devem selecionar seu supermercado ou loja especializada favorita e explorar os diferentes corredores disponíveis. Após adicionar os produtos ao carrinho, um Shopper fará as compras para eles e, em menos de 60 minutos, o pedido será entregue.

 

Sobre a plataforma

 

Com sede em São Francisco, a Cornershop é uma plataforma de tecnologia criada para que os consumidores possam comprar produtos de supermercados locais, mercearias independentes e lojas especializadas para entrega em menos de 90 minutos ou programa para o dia e horário que o cliente preferir. Lançada pela primeira vez no México e no Chile, a empresa também está disponível no Peru, Brasil, Colômbia, México, Estados Unidos, Costa Rica e Canadá.

 

Eulália da Silva Soares, mais conhecida como Dona Eulália por seu tradicional bolo de arroz cuiabano, será homenageada como Mestre da Cultura em um projeto transmídia, que utilizará música, videoclipe, livro, tela e exposição fotográfica para contar a história da cozinheira que há 65 anos difunde a tradição do bolo de arroz cuiabano. Cuiabá de Eulália será lançado oficialmente na próxima quinta-feira (27), às 19h, na casa dela.

Sua história será contada por meio de uma exposição fotográfica produzida por Amaury Santos, uma música inédita composta por João Eloy, um livro digital escrito por Karina Arruda, uma pintura sobre tela produzida por Valques Pimenta e um videoclipe produzido por Carlos Kavano.

Em razão da pandemia, a inauguração do Centro Cultural e o lançamento de todos os trabalhos do projeto acontecerão em transmissão on-line, pelo perfil do projeto no instagram @Cuiabadeeulalia e pela comunidade do Facebook Cuiabá MT de antigamente. Após o evento, os frequentadores, visitantes e fãs da Dona Eulália que forem tomar o tradicional “chá com bolo” terão a oportunidade de conhecer e apreciar todo o trabalho.

O projeto 'Cuiabá de Eulália - Transmídia' foi idealizado pelo fotógrafo Amaury Santos. "É uma grande honra poder homenageá-la em vida", comenta Amaury. Ele acrescenta que cada mídia vai contando uma parte da história e deixando as pessoas curiosas levando-as a acessarem as outras mídias. "O projeto proporcionará às pessoas uma experiência singular e inovadora", destaca o fotógrafo.

Dona Eulália tem 87 anos e há 65 mantém viva e difunde a tradição do bolo de arroz cuiabano, prato típico de Mato Grosso, chancelado pela Lei n° 10.514 de 18 de janeiro de 2017 e um dos principais símbolos da cultura regional.

João Eloy, mais conhecido como o Dr. do Rasqueado, morou no bairro da lixeira na infância e adolescência e conheceu de perto Dona Eulália e seus familiares. "Eu cantei nas bodas de ouro dela. É minha amiga particular. Fiquei muito honrado quando me convidaram para fazer parte desse projeto e compor uma música inédita em homenagem à Dona Eulália. Ela é uma pessoa maravilhosa, que é o símbolo da cuiabania e referência na gastronomia mato-grossense", comenta João Eloy.

A narrativa em várias mídias – e de forma convergente – é uma nova forma de contar histórias, que foi priorizada na seleção das propostas pelo Conexão Mestres da Cultura. Nessa técnica, o expectador só conhece a história como um todo quando tiver acesso a todos os seus formatos.

O projeto foi contemplado no edital Conexão Mestres da Cultura da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), realizado com recursos da Lei Aldir Blanc.

Serviço

O que: Lançamento do projeto Cuiabá por Eulália

Quando: quinta-feira (27), às 19h

Onde: transmissão on-line, pelo perfil do projeto no instagram @cuiabadeeulalia

Terça, 25 Mai 2021 05:00

Os órfãos da violência

Feminicídio deixou 20 órfãos em Mato Grosso neste ano. Em três casos distintos, seis pessoas ficaram órfãs porque foi o próprio pai quem tirou a vida das mães delas.

Um estudo detalhado da Superintendência do Observatório de Segurança Pública, vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), sobre os casos de feminicídio mostrou que 20 filhos perderam a mãe assassinada, de janeiro a março de 2021. Elas morreram simplesmente pela condição de ser mulher. A maioria dos órfãos do feminicídio são menores de idade.

Em três casos distintos o assassino foi o próprio pai, totalizando seis filhos com a mãe morta e o pai preso pelo crime ou foragido. Uma das 12 mulheres vítimas do feminicídio deixou seis filhos, alguns adotados, outros de pais diferentes, que estão sem a presença dela. Apenas três das 12 mulheres mortas não tinham filhos.

Os assassinatos ocorreram em 11 dos 141 municípios do estado. São eles: Santo Antônio de Leverger, Querência, Ribeirão Cascalheira, Colíder, Juara, Novo Horizonte do Norte, São José do Rio Claro, Campo Verde, Rondonópolis, Sorriso e Sinop. Este último registrou dois casos.

A maioria das vítimas morreram no fim de semana. Sete foram assassinadas dentro da própria casa e cinco em via pública. A mais jovem tinha 17 anos, a mais idosa, 75 anos, e a maioria de 30 a 45 anos. Arma branca (facas), outros (qualquer coisa que vier à mão) e força muscular foram os meios utilizados pelos assassinos. Apenas 8% usaram arma de fogo.

Medida protetiva

Oito das 12 vítimas de feminicídio foram mortas por motivo passional, 3 por rixa e 1 por motivo fútil, conforme as investigações. Em 100% dos casos, os autores do crime foram identificados.

Apenas uma das 12 mulheres assassinadas tinha registro de concessão de medida protetiva, enquanto 11 não possuíam, o que representa 83% das vítimas.

Em estudo recente sobre as mulheres vítimas de feminicídio em 2020, das 62 mulheres que perderam a vida nesta modalidade de crime, apenas 10 tinham medida protetiva, enquanto 52 não tinham proteção, seja porque não fizeram boletim de ocorrência ou porque não foram amparadas pelo direito da Justiça.

Além disso, 79% das vítimas não possuíam registros anteriores de violência doméstica, ou seja, nunca tinham feito boletim de ocorrência contra o agressor e apenas 13% tinham registros de ameaça, porte de arma ou vias de fato.

Conforme a superintendente do Observatório de Segurança Pública, Tatiana Eloá Pilger, romper o silêncio pode sim fazer a diferença entre viver ou morrer. “A maioria das vítimas de feminicídio estavam caladas, não denunciaram o agressor e não tinham medidas protetivas. Por mais difícil que seja, é necessário denunciar, buscar ajuda. A gente tem percebido que esse crime tem ocorrido mais no interior do que na capital. Muitas não buscam expor a família ao denunciar a agressão, têm dependência financeira do agressor, não têm apoio familiar, mas denunciar ainda é melhor caminho e pode fazer a diferença para colocar limite na ação do homem”.

 

 

 

Página 7 de 127